O emo surgiu nos anos 80 vindo da cena de punk/hardcore de Washington D.C. através de suas letras de tom confessional e bem diferente das letras politizadas do movimento punk. Também conhecido como emocional hardcore, ou emocore, bandas como Rites Of Spring e Embrace fazem parte da primeira onda (das várias) do segmento. Algo bem diferente do que veremos na playlist Emo Brasil.

A Segunda Onda do Emo

Se a primeira onda ainda estava atrelada ao hardcore mais raivoso, a segunda mostrou a possibilidade de ir para um território, digamos assim, mais próximo do rock alternativo e abraçando os interiores dos EUA; tendo como uma das cenas mais relevantes a de estados como Illinois, Texas e Washington, locais bem distantes de berços do hardcore como Califórnia e Massachusetts. E o resgate de uma nova geração por essas características acaba ganhando um revival interessante ao longo da última década.

Dessa leva bandas como Sunny Day Real Estate, Fugazi American Football, Piebald, Cap’n Jazz, Joan Of Arc, Jets To Bazil, The Get Up Kids, Elliott, Jawbreaker, Braid e Texas Is The Reason acabaram sendo destaques. Elas acabaram sendo responsáveis para que o estilo não parasse de evoluir, alguns até acreditam que estamos vivendo uma nova onda do emo, embora acredite que isso só mostra como um gênero musical está sempre em constante transformação quando cruza no caminho de um jovem.

A evolução do Emo

Nos anos 90 o gênero musical ganhou novas ondas e subdivisões algumas até mais comerciais assim como a fusão com outros estilos como alternative rock, indie rock e pop punk.

Mas o sucesso comercial a nível mundial veio na terceira leva dos anos 2000 com bandas como Dashboard Confessional, Taking Back Sunday, The Used, My Chemical Romance, Story Of The Year, Thursday, Underoath, Emery, AFI, Fall Out Boy, Saosin, The Matchbook Romance, From First To Last. Junto disso veio uma subcultura forte e jovem que se expandiu para moda. Muitas dessas já traziam um lado mais pop e bebiam de outras fontes, seja do post-hardcore, screamo, como do pop.

Outras bandas mesmo não tendo as características acabaram rotuladas como emo quando na prática eram bandas de pop punk ou pop rock, exemplos não precisamos dizer, não é mesmo? Algo que aconteceu com o grunge e o brit pop e quem viveu sabe como muitas vezes o rótulo é apenas uma prateleira de mercado.

Acelerando um pouco a linha do tempo….

Para não ficar nos alongando muito nisso vamos acelerar um pouco a linha do tempo e chegar no começo dos anos 10’s. Uma nova geração começou a ganhar relevância através de bandas como Tigers Jaw, This World Is a Beautiful Place And I Am No Longer Afraid To Die, Foxing, Pianos Become The Teeth, Balance and Composture, Modern Baseball, Old Gray, La Dispute, Title Fight. O Tumblr ajudou muito na disseminação dessas bandas (alguém ainda usa?).

Entre outras que podem até não seguir esta linha mas que tem uma aproximação com a cena podem ser citadas Basement, Citizen, Superheaven, Turnover, Pity Sex bandas que até tem algumas características do emo mas que flertam com o Alternative Rock, Grunge, Post-Rock, Punk Rock, math-rock e até mesmo o pop.

Fato é que esse resgate destas bandas somado a procura pelas que as influenciaram incentivou uma geração que tem dado o que falar como é o caso de destaques dos últimos anos como Soccer Mommy, snail mailJulien Baker, Alvvays, Frankie Cosmos, Hatchie, Courtney Barnett acabaram somando outras referências como o Dream Pop mas sem perder a essência do emo.

Nos Estados Unidos existem teorias em que atualmente estaríamos na quinta ou sexta onda do segmento, com direito ao emo revival e o emo rap (XXXTentacion, Juice Wrld, Lill Peep).

Emo Brasil

É no contexto dos anos 2000 que o emo ganha força no Brasil muito influenciada pelas bandas em evidência nos Estados Unidos. O screamo, o pop punk, hardcore melódico e o revival acabaram aparecendo como características do que era produzido em São Paulo que passou a ganhar força principalmente no sudeste e sul do país.

Algumas dessas fugindo do hardcore e abraçando grupos com apelo mais pop como Good Charlotte, Panic! At The Disco, Fall Out Boy e até mesmo o Simple Plan.

No Brasil nomes como Hateen, Dance Of Days, Fresno, CPM22, Rancore, Emoponto, Sugar Kane, Reffer, Polara, Noção de Nada, Granada, Glória, NX Zero, Strike, Forfun e muitas horas acabaram ganhando relevância. No auge o Hangar 110, e casas como o Black Jack, eram alguns dos palcos onde as bandas foram crescendo. Os ingressos eram esgotados todos os finais de semana e existiam até mesmo cambistas nas portas das casas de show. Neste meio tempo diversas gravadoras tentavam lançar bandas da noite pro dia tentando aproveitar a onda.

Do Hardcore ao Emo

Em 2013 Daniel Ferro lançou um documentário retratando o hardcore dos anos 90 até o emo. Outro registro importante para o cenário de rock brasileiro.

“Documentário de 1h de duração, abordando as bandas independentes da cena de hardcore melódico brasileira, no período da segunda metade da década de 90 até os dias atuais, até a explosão e sucesso de algumas no mercado mainstream.

Com entrevistas exclusivas com artistas como Dead Fish, CPM22, Garage Fuzz, NxZero, Dance of Days, Gloria, Sugar Kane, Forfun, Fresno, Hateen, Cueio Limão, Street Bulldogs, Bullet Bane entre muitos outros envolvidos, o documentário revela imagens inéditas, coletadas de arquivos pessoais das bandas.

O programa aborda ainda questões como a confusão que foi o termo “Emocore” no país, a relevância da casa Hangar 110 para o fortalecimento da cena, além de mergulhar nos reflexos gerados a partir de uma cena autossuficiente que se transformou ao virar a sensação dos jovens na primeira metade da década de 2000, culminando numa crise atual do underground.” – conta a sinopse do documentário



Confira outros Documentários Brasileiros

Emo Brasil: Playlist oficial de um dos gêneros musicais mais controversos


Fresno Emo Brasil

Fresno durante a divulgação do seu último álbum.


Nossa Playlist Emo Brasil vem recheada com bandas dos diferentes momentos. Do auge no país, passando pelo pop punk, hardcore melódico, alternativo, pop rock que na época foi rotulado como emo ao revival dos nossos dias. A seleção Especial pode ser encontrada no Spotify do Hits Perdidos (siga o Hits no Spotify!).

A Playlist Oficial: Emo Brasil do Hits Perdidos

A playlist conta com sons das bandas: Fresno, Dance Of Days, Fullheart, Emoponto, El Toro Fuerte, CPM22, Polara, Noção de Nada, Raça, Hateen, Sugar Kane, Reffer, Rivets, NX Zero, Vowe, Rancore, Alaska, Doyoulike?, Ramirez, Wacky Kids, Hevo 84, Hori, Againe, Phone Trio, CineDisco, Hill Valleys, Dibob, Forfun, Cueio Limão, Eu Serei a Hiena, Glória, gorduratrans, Strike, Darvin, Kill Moves, Doppelgangers!, marianaa.

Granada, Level Nine, Scracho, Ombu, Replace, 35mls, Killi, Houdini, ETNA, Aditive, B5, Fake Number, Delittus, Depois do Fim, Umnavio, menores atos, Ana Paia, eliminadorzinho, Fernando Motta, Loyal Gun, Personas, Um Quarto, Zero To Hero, Better Leave Town, Ment, Never Too Late, Ultraluna, Diego Xavier, Adorável Clichê, terraplana, Def, Nenhum Caetano, Debate, Saudades Futebol Clube, Jorg., Radical Karma, The Ones Who Care, Emerald Hill, sereno, Empate, Vinicius Mendes, Unbelievable Things, Wagner Almeida.

Faltou alguma? Indica para a gente que adicionamos!

Siga a Playlist no Spotify  |  Siga o Hits Perdidos