O músico e compositor gaúcho Pablo Lanzoni está prestes de lançar seu segundo álbum de estúdio que será lançado em novembro. Para aquecer ele lança hoje o single “valentia tempo voz” que conta com participações especiais de Richard Serraria, parceiro de composição, que ao lado de Paola Kirst também contribui nos vocais.

Uma curiosidade está por trás do processo de construção da canção que aconteceu a partir de sons de aplicativos de celular. A partir disso outros elementos foram sendo incorporados a composição como colagens, riffs, bases e elementos que servem como adorno foram incorporados em estúdio. Mas o violão estridente que ouvimos na canção foi também captado pelo celular mostrando o poder que temos em nossas mãos que somado a criatividade pode dar ótimos frutos.

Parcerias e Referências

“Sobre a atmosfera estabelecida, a melodia desenhou-se com facilidade. E ali a estrutura já estava definida: versos, refrão forte e rap, ou ‘mastigação de palavras’, diz o Richard Serraria.

“Foi ele quem convidei para amarrar o texto que tinha um norte, mas ainda não tinha a firmeza dos caminhos. E o Richard é um craque da palavra: escreve fácil e com muita densidade. Rapidamente, chegamos ao tom poético da canção.

A voz da Paola Kirst, que se somou a tudo isso, parece ter permeado a escrita e conduzido o texto. Ela saberia, como o fez, dar a expressividade necessária à música”, conta Lanzoni sobre as parcerias e o processo.

A canção que fala justamente sobre valentia, tempo e voz, também estabelece paralelos com outras formas de expressão e linguagem como comenta Pablo Lanzoni.

“Encontrei reentrâncias numa velha canção da Bataclã FC, um rap de 2006 com fast flow sextinado. A poesia boa tem pretensão de ser atemporal, a canção plena é temporal de sensações, lírica musical e pluripercepção. Só, a lonjura da voz…”, comenta o músico sobre as referências que saem da zona de conforto


Pablo Lanzoni - Foto Vitoria Proença

Pablo LanzoniFoto Por: Vitoria Proença


Pablo Lanzoni “valentia tempo voz”

Para ilustrar a canção a diretora optou por utilizar as formas de expressão para criar simbolismos sobre os significados da letra. Os closes, reflexos, a velocidade da câmera, os integrantes, sobreposições e o fosco acabam transmitindo as sensações das metáforas presentes na composição.

A dramaticidade também é um elemento presente na canção que traz beats modernos, efeitos e sobreposição de elementos para criar uma atmosfera reflexiva e abraçar a introspecção.

O rap acaba entrando como elemento surpresa e a dinâmica dos vocais dos participantes acaba sendo um elemento que agrega bastante para representar os simbolismos, medos, questionamentos e aflições presentes na composição. O analógico e o digital, em sobreposição, também dialogam com a passagem do tempo seus conflitos.

“Em um processo criativo totalmente compartilhado, Pablo e eu chegamos em um roteiro, deixando a espontaneidade do dia, dos momentos e da música tomar conta e nos indicar o caminho da criação. As participações especialíssimas das imagens dos feats.

Paola Kirst, Richard Serraria e do produtor Leo Bracht foram feitas também de forma livre e espontânea. Com apenas algumas diretrizes de direção, convidamos os três a criarem imagens livremente, e adicionamos os recortes ao clipe através de sobreposições, linguagem que aparece em vários momentos do projeto gráfico do álbum valentia tempo voz, explica a diretora Vitória Proença