As lendas urbanas e as conspirações sempre estiveram presentes no universo do rock. Ainda mais quando a banda tem como maior inspiração o Black Sabbath que sempre trouxe à tona ocultismo, escuridão e controvérsias.

O disco Book of Bob, primeiro trabalho full-length da banda, segundo seus integrantes conta a história do famoso caso do “Menino Diabo do ABC”. Para quem não conhece é uma série de matérias publicadas pelo jornal paulista Notícias Populares na década de 70.

Para ficar ainda mais obscuro eles trouxeram referências do problemático cotidiano brasileiro, ocultismo e cultura popular. A ideia partiu de contar a trajetória de Beelze Bob, uma figura pitoresca e digamos assim: passivo agressivo feito um caprino chapado. Sua história é narrada de seu nascimento, sob circunstâncias macabras, até sua mítica batalha final contra Zé do Caixão no Nordeste.


Bears Witness lança seu primeiro disco nesta sexta-feira (14). – Foto Por: Diego Rousseaux

O grupo formado em 2013 conta em sua linha de frente com Lucas Guanaes (Voz/Baixo), Fernando Giunti (Voz/Guitarra), Paulo Silveira (Guitarra) e Rodrigo Rousseaux (Bateria). Suas influências não se restringem apenas ao stoner rock e trazem elementos do sludge, doom, hardcore e até mesmo da psicodelia.

Não é por acaso que o álbum passa por momentos entre a turbolência e a calmaria, traz a energia dos pedais de fuzz, e propõe alternâncias de tempo. Segundo Paulo a temática pelas lendas urbanas veio justamente da curiosidade pela história do Diabo do ABC paulista.

“Tem uns anos que nos deparamos com a matéria. Se eu não me engano o Giunti e o Guanaes, quando estudavam juntos, toparam com ela e acharam massa a ideia do capeta ter nascido no ABC. Pela tosqueira e daí fomos pesquisar a fundo. Nisso encontramos todas as matérias e um doc que contava a saga do menino diabo e outras lendas urbanas.”, comenta o guitarrista

Sobre a ideia de misturar com filmes de terror para eles foi algo bastante natural.

“A gente tinha interesse por filmes B e isso inclui os filmes do Zé do caixão. A partir da pesquisa sobre ele, descobrimos essas matérias do Notícias Populares dele perseguindo o menino diabo. Então a partir disso a gente foi mais a fundo e descobriu toda a história por trás e o documentário.”, complementa Giunti

“Eu vejo como uma questão de aproximação temática e estética. Quando você ouve alguma coisa clássica de metal, presta atenção nas letras e vê a imagem das bandas, percebe que o “lado negro” tá sempre ali. O rock nasce do blues, com caras tipo o Robert Johnson falando abertamente sobre vender a alma pro capeta, e o metal já começa com o Sabbath, cujo próprio nome da banda faz referência a um filme do Boris Karloff.

A temática obscura e extrema tá sempre ali, lado a lado nas artes plásticas, no cinema e na música, e isso tudo sempre despertou muito interesse em todos nós. Uma particularidade de qualquer extremo, é que ela tá sempre a um passo do ridículo. Na nossa concepção, isso é maravilhoso.

Quando você tenta fazer uma obra de arte profundamente assustadora e aquilo vira uma comédia, você gera todo um novo conceito. Boa parte da cacetada de filme B de terror que a gente assiste passeia nessa linha tênue, e é nessa linha que a gente gosta de estar. E nós não somos pioneiros.

O pioneirismo brasileiro do horror-tosquice pertence ao cinema. Quando você assiste “à meia noite levarei sua alma”, e vê o Zé do Caixão dando discursos bizarros com aquelas unhas escrotas, é quase impossível não ter algum tipo de reação.

A gente cresceu influenciado por isso; nosso senso de humor e nossa música são indissociáveis, e foram moldados por esse absurdismo todo, de cinema giallo a Hermes & Renato.

Quanto ao conceito do álbum, ele nasce como quase todas as nossas ideias: de falação de merda. A gente sempre comentava sobre aquele jornal dos anos 70, o Notícias Populares, que era um tabloide sanguinolento que vivia de fake news antes desse termo existir. Era a hiper-realidade em forma de jornal, que mostrava só o lado mais brutal, obscuro e caótico da realidade brasileira.

Um dia, falando sobre toda a saga do Menino Diabo, a história desse jornal sobre o suposto anticristo que nasceu em Santo André (No ABC paulista), nossa ideia imediata foi: “A gente precisa escrever sobre isso”. E “isso” virou um álbum conceitual. Em cima de um conceito idiota, mas ainda assim um álbum conceitual.

O notícias populares e o menino-diabo sintetizam toda a percepção sobre nosso som. Sórdido, esquisito, distorcido, e misturando a estética setentista com esse cinismo da pós-modernidade.”, enaltece Guanaes, baixista da Bears Witness



Antes do disco ser lançado eles passaram 5 anos tocando nos mais diversos lugares, de pequenas casas de show em São Paulo, passando pelo interior a festivais como o Simplão de Tudo.

Além disso tiveram a oportunidade de tocar ao lado de nomes que tem despontado dentro do cenário de Stoner / Doom nacional como Cassandra, Projeto Trator, Cattarse e Son Of A Witch.

Nos programas do Hits Perdidos na Mutante Radio inclusive chegamos a tocar algumas vezes os singles “The Sentry” e “66” que antecedem Book of Bob que está sendo lançado hoje através do selo independente carioca Abraxas Records.

Bears Witness – Book Of Bob (14/09/2018)

O disco conceitual não poderia começar de outra forma que não fosse com uma vinheta, “Dawn”, de aproximadamente 30 segundos trazendo trechos do documentário sobre o bebê-diabo do ABC paulista. A ambiência sonora da trilha ao fundo inclusive traz recursos utilizados em filmes B.



“Harbinger” já começa apocalíptica, com acordes ásperos, linhas de baixo chapadas e logo acelera de maneira progressiva com suas guitarras – e insanidade.

Após sua introdução já conseguimos notar a influência de sludge e hardcore que irá agradar tanto a fãs de Uncle Acid & the Deadbeats como de Fu Manchu. É o prenúncio de que o caos está sendo instaurado pela presença do pequeno tinhoso.



A seguinte, “Machine”, já traz a veia psicodélica de encontro com o skate punk e stoner rock. Ou seja, se você gostar de The Shrine, essa é a pedida. Sua jornada pela escuridão e causando desordem é relatada. O anticristo age sozinho e não perdoa. O destaque fica para os solos de guitarra e as linhas de baixo pulsante.

O cruzamento entre o metal e o punk ganha contornos em “Omen” que consegue aliar o peso as melodias na guitarra, os berros típicos do post-hardcore, e a fúria de bandas como Slayer. Até por isso ela é acelerada e vê as chamas do inferno eclodindo.

Uma das influências de seus primeiros dias é notável em “Mephistopolis”, a do Black Flag. Que poucos sabem mas foi uma banda que começou hardcore, experimentou do peso do metal e até jazz em certo momento de sua trajetória se aventurou. Já a canção cita até Sodoma e Gomorra – e toda a odisseia dos “caídos do céu”. Folclórico é pouco.

Além disso tem tempo para solos derretidos, delays e experimentações em seu instrumental. O que faz o contraste entre o acelerado e o lisérgico.

“66” é uma velha conhecida dos fãs mas não teria porque deixar de fora já que é digna de uma epopeia. O lado Sleep é aflorado e sua contemplação da espaço para que o capeta assuma o comendo desta rota sinuosa e cheia de armadilhas.

O demônio faz a festa saindo do ABC com destino ao interior e baixada paulista. A condução da canção que passa por seus diversos momentos é o que chama atenção e definitivamente é a faixa para acender aquele cigarrinho (ou melhor dizendo, o bong).

Até o fim da vida de um pequeno tinhoso merece uma canção, as trevas vem buscar em “Seal”. Ela começa lenta e psicodélica mostrando que eles também conseguem variar entre o pesado e o ritmado. É um velório instrumental e uma longa estrada até as profundezas do sete pele.

Eles aproveitam para experimentar e o resultado é interessante pois conseguem fazer um passeio através de todas as suas influências e fechar o trabalho com sua assinatura própria.



O primeiro álbum da Bears Witness, Book of Bob, surpreende de forma positiva pois sintetiza a evolução sonora do quarteto ao longo dos últimos cinco anos. Se antes oficialmente eles só haviam lançado duas canções, agora se sentem seguros em disponibilizar seu conceitual – e tinhoso – primeiro álbum.

Trazendo referências dos filmes b’s, terror, ocultismo, lendas urbanas e criando todo um cenário caótico que reverencia até mesmo o mestre Zé do Caixão. Já em sua sonoridade podemos encontrar uma mistura entre stoner rock, doom, hardcore, psicodelia e até mesmo o skate punk.

This post was published on 14 de setembro de 2018 11:48 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Lançamentos Nacionais: Maglore, Glue Trip, Luna França, OZU, Julia Baumfeld, Giovanna Moraes e Bola

Aqui no Hits Perdidos voltamos com a coluna de lançamentos nacionais, afinal de contas, maio…

20 de maio de 2022

Lista das Listas 2021: conheça quais são os 45 discos mais citados pela crítica brasileira no último ano

Lista das Listas 2021, revela quais são os 45 discos mais citados pela crítica musical…

19 de maio de 2022

Tom Misch em Porto Alegre; show acontece na sexta-feira (20/05) no MITA Day

Tom Misch em Porto Alegre, inglês se apresenta no dia 20/07; garanta o seu ingresso…

19 de maio de 2022

Florence + The Machine faz versão para clássico do The Stooges, “Search and Destroy”, em “Dance Fever (Deluxe)”

Florence + The Machine divulgou nesta quarta-feira uma versão para o clássico do The Stooges…

18 de maio de 2022

Bad Manners, banda seminal do ska britânico, faz show inédito no Brasil em Setembro

Com 46 anos de estrada o Bad Manners tem confirmada no Brasil sua estreia. A…

17 de maio de 2022

This website uses cookies.