Crime Caqui traz as sutilezas para o primeiro plano em “Atenta”

 Crime Caqui traz as sutilezas para o primeiro plano em “Atenta”

Crime Caqui lança Atenta – Foto Por: Brenda Quevedo (@brebunda)

Crime Caqui, de Sorocaba (SP)  lança seu álbum de estreia catalisando referências que vão do indie pop, passando pelo proto-punk ao pós-punk. Atenta, que carrega um significado semântico forte traz consigo em síntese a sutileza dos processos e a atenção as vivências bastantes pessoais que circundam a estreia do grupo formado por Fernanda Fontolan (bateria), May Manão (guitarras), Yolanda Oliva (baixo) e Larissa Lobo (guitarras).

“No processo de construir o conceito do álbum chegamos à conclusão de que essas músicas eram bastante pessoais e registravam momentos muito sensíveis e significativos das nossas experiências, como por exemplo, se enxergar socialmente como mulher, como artista, como pessoa LGBTQIA+, como uma pessoa que experiencia o amor, o caos emocional, que cultiva a autoestima, que estabelece um canal de expressão pra sua voz”, explica Yolanda.

“Quartzo Aranha” e “Feito Pra Durar“, que inclusive teve clipe disponibilizado em Premiere no Hits Perdidos, davam a entender o caminho que elas iriam percorrer ao longo dos pouco mais de 25 minutos de disco.


Crime Caqui lança Atenta - Foto por Brenda Quevedo (@brebunda)
Crime Caqui lança AtentaFoto Por: Brenda Quevedo (@brebunda)

Crime Caqui Atenta

O olhar para dentro se reflete nas histórias e no encontrar de cada integrante ao longo das composições que mostram um nítido amadurecimento em relação aos materiais anteriores. Formada em 2017, a Crime Caqui soube utilizar esse período sombrio e de desesperança da pandemia para entender o caminho que queriam percorrer tanto na sonoridade, na estética mas também na profundidade das composições. Ouvir o disco vai te levar a lugares bastante particulares entre guitarras que vão do dream ao powerpop.

A profundidade de “Feito Para Durar” é um dos pontos altos, logo na faixa mais longa do disco. Uma canção que passa por um tema que ao longo da vida todos iremos vivenciar algumas vezes, o da vulnerabilidade. Ao notar que tudo é frágil, e passageiro, por mais sólido que pareça ser e todo cataclisma de emoções envolvido. Tudo sendo vivo e capaz de mudar mesmo que a princípio não seja algo que “desejamos”. O cair a ficha de que o amor se desfez traz consigo uma série de sentimentos conflitantes clássicos de um fim de ciclo.

E realmente no campo instrumental são curvas sinuosas, entre misturar o português com o inglês, diferentes caminhos de sonoridades. Em certo momento com o jeito mais juvenil do CSS, em “Estrago”, ou a densidade de sentimentos pulsantes e melancolia do Warpaint, em “Chatty Katty”. Por outro lado a acústica “Mais Quente Que o Sol” mostra que também a música brasileira tem espaço no repertório das paulistas. “Violeta”, escolhida para fechar o trabalho, é uma das mais sensíveis e explora as camadas do math-rock com bastante notas sutis. Se você tem gostado do indie mais descompromissado do Wet Leg, talvez se divirta com “Gostosinha”.

O disco foi foi gravado no Estúdio Aurora em São Paulo por Carlos Freitas e Carina Reno, gravação de bateria por JH Miotto, com produção musical de Mônica Agena (Moxine), mixagem de Alejandra Luciani e masterização de Katia Dotto.




Serviço show Crime Caqui no Studio SP

Dia 09/03, quarta-feira
Abertura da casa: 20h
Shows: BIKE e Crime Caqui
Horário: 21h e 22h30
Entrada gratuita. É só chegar!
Studio SP: Rua Augusta, 591, Consolação, São Paulo
studiospaugusta.com
Classificação: 18 anos – Maiores de 16 anos podem entrar acompanhados dos pais ou responsável legal.

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Related post

error: O conteúdo está protegido!!