O ato da experimentação e da curiosidade por novas frequências tende a ser sempre um caminho artístico interessante e o termo Go With The Flow talvez nunca tenha feito tanto sentido quando direcionado a um disco como é o caso do atmosférico, e levitante, Aclimação12-20. Mas não no sentido de ser levado pelas massas e sim no de ser levado pela sua própria frequência através do movimento, fluxo e leveza. Um tipo de emancipação presente no debut do músico e produtor Zé Lanfranchi, conhecido por seus trabalhos em projetos como Cabana Café e Parati, Leveze.

Longe da tensão do dia-a-dia, ao longo das suas 9 faixas ele mergulha em oceanos de calmaria e tranquilidade explorando texturas, guitarras, beats, timbres, melodias, paralelos, presente e futuro. Ambiências e estilos como synth pop, chillwave acabam fazendo parte do som do músico que ainda conta com participações especiais no disco. Fernando Dotta (Balaclava Records, Single Parents), em “Voraz”, Rodrigo Carvalho (The Soundscapes), “Secrets Over Cigarettes”, Rita Oliva (Papisae o rapper francês Romain Desouche em “Valse a Vide”.

Produzido em home stúdio por Zé Lanfranchi, com exceções de vocais gravados no Mono Mono estúdio, Aclimação12-20 tem mixagem assinada por Roberto Kramer (Røkr) e masterização por Rubens Adati (Inhamestúdio, Meu Nome Não É Portugas).



O Fator Trilha Sonora

Sobre o disco ele conta uma passagem interessante do seu desenvolvimento:

O álbum foi ganhando uma identidade forte pra mim a cada audição, lembro de sair para andar de skate, correr no parque e ouvir ele direto. Sinto que tem uma força de movimento, começo do dia, exercício e a endorfina que liberada te faz ver o mundo com outros olhos, relembra Zé

Ouvindo a primeira coisa que pensamos foi: em quantas trilhas sonoras as faixas poderiam estar, afinal, são tantas atmosferas, imersões e vibes que o disco tem mesmo esse punch de se adequar a trilhas sonoras. Ao invés de fazer o exercício de adivinhação porque não perguntar para o criador da obra?


Leveze foto por janaina doca

Leveze é o projeto do Zé Lanfranchi. – Foto Por: Janaina Doca


Como foi criar a atmosfera Chill do Álbum?

“A ideia de criar atmosfera é algo que sempre tive, guitarra, delay e reverb são ferramentas que me acompanham e são chave nesse caminho. Adoro música ambiente também, aquele som de contemplar a manhã, a natureza, de fechar os olhos ou simplesmente apreciar mais a fundo as coisas. Esse processo se tornar um projeto solo foi natural, na verdade, foi algo mais de abrir e compartilhar essas composições que já tinha.”, conta Zé Lanfranchi (Leveze)

A Partir daqui o Zé assume para contar mais sobre as trilhas sonoras e momentos da vida que o disco poderia estar.

“Aclimação12-20” e sua versatilidade para momentos da vida:

01 – Aurora

“Como nome já diz, é perfeita para um amanhecer. Tem um tom de construção também que deságua na contemplação. Uma trilha ao amanhecer, o momento de subida até o cume e o fim essa contemplação da vista.”

02 – Secrets Over Cigarettes (Part. Rodrigo Carvalho)

“A letra e a energia que o instrumental traz pra mim tem um pulso de invencibilidade, de descobrimento. Aquela fase da vida que as grandes conexões acontecem, que um dia tem mil histórias. Mid 90s e Tu Mama También são filmes que me vem a cabeça.”

03 – Toni Maneiro

“Foi inspirada em no personagem de John Travolta em Nos Embalos de Sábado a Noite. Tem esse espírito de pista conduzido por uma guitarra mais espacial.”

04 – Voraz (Part. Fernando Dotta)

“Pra mim uma das mais espaciais e ao mesmo tempo introspectivas do disco. Podia trilha de um romance que desenrola em paralelo a uma baladinha numa estação espacial, numa sequência meio inesperada de mochileiro das galáxias.”

05 – Peixes

“Sempre quando ouço esse som imagino cenas abertas de drone em timelapse. Esses documentários sobre a sociedade e a natureza, que nos mostra como somos ao mesmo tempo grandiosos e insignificantes. Koyaanisqatsi é um grande exemplo.”

06 – Zenite

“Também sinto a energia de construção e contemplação nessa música, com etapas, desafios e conquistas. Uma corrida com fones e uma boa vista pode ser a situação ideal.”

07 – Valse A Vide (Part. Papisa e Romain Desouche)

“O instrumental tem ritmo mas tem seu lado fofo, já a letra tem um engajamento político. Acho que essa combinação faz dela uma boa trilha pra treinar ou jogar um game de esporte. Não seria nada mal se ela entrasse no menú do FIFA (risos).”

08 – Pacifica (Part. Papisa e Rodrigo Carvalho)

“Antes da letra sentia um ar de despedida nesse som, por isso foi escolhida para fechar o álbum. Com a adição da letra e vocais ela ficou com um ar de esperança mais forte. Talvez um final de filme, sobem os créditos, a trama de romance que deu errado mas deixou boas histórias e abriu o caminho para coisas novas acontecerem. É a trilha que acompanha momentos que a vida muda de sentido e mostra que ela é muito mais criativa que nós mesmos e isso é incrível. Talvez o final de Onde Vivem Os Monstros seja um good match.”