Categories: MPB

Luciane Dom lança single “Kabile”, nome de língua ameaçada a extinção na Argélia

Luciane Dom é cantora e compositora brasileira, natural de Paraíba do Sul e atualmente vivendo no Rio de Janeiro. Seu nome e suas canções estão cada vez mais se aproximando do público ouvinte, seja através festivais em que ela tem estado presente nos lineups como pelo impacto de suas canções sobre amor, resistência e filosofia que vem agradando cada vez mais.

Sua trajetória vem sendo construída numa rede de artistas colaborativos e representativos na música produzida por artistas negros do país e no RJ e, sua carreira vem sendo conduzida com a verdade de sua voz única, sua poesia reflexiva e suas escolhas certeiras em parcerias, pesquisas e temas para sua canções.

Luciane vem se mostrando um compositora versátil e antenada no mercado, sem subverter suas sintonias estéticas e poéticas, a criadora trouxe algumas belas canções e produções em 2020 como as faixas “Notícia Boa” (2020) e “Si Bu Kre” (2020) que contaram com a produção musical do produtor Felipe Rodarte através do Edital Nacional Oi Labsônica, da Oi Futuro edição Toca do Bandido.


Luciane DomFoto Por: Marcos Hermes


As Fronteiras da Língua

A nova canção, “Kabile”, de Luciane Dom fala sobre atravessar as fronteiras da língua através da busca pelas nossas raízes, das intenções, do movimento e do olhar, com sonoridade um pouco menos pop que suas últimas composições lançadas.

“Kabile” traz uma bela complexidade de sons, pois transita entre o jazz, traz influencia da percussão africana com o percussionista Roque Miguel lembrando levadas baianas de carnaval aliado a condução do baterista Davidson Ilarindo e, a música apresenta transições aquele toque delicioso de rock progressivo através das linhas de guitarra gravadas pelo músico Diogo Martins, pelos teclados com efeitos e muito groove de Nelsinho Freitas e do contrabaixo de Rodrigo Ferrera.

A faixa foi gravada no Labsonica, laboratório de experimentação sonora e musical do Oi Futuro no Rio de Janeiro e a canção já está disponível em todas as plataformas digitais.

Sobre o mote da composição

Luciane Dom participou de uma dinâmica em 2018 no projeto de residência artística e musical que participou chamado OneBeat nos Estados Unidos. O projeto seleciona e reúne líderes musicais emergentes do mundo todo para criar colaborativamente trabalhos originais e desenvolver uma rede global de iniciativas engajadas através da música.

A Troca de Vivências

Nesse intercâmbio Luciane conheceu artistas do mundo todo, e mais especificamente conversou com um novo amigo da Argélia chamado Younes Kati, e nessa vivência o diálogo se fez com ela falando em português os problemas da violência policial no Brasil e no seu bairro do Rio de Janeiro, e seu colega falando da violência e opressão na língua Kabile, língua materna da família do artista, idioma este que a policia e as autoridades vem proibindo aos argelinos de falarem nas ruas.

“Kabile é uma língua que tem sido perseguida na Argélia, e o governo Argelino vem impondo o francês como língua nacional, utilizando de algumas formas de opressão para evitar que o Kabile seja falado e praticado como comunicação pelos cidadãos. O fato não é comentando em grandes mídias, é um problema interno do país que eu conheci através do contato que tive com um artista Argelino.” disse a cantora

Na canção Luciane canta: “Quantas línguas você diz, onde pulsa sua raíz?(..)” provocando o questionamento pra si e pro público ouvinte sobre as diversas línguas que nos atravessam e que nos são impostas pelo processo de colonização.

“É uma musica que reflete nossa eterna busca por pertencimento, pela própria verdade, pelas nossas raízes. E falando de Brasil, podemos pensar o porquê não usamos o Tupi Guarani e línguas nativas hoje, o como essa estrutura de pensamento do colonizador em inferiorizar essas línguas incentivou a sociedade a banalizar essas linguagens e elas irem desaparecendo dos nosso ambientes.”, por Luciane Dom

A faixa é uma composição de Luciane Dom que teve em sua companhia os músicos Davidson Ilarindo (batera), Rodrigo Ferrera (baixo), Diogo Martins (guitarra), Roque Miguel (Percussao), Nelsinho Freitas (teclados). A produção é assinada por Felipe Rodarte e a gravação foi realizada no Estúdio Toca do Bandido. Fabricio Matos assina a mixagem e a masterização foi realizada por Ricardo Garcia.

Luciane Dom “Kabile”



Sobre Luciane Dom

Luciane Dom é cantora, compositora da música brasileira contemporânea. Formada em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e a partir de suas pesquisas sobre Banzo e o negro no pensamento social brasileiro, a historiadora começou a intercambiar o ensino teórico de História à Arte, através da música. Desde o lançamento de seu primeiro álbum Liberte esse Banzo (2018), Luciane vêm traçando projetos que manifestam a diáspora, em que traduz suas observações sociais e raciais cantando com artistas como Vox Sambou (Haiti), Yorka (Chile) e Malika Tirolien (Guadalupe).

O clima enérgico de seu show a levaram por palcos no Brasil, Chile, no Imesur e La Makinita, e Estados Unidos, Onebeat e Brasil Summerfest.

Em 2020 foi selecionada pelo Edital Labsônica gravando um compilado de singles que vem sendo lançados em 2020  e já ambientam seu próximo disco, Améfrika, que será lançado em 2021. Foi convidada a participar do Festival Faro, Latinidades e Festival Mucho.

Cris Rangel

Poeta, arte-educadora e multi-artista, produtora cultural há 19 anos, indignada e sincericida por natureza. Gosta de abraços demorados e é aficcionada por música e toda arte que subverte ao óbvio. Ama brincar, rir de si mesma, inventar coisas e fazer planos mirabolantes para os amigos que admira. Tem mania de dividir conhecimento e novidades. Diretora Artística da Lyra das Artes. A verdadeira Lôca do Play.

Recent Posts

No clima das Olimpíadas 2021: Conheça artistas do cenário musical de Tóquio

Com a chegada das Olimpíadas 2021 o mundo volta os olhos para Tóquio onde durante…

26 de julho de 2021

Músico faz medley bem humorado para clássicos do emo dos anos 2000

O músico e Youtuber fez uma paródia para clássicos do emo dos anos 2000 Acidentalmente cai…

23 de julho de 2021

Audições da Lôca #7 tem Mayí, Malcolm VL, Billy Brandão, WRY, Sidarta Riani, EDFO, Camila Menezes e Chico Algo

Audições da Lôca #7: Mayí, Malcolm VL, Billy Brandão, WRY, Sidarta Riani, EDFO, Camila Menezes…

23 de julho de 2021

Clássicos Perdidos: “Fluent In Stroll”, o álbum que reinventou o som do Big D & the Kids Table

Parece que foi ontem mas lá se vão 12 anos desde que o Big D…

22 de julho de 2021

Jornalismo Cultural, algoritmo, TikTok e o Pós-Pandemia

O Futuro do Jornalismo Cultural no Pós-Pandemia Há tempos existe uma discussão (silenciosa) pairando no…

21 de julho de 2021

Audições da Lôca #6 com ZANZAR, Carbônica, C.E.L.T. e Nico Antônio e os Filhos do Mar

Audições da Lôca #6: ZANZAR, Carbônica, C.E.L.T. e Nico Antônio e os Filhos do Mar…

21 de julho de 2021

Este site utiliza cookies para melhor personalização para você.