Nacional

Viratempo lida com o passado e os conflitos internos em “PRAZER”

“PRAZER” é o primeiro single a ser apresentado do novo disco da Viratempo

Pode não parecer mas já fazem 4 anos que a banda paulistana de indie pop Viratempo lançou o álbum Cura, lançamento que quebrou a estética folk até então utilizada pelo grupo composto por Vallada (synth/vocais), Danilo Albuquerque (guitarra), Hygor Miranda (synth/baixo) e Max Leblanc (samples/bateria).

O som do último material apresentado por eles AUTOCURA (2020), é um EP de remixes experimentais das faixas do debut, misturando elementos do trip hop ao dream pop. O material pandêmico teve ainda participações especiais de artistas nacionais como ÀIYÉ e Lou Alves (Walfredo Em Busca da Simbiose) e internacionais de SARTOR e AKAN. Por aqui na época, inclusive, chegamos a fazer a Premiere do videoclipe para “LA FLACA”.

Agora eles preparam o segundo álbum de estúdio já prometendo trazer novas referências e narrativas para as produções do quarteto paulista. O primeiro single a ser apresentado, por exemplo, faz o mix entre o synthpop, o funk e ainda em seu corpo capricha nos beats e graves. Uma das referências citadas é justamente Kaytranada que recentemente se apresentou no Lollapalooza Brasil.


Viratempo está produzindo um novo disco com Janluska (Terno Rei, Tuyo), previsto para ser lançado ainda no segundo semestre deste ano. – Foto: Sofia Nehring Döbberthin

Viratempo “PRAZER”

Com previsão de lançamento para o segundo semestre, o quarteto tem trabalhado as tracks que farão parte do novo disco com produção de Janluska (Terno Rei, Tuyo), mixagem e masterização de Guigo Berger (Marina Sena, Mateus Carrilho).

A faixa que tem mixagem com direito a bastante experimentação, cria um universo etéreo e cintiliante para traduzir em palavras todo o sofrimento e tensão vivida em tempos como os nossos. Conflitos esses exacerbados entre teclados enigmáticos oitentistas e o groove do baixo – dando uma levada da house music para uma balada com letra bastante obscura. Essa ironia de dançar as incertezas embala a faixa que tem nos graves seu pulsar.

O material chega acompanhado dirigido por Rollinos e de forma bastante lúdica e noventista explorando as cores, efeitos e pela primeira vez dentro da videografia da Viratempo traz a a banda performando. O material possui uma estética que nos remete até mesmo as bandas produzidas ainda nos anos 90 pelo genial Alan McGee.



Entrevista: Viratempo

Quatro anos depois do álbum de estreia “Cura” e ainda no meio do caminho tendo o lançamento do EP, “Autocura” no complicado ano de 2020. Como vêem o saldo, o novo novo ciclo da banda e como tem sido a oportunidade de trabalhar com Janluska?

Viratempo: “O saldo até agora é muito positivo! Lançamos o Cura no fim de 2018, de uma forma completamente independente, e a recepção foi ótima, muito melhor do que imaginávamos. Descobrimos aos poucos que muita gente estava ouvindo o nosso som, inclusive pessoas importantes dentro do cenário musical, o que foi uma surpresa ótima. Muita gente escutou o disco pela primeira vez durante a pandemia e nós recebemos muitos retornos positivos até hoje.

O EP AUTOCURA foi lançado no segundo semestre de 2020 e tem uma cara de “Lado B”. Ele é composto de remixes de músicas antigas, então não fez tanto barulho como um disco completo, mas é um trabalho que nos  orgulhamos muito. Ele reflete muito o período incerto e sombrio do início da pandemia.

Acho que uma palavra que define o novo ciclo da banda é “amadurecimento”. O Janluska é um profissional extraordinário e um cara que sempre admiramos muito. Ter a oportunidade de trabalhar com ele está diretamente ligada a esse amadurecimento sonoro na nova fase da banda.”

No campo de referências no primeiro single, “Prazer” vocês citam Kaytranada, o que podemos esperar da sonoridade do novo álbum?

Viratempo: “Uma evolução da essência da Viratempo (alô fãs do Cura!) se misturando com novas referências e gêneros musicais, como o House que trouxemos em “PRAZER”. Temos certeza que os fãs de todas as fases da banda vão se identificar com esse novo trabalho. Escutamos muitos artistas que bombaram no fim dos anos 90 e começo dos anos 2000 no período de composição!”

Já na parte conceitual e das temáticas, o que podem adiantar do novo lançamento?

Viratempo: “O que podemos adiantar sobre o conceito e o tema do novo disco é a questão da dualidade. É um trabalho que permeia entre o surrealismo e a realidade, o interno e externo, entre o “eu” e a relação com o outro. “PRAZER” foi um primeiro passo, onde falamos um pouco mais sobre conflitos internos e como lidar com o passado. As próximas faixas trarão um pouco desse sentimento, mas misturado com o outro lado da moeda.”

This post was published on 3 de junho de 2022 11:01 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival Rock na Praça celebra seus 20 anos neste domingo (04/12)

O indivíduo não é nada sem sua cultura, sem o entretenimento. Cultura é patrimônio e…

1 de dezembro de 2022

Referências a músicas brasileiras em Cyberpunk 2077 abrangem mais de 50 faixas

Quando lançou Cyberpunk 2077 dois anos atrás, a CD Projekt RED recebeu inúmeras críticas por…

1 de dezembro de 2022

Balaclava Fest revela o line up completo da edição de 10 anos; Pluma, Bruno Berle e Jennifer Souza são confirmados

O selo musical, produtora cultural, editora fonográfica e revista, Balaclava, apresenta hoje, o line up…

30 de novembro de 2022

Rita Zart eleva a potência feminina em videoclipe para “O Que Range”

A gaúcha Rita Zart, fundadora e que integra até hoje o Coletivo Gogó, é cantora,…

29 de novembro de 2022

“Sêr Estrela”, Jennifer Souza homenageia Vander Lee em canção interestelar

Assim de mansinho em plena segunda-feira de Copa do Mundo Jennifer Souza, conhecida por seu…

28 de novembro de 2022

FERALKAT olha para o abismo em “Existo”, single ganha clipe produzido inteiramente por mulheres

A vocalista, guitarrista e tecladista da banda curitibana The Shorts, Natasha Durski, apresenta mais um…

25 de novembro de 2022

This website uses cookies.