Talvez você conheça o músico Diego Xavier por conta do BIKE, onde é guitarrista e vocalista, mas o músico tem lançado discos solo desde 2016 ao lado do projeto Diego Xavier Trio, Dx3 (2017) e Recortes (2019). Até o momento foram dois discos e pouco antes da pandemia estavam nos planos o terceiro registro de estúdio.

Diferente do BIKE, onde explora a psicodelia, no Diego Xavier Trio ele explora referências que passeiam pelo universo do rock alternativo, grunge, lo-fi, emo e até mesmo chegando a flertar com o punk rock.

Em sua companhia ele tem ao lado atualmente Ricardo Garofallo (Passarinho & O Sistema Brega de Som), no baixo, e Rodrigo Leal (Coletivo Estoril), na bateria, e no projeto ele procura abordar letras com temáticas sobre fases da vida, cotidiano, raiva e dores de cabeça.

Diego Xavier Trio “Nocaute / Altas Aventuras”


Diego Xavier Trio - Paullo Amaral

Diego Xavier TrioFoto Por: Paullo Amaral


Nesta quarta-feira (25/11) em Premiere no Hits Perdidos o Diego Xavier Trio lança os singles “Nocaute” e “Altas Aventuras” através de uma live session no Estúdio Ekord em registro feito por Leonardo Marques.

Gravado ainda em dezembro de 2019, o material foi registrado com a ajuda de uma fita analógica que dá toda a estética noventista dos paulistas. As faixas foram mixadas por Diego Xavier no Estúdio Wasabi, masterizadas por Alexandre Campos no Bangue Estúdio e é um lançamento Bangue Records.

Segundo Diego “Nocaute” discorre sobre “as batalhas da vida num tom um tanto quanto pessimista, mas sem esquecer que sempre há uma luz no fim do túnel”. Ríspida e com o espírito de grupos como Jawbox e Fugazi, a canção traz o tom de confusão a tona junto com um ar de mistério provenientes dos seus pedais que nos remetem a neo-psicodelia.

Já “Altas Aventuras” segundo o músico “é como uma conversa, quase um desabafo sobre as dificuldades de se fazer arte no país.”, discurso que se intensifica ainda mais em tempos como os nossos mas sempre existe há uma espécie de luz no fim do túnel que faz com que o sonhos não se esvaia. Seu ritmo é mais cadenciado, o que faz com que você entre em suas ondas e deixe-se levar por suas frequências lo-fi.

“Compostas em períodos diferentes, as duas músicas trazem sentimentos de incertezas, um mergulho em feridas abertas que só o tempo e a experiência conseguem costurar.”, desabafa Diego Xavier



As faixas estarão disponíveis nas principais plataformas digitais na sexta-feira (27/11), faça o Pre-Save agora mesmo clicando aqui.