Você Precisa Ouvir o sensacional álbum de estreia da Basement Tracks

Se você gosta de dream pop / neo-psicodelia / shoegaze / Krautrock / rock alternativo e todo este universo viajante, pare tudo que estiver fazendo e dê o play no álbum de estréia da Basement Tracks.

Lançado há exatamente um ano, o registro não teve a divulgação que merecia mas nem por isso deve passar despercebido!

Formado em 2012, o conjunto formado por Victor Fonseca (guitarra e voz), Ruan Lustosa (guitarra), Rodrigo Baumgratz (baixo), Lucas Duarte (bateria) e Ruy Alhadas (teclado) surgiu em Juiz de Fora (MG).

Como influências eles citam grupos como Stone RosesMGMT, Air, The War on Drugs, Jagwar Ma e Brian Eno. Mostrando bastante da pluralidade do som da banda que capricha bastante na produção e experiência sonora. 

Até então eles contam com um compacto (“Ocean’s Son” e “Mindset” / 2014), um EP (Songs From The Orange / 2015), além claro do álbum de estréia, Rave On (2018). 

Braulio Almeida (Estúdio Veneno NooAfoi o responsável pela produção, mixagem e masterização do registro que assim como os EP’s foi gravado no Estúdio Maquinaria.

“Penso que desde o início a gente queria trabalhar com muito carinho na mixagem do disco, porque as músicas eram muito melhores que as do nosso primeiro EP. Mas tanto carinho acabou se arrastando por 2 anos e foi uma luta terminar as gravações.

O processo de mixagem até que foi legal. Eu e Victor assumimos essa responsabilidade e nos juntamos ao nosso produtor, Bráulio Almeida, para trabalhar junto. Apesar do parto das gravações, no final das contas ainda estávamos bem animados com o resultado final.

Acabou que o conceito do Rave On é uma continuação, bem melhorada, do nosso primeiro EP. Queremos sempre expandir mais a nossa sonoridade sem ficar preso a nenhum estilo definido.

Consigo ver flertes com rock alternativo americano, Madchester e lofi contemporâneo em Rave On. Mas nada muito pensado, aconteceu.”, relembra Ruan


Basement Tracks de Juiz de Fora (MG) se apresenta pela primeira vez em São Paulo na festa do Hits Perdidos. A noite ainda conta com a apresentação do Antiprisma. – Foto: Divulgação

A Estréia em SP

A estréia em São Paulo acontece no sábado (08/06) na Casa do Mancha dentro da série de shows Hits Perdidos Apresenta que em Abril teve sua primeira edição recebendo as bandas Alaska e Cigana (que inclusive lançou na ocasião seu álbum de estréia).

Desta vez a festa receberá além dos mineiros da Basement Tracks, o grupo folk/psicodélico Antiprisma que está repaginado e a cada dia mais próximo da sonoridade do Sonic Youth.

Os paulistas se apresentarão no formato quarteto, deixando de lado a veia folk e soltando o braço na distorção, neo-psicodelia e noise rock. Vale lembrar que em breve eles lançarão seu segundo álbum Hemisférios (Previsto para Julho).

Sim, será uma noite marcada pelos chiados, distorções e buena onda para quem curtir pedais, timbres e experimentação sonora. O evento ainda contará com discotecagem do Rafa 77 do Hits Perdidos!

“Não é de hoje que a Basement tenta tocar em SP, quando lançamos nosso EP, em 2015, batemos na trave algumas vezes e acabou não se concretizando.
Com o lançamento de Rave On, SP voltou pro nosso radar.

Ano passado toquei aí com minha outra banda, a Alles Club, o que iniciou uma ponte pra esse show. Esse ano toquei novamente com a Alles, o que me ajudou a ter uma noção de onde seria o melhor lugar pra esse primeiro show. Acho que esse show vai tirar um peso das nossas costas (risos).”, finaliza Ruan



Serviço

Hits Perdidos Apresenta: Antiprisma e Basement Tracks
Data: 08/06/2019 (sábado)
Horário: 21h
Local: Casa do Mancha
Endereço: Rua Felipe de Alcaçova, nº 89 – Pinheiros – São Paulo/SP
Ingressos: R$20
Classificação etária: 18 anos

Confirme Presença no Evento

Basement Tracks
Rave On (Maio / 2018)

Lançado em maio de 2018, como dito anteriormente, o disco traz uma gama de influências bastante abrangente que vão da psicodelia dos anos 60 e 70, passando pela criativa década de 80 (e seu post punk) e abraçando as distorções, e utopias, dos anos 90 (Ah, que saudade dos tempos de Creation Records!)

Uma inspiração complementando a outra e criando uma linguagem não apenas sensorial mas como também estética. Despertando de bate pronto uma curiosidade iminente para assistir a uma apresentação ao vivo. Sound & Vision.



São 9 músicas, e cerca de 42 minutos de duração, transmitindo várias sensações através de nuâncias e camadas que juntas criam uma identidade própria.

Feito uma viagem no tempo e espaço…nos levando diretamente para o UK .

Feito o rebobinar de uma fitinha K7 “Sunkissed” é um grande exemplo de canção de instiga e desperta curiosidade. Impressionando por sua minuciosa produção e com potencial para acessarmos memórias perdidas.

Aquela mesma sensação que ouvir RIDE, Yo La TengoSlowdive ou My Blood Valentine proporciona. Experiência sensorial e revigorante para quem cresceu ouvindo a estes pequenos clássicos perdidos.

“Daydreaming'” te convida para uma volta, como o nome já adianta, pelo campo dos sonhos e dos devaneios. Sussurrada, ela feito uma nave te leva à bordo para uma viagem e flerta com a New Wave. Despertando sensações e levando o ouvinte para bem longe.

Já “Going Back” vai direto no coração dos apaixonados por Stone Roses e diria que até mesmo fisga, sem muita dificuldade, os fãs de Primal Scream. Madchester na veia e com lisergia que ao mesmo tempo dialoga também com Roky Erickson e seus The 13th Floor Elevators.

As texturas e camadas de “Blooming Inside” estabelecem um flerte entre o post-punk, do The Cure, e o neo-hippie psicodélico do MGMT. Combinação que ao mesmo tempo que é dark, ainda carrega uma verve dançante. Dark melancolia.

A viagem pelo espectro ciber espacial retoma feito um filme de ficção científica em “There Are Interactions Between Galaxies”. Se você gosta de Spiritualized, esta canção é definitivamente para você.

Com uma levada mais lenta, ela cresce aos poucos e cria uma atmosfera bastante peculiar. O destaque fica para sua requintada construção que mais uma vez permite sensações.

Mesmo não sendo um álbum de acid rock, por muitas vezes essa barreira é rompida. O destaque fica para os teclados que ao mesmo tempo que criam toda uma conexão extra sensorial, estabelecendo assim um elo com a espiritualidade. Fico até imaginando a sensação de ouvir esse som sob efeitos de sintéticos.

O shoegaze com doses psicodélicas aparece com mais força mesmo em “Triangles” e agradará ao mesmo tempo a fãs de War On Drugs, Tame Impala, The Jesus and Mary Chain e Stone Roses. Fugaz, ela é explosiva e mesmo tendo este ar de nostalgia, ainda é conectada com nossos tempos. Aparecendo e desaparecendo nas cinzas feito poeira espacial.

“Melody” me lembrou até um pouco o grupo francês Melody’s Echo Chamber justamente por este flerte com Space Rock e Dream Pop. Então se gosta de som alucinante e texturas, vai conseguir viajar para bem longe. E permita-se levar, faz parte da experiência.

Claro que o disco teria uma baladinha para dançar juntinho e é esse o papel de “The Glow”, um hit perdido sussurrado e que aos poucos vai seduzindo o ouvinte. A canção pode até ter sido gravada, e lançada, em 2018 mas ela te leva diretamente para o cenário do filme 24 Party People.

Merecia até mesmo um clipe recheado de camadas e animações 3D.

Mas quem fecha o disco é justamente “The Cycle” que funciona feito o fechamento dos créditos de um filme. Os créditos descem mas a sensação é a mesma de ver o pôr do sol de um dia frio de inverno.

Poderia ter sido gravado na fria Manchester mas para nossa felicidade a banda mora a apenas cerca de 500 km de São Paulo e no dia 08/06 pela primeira vez tem encontro marcado conosco!

Não Ouse Perder este Show!



O álbum de estréia dos mineiros da Basement Tracks é uma viagem sensorial através das ondas da neo-psicodelia, shoegaze, rock alternativo, Dream Pop, psicodelia, kraut rock e experimentação.

Conseguindo nos levar direto para Madchester mas de maneira digna, com produção impecável e texturas que proporcionam uma experiência tão forte feito uma viagem no tempo e espaço. Entre à bordo de Rave On e permita-se levar para bem longe!

A oportunidade de assistir o grupo de Juiz de Fora (MG) se apresentar pela primeira vez em São Paulo acontece no dia 08/06 na Casa do Mancha dentro da Festa Hits Perdidos Apresenta que também contará com show do Antiprisma. Coloca na agenda!

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Recent Posts

Bárbara Eugênia lança de surpresa o agridoce “Crashes n’ Crushes”

No apagar das luzes de 2021, neste sábado (04/12), a Bárbara Eugênia lança de surpresa…

11 horas ago

Festival MITA 2022, que reúne Gorillaz, Rüfüs du Sol e Tom Misch, abre venda de ingressos

O novíssimo Festival MITA, que acontece em maio de 2022 nas cidades de Rio de…

1 dia ago

Os Melhores Clipes Independentes | Novembro (2021)

Confira os melhores clipes independentes lançados em Novembro | 2021 em seleção especial feita pelo…

2 dias ago

Gop Tun Festival promete ser um dos grandes eventos de música eletrônica de 2022

Gop Tun Festival tem objetivo entregar ao público a 'pista dos sonhos' A primeira edição…

2 dias ago

As Melhores Live Sessions | Novembro (2021)

As Melhores Live Sessions | Novembro (2021) O Que São Live Sessions? Live Sessions tem…

3 dias ago

Antiprisma reflete sobre nossos tempos em “Não Verás País Nenhum”

Antiprisma lança "Não Verás País Nenhum" via Alcalina Records Para quem conhece o Antiprisma, sabe…

4 dias ago

This website uses cookies.