Eden

Paulo Gabardo supera seus conflitos em EP de estreia

Paulo Gabardo nasceu em Curitiba (PR), é radicado em São Paulo mas gravou seu EP de estreia em Brasília (DF). Inclusive a capital federal se reflete ao longo do andamento do registo, visto que marca o período de tempo e as transformações que viveu na cidade.

“A mensagem do EP tem muito a ver com todo esse contexto de negação, depressão e desorientação que me fizeram acordar para uma parte de mim que estava negligenciada. O EP é como um desfecho dessa fase. É como se finalmente tivesse chegado o momento em que posso me reconhecer por inteiro, superados os conflitos entre as dúvidas internas e rompida a repressão que impus a mim mesmo.

Creio que esse conflito existencial tem suas particularidades, mas se comunica com o homem universal. Afinal, ninguém sabe ao certo a que viemos e todos batalhamos para encontrar alguma resposta que nos traga equilíbrio e paz interior”, reflete Paulo Gabardo.

A nostalgia também é um elemento a parte já que as canções foram tomando forma na época que ainda tocava na banda David de Boa. Inclusive foi ao lado produtor musical e companheiro de banda, Janary Gentil, que “Inteiro” começou a ganhar forma.

“Depois de uma fase um tanto sombria da minha vida, que me fez rever prioridades, passei a enxergar os processos criativos não apenas como necessários, mas como minha vontade principal.

À medida que consolidei esse lado criativo como parte relevante da minha vida, sobreveio mais paciência e cuidado com o acabamento das criações. Isso me fez encarar o desafio de gravar um disco e o Janary era a pessoa perfeita para me ajudar”, relembra o músico sobre o novo passo


Paulo GabardoFoto Por: Ana Kawajiri

Paulo Gabardo Inteiro (2020)

O EP que conta com quatro faixas conta com a produção musical e arranjos de Janary Gentil. As gravações e mixagens foram realizadas no Mojo Pin Produções e 1234 Recording Studio. Já a masterização foi realizada por Alexandre Rabaço e capa é assinada por Ana Kawajiri.

Para as gravações Paulo Gabardo (voz) teve a companhia de Janary Gentil (violões, guitarras e instrumentos adicionais), Arthur Lobo (baixo) e Caio Fonseca (bateria). O EP teve ainda as participações especiais de Pedro Menezes (guitarra) e Pedro Paulo Lima (teclado) na faixa “Ao Ar”.

O lado acústico e o recorte de diferentes fases acabam transparecendo ao longo das faixas. Com um violão em mãos esse lado artesanal acaba aparecendo na estética limpa que bebe do folk e do rock’n’roll. Bastante reflexivo, sensível e introspectivo cada faixa permite uma distinta sensação.

“Ao Ar” por exemplo encoraja o ouvinte a superar os obstáculos e percalços da vida, com direito a teclados e uma alusão ao “astronauta de marte”, David Bowie. A solidão e apatia, por sua vez, se reflete nos versos de “Sem Rumo”.

“O violão foi meu primeiro instrumento. Comecei a tocar com 15 anos. Não estudei muito, mas o violão é um instrumento que aceita a criatividade até mesmo por quem é leigo. Se bem trabalhado e gravado, o som do violão é realmente emocionante.

Também tem a parte de que quero poder tocar minhas músicas numa boa em casa num instrumento que estou mais familiarizado. Há muito para explorar nas 6 ou 12 cordas afinadas no violão. Sempre me ocorre coisa nova”, comenta Gabardo.

Faixa a Faixa por Paulo Gabardo

O próprio músico elaborou um faixa a faixa com as suas próprias impressões das canções que criou, sendo assim uma ótima, e por sua vez, rara oportunidade de conferir mais detalhes sobre a obra sob o ponto de vista de seu criador.

Inteiro

“É como um prólogo da trajetória apresentada. Como os versos introdutórios de poemas épicos (tipo Os Lusíadas), “Inteiro” tem esse caráter de apresentar o EP.

A música é tocada na afinação aberta em Dó, que traz uma sonoridade muito potente e que permite
diversas variações com execução razoavelmente simples. O Led Zeppellin usa essa afinação em Bron-Yr-Aur e Friends. Brincando com ela, criei a base de Inteiro.

A música nasceu instrumental. Janary ao ouvir achou que cabia reformular a estrutura e fazer letra. Escolhidas as demais músicas que comporiam o EP, trabalhei a letra de Inteiro com aquela ideia de ser
uma introdução ao conceito que se desenhava para o conjunto. A parte instrumental foi composta em 2016, mas a versão com letra é de 2017.”



Ao Ar

“A música nasceu da vontade de fazer criar uma balada em um tempo não convencional. A maior parte é cinco por quatro, alternando com pequenos pedaços quatro por quatro.

A letra tem a ver com a vontade de tentar algo novo, de perseguir uma mudança, de ter coragem para se lançar ao encontro das vontades. É uma composição também de 2016. É a canção mais pop, na qual se nota influências de Van Morrison e David Bowie, especialmente primeiros álbuns.”

Realidade

“A letra é um questionamento sobre o que é vontade genuína em busca de felicidade e o que não passa de alimento para o ego. Por meio de uma temática que remete a redes sociais, pergunta-se qual é a realidade.

Será que queremos contato com outros ou queremos apenas reconhecimento próprio? Será que a vontade criativa é autêntica ou decorre de um desejo de aparecer por ter criado? A música é do começo de 2017. É a faixa mais pesada do álbum. A sonoridade inspirada em Jeff Buckley pode ser sentida nessa faixa.”

Sem Rumo

“A música foi composta há quase 20 anos. A letra também é praticamente a mesma. A canção responde a dúvida levantada em “Realidade”. A vontade de criação não atende a desejos de aparência.

Na aparência o homem sem rumo se desfaz. A música segue após superar o grito do homem sem rumo. Sem mais palavras, os instrumentos ascendem ao centro das atenções, convergindo com a primeira frase da letra de “Inteiro”, que abre o EP: “o silêncio me atrai”.

O homem incialmente sem rumo encontra-se agora inteiro, orientado pela transformação criativa da criação musical. Os minutos finais instrumentais representam essa sublimação. Quanto às influências, a partir de um início que mais uma vez evoca Led Zeppelin, a música avança para sonoridades inspiradas em Radiohead.”

Lives, Quarentena e o Momento

Quando o assunto é a recepção que espera no momento em relação ao trabalho o músico diz que pode aguçar a reflexão naqueles que tiverem a oportunidade de ouvir o seu EP.

“Talvez o momento atual, por implicar mais reflexão, ajude nessa conexão. Talvez o público preste atenção aos detalhes do meu trabalho. Tudo ali tem significado e foi aperfeiçoado. Espero que as pessoas apreciem e espero que isso as ajude a se desligarem um pouco do mundo”, espera Paulo Gabardo.

Paulo Gabardo Inteiro (2020)


This post was published on 7 de maio de 2020 11:29 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Virada Cultural 2022 apresenta programação descentralizada nos dias 28 e 29/05; confira a programação completa

A abertura da Virada Cultural 2022 acontece às 17h do sábado (28), com apresentação do…

20 de maio de 2022

Jair Naves apresenta lado mais experimental em “Ofuscante a beleza que eu vejo”

O quarto disco da carreira solo do músico, cantor e compositor Jair Naves, Ofuscante a…

20 de maio de 2022

brvnks revela o lado doce e o amargo do amadurecer em “meet the terrible”

Após lançar Morri de Raiva (2019) pela Sony Music, a goiana brvnks após divulgar no…

20 de maio de 2022

Lançamentos Nacionais: Maglore, Glue Trip, Luna França, OZU, Julia Baumfeld, Giovanna Moraes e Bola

Aqui no Hits Perdidos voltamos com a coluna de lançamentos nacionais, afinal de contas, maio…

20 de maio de 2022

Lista das Listas 2021: conheça quais são os 45 discos mais citados pela crítica brasileira no último ano

Lista das Listas 2021, revela quais são os 45 discos mais citados pela crítica musical…

19 de maio de 2022

Tom Misch em Porto Alegre; show acontece na sexta-feira (20/05) no MITA Day

Tom Misch em Porto Alegre, inglês se apresenta no dia 20/07; garanta o seu ingresso…

19 de maio de 2022

This website uses cookies.