Nacional

Paira rompe frequências entre o onírico e o concreto no “EP01”

EP01 marca a estreia do duo mineiro Paira

O duo Paira, de Minas Gerais, resolveu juntar a força do revival do emo e do math rock com a irreverência do drum & bass, breakcore, downtempo e até mesmo influências do tão em alta UK Garage.

De Belo Horizonte, o Paira é um duo formado por André Pádua e Clara Borges justamente para explorar a experimentação de referências de sonoridades que já os agradavam isoladas.

“A Paira surgiu da vontade de explorar e combinar gêneros diferentes para tentar criar algo novo e empolgante a partir disso”, diz Clara.

Mas quais as referências? Eles comentam que Cap’n Jazz, Number Girl e Grouper, até Goldie e Squarepusher, passando pelos conterrâneos do Clube da Esquina.

“Essa lista de referências e gêneros pode parecer meio absurda, lendo assim, mas é uma sonoridade que eu e a Clara vínhamos imaginando e construindo há anos, desde um pouco antes da pandemia pra ser exato, antes de ficarmos próximos. Há dois anos começamos a banda e foi ali que a coisa começou a tomar a cara que tem agora”, comenta diz André Pádua

Sobre o surgimento do projeto, ele complementa.

“Um dia eu encontrei a Clara em um show e ela mencionou sobre esse desejo de misturar emo com drum and bass, e eu fale: tem três anos que eu tô tentando fazer isso, vamos colar junto”


Paira lança o “EP01” pela Balaclava Records. – Foto Por: Artur Lahoz

Paira EP01

Eles lançam nesta quinta-feira (06/05) o EP 01. O primeiro dos mineiros chega através do selo Balaclava Records que também tem em seu casting a catarinense Gab Ferreira que através do seu Dark Pop, explora ambiências da música eletrônica e do indie.

O material foi gravado em casa entre 2022 e 2024, tendo seus vocais gravados no Estúdio Cais em 2024. Guilherme Vittoraci assina a mixagem e Pedro Lucas Ferraz (Adieu) as masters – ele que também faz participação na faixa “O Fio”, segundo single a ser disponibilizado do disco. No EP, Vinicius Cabral é o responsável por 4 das 5 letras.

Quem abre o registro é “Música Lenta” que de lenta só tem algumas partes. A mistura das ambiências e vibes logo se apresenta em seus primeiros 30 segundos com guitarras distorcidas, ecos, bateria frenética e acordes dissonantes que se chocam com os vocais calmos de Clara.

Seu refrão vai de encontro com as referências do midwest emo. É como se realmente Kinsella estivesse brincando de ouvir Massive Attack e Portishead e resolvesse bater tudo no liquidificador. Para quem está acostumado com o ritmo disperso do TikTok, a mistura sonora, e suas quebras de tempo, são uma ótima opção para quem busca manter o foco.

“O Fio”, segundo single a ser lançado do EP, chegou acompanhado de um videoclipe dirigido por Lucas Campos. Ela tem uma dinâmica diferente, uma mistura entre passar a sensação de ansiedade e de excitação, uma tônica presente no dia a dia de muitos de nós.

Seu refrão fica na cabeça, entre melodias de guitarra, e o coração que vai a boca, feito o medo de perder o chão. Guitarras vão se sobrepondo, entre efeitos, tensão e o fim da linha.

Feito uma navalha, ela despedaça o ouvinte em outra frequência. Levando a superfície a dicotomia entre o doce e o cruel, o leve e o pesado, o que é o futuro e o que é o passado, o épico e o moribundo.



A primeira audição de “Leve” lembrou até mesmo um pouco Terno Rei por sua harmonia e melodia. Até consigo imaginar o Ale Sater cantando esta possivelmente em um show. O dueto de vocais narra a história e em sua segunda parte a música cresce entre dedilhados, arranjos oníricos e atmosfera espacial.

Como um Rio“, primeiro single a ser lançado oficialmente do projeto, em sua temática aborda sobre o tempo suspenso no qual a tristeza se transforma em aceitação. Ou seja, o conformismo.

A batida já deixa claro desde o início as referências que trazem a leveza do math rock e jazz, tão emprestada para estilos como o midwest emo, que dominou a cena alternativa de Chicago no fim dos anos 90, e as ondas pulsantes do drum & bass… trazendo uma sensação de nostalgia e driblando o sofrimento da letra.

Tudo isso sem deixar de dialogar com a sonoridade de outros artistas conterrâneos que coletivos como a Geração Perdida de Minas Gerais acabou agarrando para si ao longo dos anos. Aliás, quem gosta de Truno, outro artista da Balaclava, talvez possa curtir Paira.

A alternância de vocais ajuda a criar camadas para a narrativa, e os beats e teclados levam o ouvinte para um cenário preto e branco, onde as emoções entram em conflito, entre a vontade de mudança e a sensação de estagnação.



Quem fecha o EP01 é “19” que começa lenta, e doce, com a atmosfera introspectiva e levada de uma sessão ao vivo. Com backin vocals sussurrados, a curta canção de pouco mais de 2 minutos, tem em destaque na imersão dos vocais de Clara.

A estreia é bastante animadora e dialoga com uma cena de bandas que não necessariamente estéticamente se parecem, mas que experimentam sem medo de errar, como Squid, Dry Cleaning, black midi e Black Country, New Road.

This post was published on 6 de junho de 2024 9:45 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Nando Reis anuncia o ambicioso disco triplo “Uma, Estrela e Misteriosa” e reflete sobre o ofício de compor

"Uma, Estrela e Misteriosa" é um dos projetos mais ambiciosos e colaborativos da carreira solo…

23 de julho de 2024

Catarse coletiva marca o show do The Lemonheads em São Paulo

The Lemonheads em São Paulo, show lotou o Cine Joia em noite memorável Quando foi…

21 de julho de 2024

PLUMA desafia a gravidade para se conectar em “Não Leve a Mal”

São raríssimos casos em que podemos estar presentes no primeiro lançamento oficial de uma banda.…

18 de julho de 2024

As incríveis histórias de Evan Dando e seu maior arrependimento com o The Lemonheads

Escrever sobre música é uma das coisas mais legais do mundo para mim, mas tem…

16 de julho de 2024

Mês do Rock em 50 bandas do independente nacional

Lista reúne 50 bandas independentes do rock nacional em atividade especialmente para o Mês do…

15 de julho de 2024

Planet Hemp: 30 anos fazendo nossas cabeças

O espetáculo Planet Hemp: 30 Anos de Fumaça aconteceu na noite da quinta (12) no…

12 de julho de 2024

This website uses cookies.