Nacional

“Sem Medo de Mudar”, WRY reencontra a esperança em momento decisivo para o país

Se em Noites Infinitas (2020) o WRY em suas composições trazia o amargo na garganta e ecoava versos sombrios como “Morreu a Esperança” em alusão ao longo processo de retrocesso que culminou a chegada de Bolsonaro ao poder em 2018. Agora, na semana que pode mudar a rota do país em meio a possibilidade real de não termos mais um candidato que apoia atos antidemocráticos e a barbárie no poder, serve como combustível para o primeiro single do novo disco o sentimento de reencontro com a esperança. É neste espírito que “Sem Medo de Mudar”, lançada há duas semanas, aparece feito uma estrela no horizonte. O material agora ganha um videoclipe dirigido por Alex Batista (NxZero, Fresno, Marília Mendonça, Luis Fonsi e Luan Santana).

Aliás, a faixa é a primeira a ser revelada do primeiro disco totalmente em português do grupo sorocabano em mais de 20 anos de serviços prestados ao indie rock nacional. O material contará com 11 canções inéditas e será o terceiro disco em 3 anos, mostrando o poder de produção e a vontade de continuar contribuindo para o fomento do cenário de rock no país. Inclusive, será o oitavo disco da discografia do WRY que será lançado pelo selo Before Sunrise Records.


WRY lança clipe para “Sem Medo de Mudar” – Foto Por: Ana Érica

WRY “Sem Medo de Mudar”

O apelo de “Sem Medo de Mudar” ao mesmo tempo que é pop em seus arranjos também faz uma ponte entre o baixo do rock oitentista indo de encontro com o post-punk criativo; que pode abraçar tanto quem curtir novos nomes do post-punk do leste europeu como antigos entusiastas de grupos como Siouxsie And The Banshees, Belgrado e The Damned justamente por sua aproximação estética com a música produzida no oriente médio e norte da África. Podendo servir tanto para a pista de locais como Madame Satã, como também para performances em meio a luzes amarelas, verdes, violetas e vermelhas.

“A ideia fala em reerguer-se apesar do peso do mundo nas costas.”, reflete a banda que não esquece que mesmo em meio a incertezas a tensão política ainda serve como plano de fundo.

A ideia de trazer versos que falam sobre a humanidade na fraqueza e na beleza da transformação como parte do ciclo da vida passa tanto uma mensagem política e sensível ao entorno, como também carrega o sentimento de como envelhecer pode nos mostrar um lado positivo no quesito de saber como melhor aproveitar os bons momentos. A esperança aguerrida para quem se via cansado de lutar no escuro, entre inseguranças e impasses, agora dá luz a tempos de novas safras.

Já o clipe dirigido por Alex Batista apela pela sensibilidade desde utilizar do arquétipo dos fantasmas se contorcendo no escuro, passando pela angústia da solidão ao colorido de poder voltar a ver luz no horizonte. A luz, inclusive, acaba sendo o condutor da história e ir do P/B ao vermelho com brilhos na face mostra como os pequenos indícios da transformação já estão aparecendo nas ruas. O futuro é apenas questão de acreditar.



A faixa foi produzida por Mario Bross e João Antunes, gravada no estúdio Deaf Haus, em Sorocaba (SP) por João e Luciano Marcello. Assistente de estúdio e gravação, William Leonotti. Mixada e masterizada por João Antunes.

Letra

Cruzei a linha da morte

Eu sabia que isso ia acontecer

Vou parar de me culpar, porque

Das noites frias eu quero esquecer

 

Havia solidão

Despedidas já me faziam mal

Seu sorriso me fez voltar a ser

Um aliado

 

Lembre-se, meu amor

Sou tão humano quanto você

Eu junto os cacos que estão no chão

Estou lutando

Sem medo de mudar

 

Eu tenho companhia

Numa Era de muita euforia

Estou andando pela escuridão

A procura de uma solução

 

Será uma nova história

Com as armas que tenho nas mãos

É uma só a sã desilusão

São os extremos da nossa tensão

 

Lembre-se, meu amor

Sou tão humano quanto você

Eu junto os cacos que estão no chão

Estou lutando

Sem medo de mudar

 

Eu tiro os pés do chão

Pra conseguir abrir as portas

Das entranhas das lamentações

Que me prendem e me fazem sofrer

Lembre-se, meu amor

Sou tão humano quanto você

Eu junto os cacos que estão no chão

Estou lutando

Sem medo de mudar

Sem medo de mudar


This post was published on 28 de setembro de 2022 10:00 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival Rock na Praça celebra seus 20 anos neste domingo (04/12)

O indivíduo não é nada sem sua cultura, sem o entretenimento. Cultura é patrimônio e…

1 de dezembro de 2022

Referências a músicas brasileiras em Cyberpunk 2077 abrangem mais de 50 faixas

Quando lançou Cyberpunk 2077 dois anos atrás, a CD Projekt RED recebeu inúmeras críticas por…

1 de dezembro de 2022

Balaclava Fest revela o line up completo da edição de 10 anos; Pluma, Bruno Berle e Jennifer Souza são confirmados

O selo musical, produtora cultural, editora fonográfica e revista, Balaclava, apresenta hoje, o line up…

30 de novembro de 2022

Rita Zart eleva a potência feminina em videoclipe para “O Que Range”

A gaúcha Rita Zart, fundadora e que integra até hoje o Coletivo Gogó, é cantora,…

29 de novembro de 2022

“Sêr Estrela”, Jennifer Souza homenageia Vander Lee em canção interestelar

Assim de mansinho em plena segunda-feira de Copa do Mundo Jennifer Souza, conhecida por seu…

28 de novembro de 2022

FERALKAT olha para o abismo em “Existo”, single ganha clipe produzido inteiramente por mulheres

A vocalista, guitarrista e tecladista da banda curitibana The Shorts, Natasha Durski, apresenta mais um…

25 de novembro de 2022

This website uses cookies.