A cidade é São Paulo. Sua cor é cinza. Seu céu é dividido entre grandes os arranha-céus e as nuvens que se misturam com a poluição. Cenário próprio de uma grande metrópole moderna que sofre com os mais diversos tipos de problemas.
A capital paulista não para e não descansa. Seus cidadãos sofrem com suas marcas, o tanto que tem a agradecer também tem a repudiar. A cobrança perante seus sonhos, suas conquistas, seus deveres e o que “esperam” de você estão estampados nas faces de seus habitantes entre um pingado e uma cerveja. Entre engravatados e ambulantes a pluralidade da cidade se mostra a cada esquina, a cada rusga ou conflito. Seja ele interno ou externo.
Essa angústia, agitação, caos e descompasso podem ser ouvidos através dos acordes cirúrgicos do Poltergat no incrível Blanka lançado no ano passado pelos selos Howlin’ Records e Sinewave Label.
Hoje vamos falar de outro lançamento com o selo de aprovação Sinewave, Pausa do Testemolde. Assim como o post sobre o disco do This Lonely Crowd, a dupla Elson Barbosa e Lucas Lippaus preparou um vídeo especial para introduzir o trio.



Como o próprio Elson, um dos responsáveis pela Sinewave, comenta no vídeo: “O epicentro é São Paulo. A cor é cinza. A base é rock. Assim como o concreto que envolve a cidade. Em 2017 a frase do release da banda de 2014 está mais atual do que nunca”.
Através de seus tempos quebrados, peso do metal misturado com o grunge a banda se fosse americana facilmente estaria presente no livro Nós Somos A Tempestade – Conversas Sobre o Metal Alternativo Dos Eua do jornalista Luiz Mazetto.
Do Neurosis passando pelo Helmet ao Melvins, a série de livros mostra através de suas páginas como o metal alternativo foi se moldando na terra do Tio Sam. Inclusive estou ansioso para começar a ler o volume dois lançado no fim do ano passado pela editora Ideal.
Talvez as bandas citadas logo acima sejam ótimas para explicar a vitalidade e agressividade do som do Testemolde. Na ativa desde 2008 eles contam em sua trajetória com um álbum cheio (Testemolde – 2014), e agora dois EP’s, Hidroxila (2015) e Pausa (2017).
Algo que vale ressaltar sobre o trabalho do trio formado por Azeite De Leos (guitarra), David Menezes (baixo) e Guilherme Garcia (bateria) é o teor “rueiro” dos trabalhos. Afinal de contas a cidade cinza e suas vivências que os inspiram a produzir sua música, também é o grande palco para a apreciação do seu som.
Em 2014 por exemplo após o lançamento do disco de estreia eles realizaram intervenções sonoras durante Bienal da Arte na praça Vitor Civita. A rua ainda serve de palco e nestes quase 10 anos de trajetória faz parte também de sua identidade.
No ano passado eles tiveram a oportunidade de excursionar pelo nordeste onde participaram do festival Under the Sun (Natal / RN). Outro acontecimento que marcou o ano de 2016 para o projeto foi o show simultâneo com a banda Ralo que eles fizeram no fim do ano tocando com duas baterias, duas guitarras e dois baixos simultaneamente.
Desta forma chegamos a Pausa. O EP foi gravado ao vivo no Family Mob Studio em São Paulo por Hugo Silva e mixado e masterizado por David Menezes Davox no estúdio Rolo de Lata 77 Produções.

A capa é uma foto do artista plástico e guitarrista do trio Azeite de Leos.

O EP conta com as faixas “Somália” e “Helena”, as duas com um tempo parecido, cerca de três minutos e meio de duração, muitas quebras e o equilíbrio e peso de estilos como o post hardcore, o metal e o grunge. Uma curiosidade em seus primeiros dias o trio contava com vocais mas isso não durou muito tempo. Desde então o som é instrumental.
*Outra curiosidade: O processo de composição como eles falarão veio das linhas de baixo. Após isso foram encaixadas as linhas de guitarra e bateria.
“Somália” já começa transgressora com um riff hipnótico com uma viajante linha de baixo, as guitarras entram dando o peso e deixando o clima tenso. Cheia de quebras a bateria tem a missão de segurar o tranco. Conforme a canção vai progredindo começa o duelo entre guitarra x baixo que equalizam e criam o clima “acinzentado”.
“Helena” poderia estrelar facilmente alguma fase da série de video games Tony Hawk. Consigo fechar os olhos e observar uma fase do jogo onde o cenário parece “estar dando curto”. É nessa atmosfera um tanto quanto “sombria” e densa que a ambientação ganha destaque. A introdução dura cerca de um minuto e depois somos surpreendidos com novos riffs e viradas de bateria. Impossível ouvir sem ficar com o eco do barulho de “interferência” que acompanha a canção na cabeça.O mais interessante do curto EP é observar a cada audição novos detalhes em cada instrumento. Com destaque para o single “Helena” que tem um poder magnético de faixas de artistas como Melvins, Fu Manchu e Sleep.

[Hits Perdidos] O Testemolde está em atividade desde 2008 e o som sempre teve o ar urbano como fonte de inspiração. Como o cotidiano que estamos vivendo afetou no resultado do novo EP?

Testemolde: “Bom, difícil dizer exatamente o que nos influenciou, mas com certeza, seguimos um caminho de formatar os sons diferentes, os riffs não se repetem, a musica é como uma historia, as coisas (riffs) acontecem uma vez e depois são passado, como no nosso cotidiano. E também, a dinâmica das músicas mostram isso, elas começam mais lentas e baixas, e vão ganhando riffs e volume, como um dia/semana que vamos vivendo.”

[Hits Perdidos] Nos últimos anos o espaço público para intervenções urbanas teve ganhos significativos como a abertura da Av. Paulista entre outros espaços. Acreditam que essa tendência com a mudança de gestão na cidade se manterá?
Testemolde: “Boa pergunta! Esperamos que sim, mas, ao invés de ficarmos esperando atitude dos outros, podemos nós mesmos se mexer e fazer acontecer. E também, cobrar dos responsáveis pra não deixar a cultura no geral, morrer.”

[Hits Perdidos] Ainda falando de políticas públicas. A música tem inspiração no cinza da cidade e nas últimas semanas através do “Cidade Linda” muitos grafites e pixes tem sido removidos de São Paulo. Sendo considerado por alguns como um “acinzamento da cidade”.
Qual a visão de vocês sobre isto? A tendência é a música de vocês ficar ainda mais cinza?

Testemolde: “Esperamos que não, e uma coisa não esta liga diretamente a outra. Culturalmente sim, mas são nichos diferentes. Como falamos antes, ao invés de nos conformarmos com a cidade cinza, vamos correr atras, assim como sempre foi na música. E duvidados da música ficar mais cinza, claro que como qualquer coisa que tem monte, nem sempre tudo é bom, mas tem muita musica boa surgindo por ai.
O Testemolde está na ativa desde 2008 e tem como as principais influências Helmet, Unsane e Melvins. – Foto: Divulgação
[Hits Perdidos] Em 2014 vocês lançaram o primeiro álbum (Testemolde), depois veio o EP (Hidroxila – 2015) e agora o Pausa (2017). O que aprenderam ao longo do tempo com erros do passado que se pudessem voltar no tempo alertariam?

Testemolde: “Acho que não classificaríamos como “erro”, e sim como experiência. Musicalmente evoluímos, mudamos, dentro do nosso estilo, a sonoridade da banda. E pelas experiências, ou erros como falaram, aprendemos a mudar o caminho, fazer de um jeito diferente. Acho que não voltaríamos no tempo, como nossa nova forma de compor esta mostrando, as coisas acontecem e depois fica pra trás, as vezes de uma forma boa e outras vezes ruim, e “corrigimos” isso no proximo passo o que acharmos que deu errado.”

[Hits Perdidos] Contem um pouco mais sobre cada uma das canções do novo EP.

Testemolde: “Como são só duas músicas, por falta de tempo, não tivemos muito pra produzir e fazer novas musicas. Foram riffs que nosso guitarrista apresentou, e como dito antes, resolvemos contar historias, riffs que não se repetem. Estamos numa fase sonora diferente, riffs mais lentos, mas dinâmicas nas músicas, e muitas vezes o baixo é a linha principal das melodias, e não a guitarra.
Criamos as músicas meio em paralelo, tínhamos duas bases e fomos ajustando os detalhes depois, uma de cada vez. E sinceramente, nossas musicas não tem muita firula, são sons diretos, porrada e volume, realmente só acertamos os riffs e ordem da história.”

[Hits Perdidos] Como foi a experiência de fazer um show simultâneo com a banda Ralo? Como rolou a dinâmica e o entrosamento entre os projetos?

Testemolde: “Pô, isso foi do caralho. Primeiro, que o Ralo são nossos irmãos, temos a mesma formação, guita, baixo e batera, isso ajudou muito. Temos referencias muito parecidas, entao não foi problema nenhum escolher as músicas que íamos fazer juntos. E não podia ter sido melhor, o entrosamento foi instantâneo, as músicas saíram na hora. E o show, entrou pra história. Além disso, alguns de nós já temos outros projetos com os integrantes, o que também ajudou. E não paramos por aí, nosso plano é evoluir e fazer muito mais coisas juntos.”

Playlist Especial de Lançamento no Spotify

O trio preparou especialmente para o Spotify do Hits Perdidos uma playlist com 15 sons que retratam o universo cinza do Testemolde. Não deixem de seguir o perfil para novas playlists e muitas novidades!



Saiba quem escolheu o que da lista:

David (baixo)
– Black Sabbath – Paranoid
– Alice In Chains – Them Bones
– Helmet – Drug Lord
– Raul Seixas – Al Capone
– Frank Zappa – Prelude to King Kong

Azeite (guitarras)

– Bad Brains – Big Take Over
– Helmet – In The Meantime
– Deftones – Rickets
– Unsane – Only Pain
– Shellac – Ghosts
Guilherme (bateria)
– Helmet – Unsung
– Russian Circles – Mota
– Mastodon- The Motherload
– Norma Jean – 1,000,000 Watts
– Anup Sastry – Lion

Vale lembrar que a Sinewave nessa semana através de seu perfil oficial no Spotify estreou a série “Sinewave 7” na qual a cada semana 7 artistas do casting ganharão destaque na plataforma. Algo similar ao que é feito nas playlists bombadas do Spotify. Não deixe de acompanhar!


Testemolde
Facebook
Spotify
Bandcamp
Instagram

Sinewave
Site Oficial
Spotify
Youtube
Bandcamp

This post was published on 22 de fevereiro de 2017 9:24 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Lançamentos Nacionais: Maglore, Glue Trip, Luna França, OZU, Julia Baumfeld, Giovanna Moraes e Bola

Aqui no Hits Perdidos voltamos com a coluna de lançamentos nacionais, afinal de contas, maio…

20 de maio de 2022

Lista das Listas 2021: conheça quais são os 45 discos mais citados pela crítica brasileira no último ano

Lista das Listas 2021, revela quais são os 45 discos mais citados pela crítica musical…

19 de maio de 2022

Tom Misch em Porto Alegre; show acontece na sexta-feira (20/05) no MITA Day

Tom Misch em Porto Alegre, inglês se apresenta no dia 20/07; garanta o seu ingresso…

19 de maio de 2022

Florence + The Machine faz versão para clássico do The Stooges, “Search and Destroy”, em “Dance Fever (Deluxe)”

Florence + The Machine divulgou nesta quarta-feira uma versão para o clássico do The Stooges…

18 de maio de 2022

Bad Manners, banda seminal do ska britânico, faz show inédito no Brasil em Setembro

Com 46 anos de estrada o Bad Manners tem confirmada no Brasil sua estreia. A…

17 de maio de 2022

This website uses cookies.