Disstantes critica a desinformação e a cegueira coletiva de nossos tempos em “Zumbi Choppa”

Disstantes é o projeto de duas figuras carimbadas da cena carioca, Gilber T (Latinos Dançantes, Tornado) e Marco Homobono (Djangos (ex-Kamundjangos).

Amigos de anos e com diversos projetos e parcerias a pergunta “Vamos fazer alguma coisa juntos?” alguma hora viria e no caso deles deu liga bem no momento de pandemia.

Prolífera a parceria ainda no ano passado apresentou seu primeiro single “Segunda Onda“; já o batismo do nome Disstantes se dá justamente pelo prefixo (do nome) “Diss” no rap ter o significado de música que faz provocar outra pessoa – e pelo fato de Gilber residir em São Gonçalo e Homobono em Jacarepaguá (cerca de 50Km de distância). Apesar disso eles consideram o projeto experimental e utilizam o rap como mais uma das suas referências.


Gilber T e Homobono (Disstantes) – Foto Por: Isabel Valente e Carol Aranha

Disstantes “Zumbi Choppa”

Tendo o rap como fio condutor o synth e as colagens dão a tônica do novo single “Zumbi Choppa” que pesa a mão na crítica social de uma sociedade que em muitos momentos parece inerte mediante um cenário de escuridão e com falta de perspectivas no horizonte.

“Resgatando a estética zumbi abordada nas peças publicitárias que ajudaram a promover “Segunda Onda” no ano passado, o Disstantes fala agora sobre a população estar dormindo, insensível, ignorando fatos importantes que dizem respeito a sua própria condição, apática e suscetível a manipulações de todos os tipos.”, comenta o duo carioca

Gilber que também é artista plástico idealizou que a melhor forma de apresentar o conceito seria uma animação com um tom crítico e se inspirou nos filmes de George Romero que tem temática apocalíptica com direito a colagens no estilo slow motion do terror limitado dos anos 80. Para a empreitada audiovisual eles contaram com a ajuda do fotógrafo e músico Maurício Noro, de Mogi Das Cruzes (SP), para emular a atmosfera desejada.

“O vídeo é montado e dirigido pelo Maurício Noro (Jesuton e Xê Casanova), a partir da colagem de desenhos, xerox, foto, vídeo, ruídos de imagem e pinturas feitas à mão livre, por mim, juntando arte digital e análoga em um exercício experimental para ambientar o mundo zumbi moderno, onde religião, desinformação e cegueira coletiva causam mais estragos do que o iminente final dos tempos.”, conta Gilber


This post was published on 29 de março de 2021 2:19 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival MADA 2022 leva a Natal Mayra Andrade, Emicida, BayanaSystem, Linn da Quebrada, Boogarins e mais; garanta seu ingresso

O Festival MADA 2022 acontece nesta sexta-feira (23/09) e sábado (24/09) ocupando a Arena das…

21 de setembro de 2022

Com críticas a distopia brasileira, Planet Hemp lança single e clipe com Criolo

Explosão, confusão, crítica social afiada e linha de frente. A volta do Planet Hemp não…

20 de setembro de 2022

Vazamento revela possibilidade de não haver músicas brasileiras no FIFA 23

No dia 30 de agosto, alguns jogadores que adquiriram FIFA 23 puderam acessar a versão…

20 de setembro de 2022

Valentin lança “A Cidade” e conta com exclusividade os bastidores de suas turnês pelo país

O músico gaúcho Érico Junqueira, mais conhecido como Valentin, lançou recentemente seu quarto álbum de…

16 de setembro de 2022

Duda Beat, Tagua Tagua e Joana Marte + Anna Suav entram no line-up do 17º Festival Se Rasgum

17º Festival Se Rasgum confirma três novas atrações Marcado para os dias 11 e 12…

16 de setembro de 2022

Revirando o lixo do “Ink Trash”: artista cria capas de jogos e músicas com estética trash

Visitar o perfil do Ultimate Ink Trash no Instagram dá uma certa sensação de nostalgia.…

14 de setembro de 2022

This website uses cookies.