Melies

Rubel transforma a odisseia do “Homem da Injeção” em um samba-hino contra o negacionismo

O talento de Rubel tanto para produzir canções pop, como para roteirizar excelentes videoclipes, é algo notável e nesta quinta-feira (08/07) ele nos surpreende mais uma vez com seu novo single “O Homem da Injeção II”.

Com uma letra perspicaz de Breno Góes, o músico criou arranjo para as bases e teve a companhia de um time de notáveis para criar os demais, composto por Arthur Verocai – que teve seu trabalho tardiamente reconhecido – nas cordas e Antonio Neves, nos arranjos de metais.

Inteligente e naturalmente de protesto contra o desserviço das falas, atitudes e falta de comando do presidente perante a crise sanitária, a faixa soa como uma crônica ao melhor estilo do Notícias Populares sobre um fato recente: o protesto do “peladão da estátua”.

O caso fico nacionalmente conhecido pela repercussão midiática do cidadão ter subido em uma estátua histórica (do período colonial do país) sem roupas e gritando que só se retiraria caso fosse vacinado. Refletindo, feito um retrato, ou uma tirinha satírica, sobre a insanidade, o destempero e os delírios dos tempos de pandemia.

Crédito da Capa: Clarisse Tarran

Rubel “O Homem da Injeção II”

O interessante também foi a canção ser uma espécie de continuação de um samba de quase 100 anos atrás, transformando – e ressignificando – de maneira bem humorada aquela canção em um hino pró-vacina – da época da Pandemia da Gripe Espanhola. Citando, inclusive, personagens marcantes da luta de nossos tempos como a cartunista Laerte.

“O povo vendo que até o guarda
Tirando a farda, apoiava o civil
Foi saindo do sono perigoso e inerte
Como disse Laerte, a grande ficha caiu
Feito uma peça de Zé Celso no teatro oficina

Pedindo vacina, a ralé se despiu
E disse: “até que o pulha nos traga a agulha Será a vez da nudez no Brasil”

A história chegou ao palácio
Até o pancrácio que rege o país
Que achou engraçado ver tanto pelado
Mas quis acabar com esse diz que me diz

Tentou discursar na TV pra nação
Falando talqueis e taisquais sem sentido E um menino, rindo da televisão, disse Olha mamãe, o rei está vestido”, trecho de “O Homem da Injeção II”, de Rubel

“A música é inspirada na história real de um homem que ficou nu em uma praça pública do Rio de Janeiro e subiu em uma estátua exigindo vacina. É uma cena absurda e surreal, assim como o momento político que vivemos.

Há algum tempo, tenho vontade de escrever músicas que falem mais diretamente da nossa situação como país, e essa pareceria com o compositor Breno Goes é minha a primeira canção nessa direção política.

O título da música é uma referência ao samba de um dos primeiros compositores cariocas, Sinhô, chamada “O Homem da Injeção”, de 1930. A caminho para a biblioteca nacional, onde registraria a canção, no entanto, Sinhô faleceu precocemente, sem deixar nenhum registro da letra ou da melodia. A música se perdeu para sempre.

A letra supostamente falava de um serial killer que usava uma injeção para matar, mas gosto de imaginar que poderia, na verdade, ser uma alusão à gripe espanhola da década de 20, que Sinhô testemunhou e sobreviveu – outra trágica pandemia que assolou o mundo há quase cem anos.

Separados por quase cem anos estariam também “o Homem da Injeção” original e “o Homem da Injeção II”.

A produção da faixa foi muito especial porque tive a oportunidade de gravar com nomes consagrados do samba carioca, que integram as bandas do Zeca Pagodinho e do Arlindo Cruz, como Esguleba e Jaguara na percussão, Mauro Diniz no cavaquinho, Carlinhos 7 Cordas no violão, Teo Lima na bateria e Jorge Helder no baixo. Para completar, o arranjo de cordas é assinado por Arthur Verocai, e o arranjo de metais por Antonio Neves, diz Rubel.

RubelFoto Por: Ibrahem Hasan

This post was published on 8 de julho de 2021 1:37 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Rosa Chá aposta no groove e no poder das conexões em “Nada Mudou”

Após no ano passado lançar seu EP de estreia, a Rosa Chá prepara uma série…

21 de janeiro de 2022

Pitty lança o documentário “Casulo Musical” com participações de Drik Barbosa, Jup do Bairro, Badsista, Pupillo e Monkey Jhayam & Rockers Control

Depois de lançar seu novo EP, Casulo, através do seu novo selo independente homônimo, Pitty apresenta…

19 de janeiro de 2022

Terno Rei abraço o pop na nostálgica “Dias da Juventude”

Após o bem sucedido Violeta, as expectativas pelos próximos trabalhos do Terno Rei se elevaram.…

18 de janeiro de 2022

Coletânea “Futuro do Passado” celebra os 40 anos de carreira de Lulu Santos com releituras indies

O ícone do pop nacional, Lulu Santos, é mais um dos artistas nacionais a ganhar…

14 de janeiro de 2022

Os 250 álbuns mais aguardados de 2022

Se 2021 foi marcado pelo lançamento de diversos singles e muitos discos durante o segundo…

13 de janeiro de 2022

Nietts traz à tona o momento político e sanitário do país em “Doloribus”

Quem no finzinho de 2021 voltou a apresentar um novo material foi o duo Nietts que…

12 de janeiro de 2022

This website uses cookies.