Sorocaba é uma das cidades que mesmo a distância podemos ver ótimos festivais acontecendo como o Festival Febre e o Circadélica. No entorno disso dia após dia uma cena musical reverbera e os frutos começam a aparecer para todo o Brasil, como é o caso da talentosíssima Paula Cavalciuk.


Festival & Conferência de Música Febre aconteceu no último fim de semana em Sorocaba.

Uma parte do segredo para que a cena se mantenha sempre tão efervescente talvez seja mesmo essa troca de conhecimento e ajuda mútua. Seja na hora de gravar, agilizar uma arte ou até mesmo divulgar o trabalho. Uma escola para muitas outras cenas onde o instinto de competição por outro lado destrói tantas ótimas bandas. Estas que outrora poderiam vislumbrar ter um espaço maior no cenário nacional.

É deste berço que vem a Medrar que está na ativa desde 2013. A atual formação conta com Mya Machado (voz/guitarra), Ari Holtz (baixo), Zé Aquiles (bateria) e Rafael Ferraz (guitarra).

A luta diária por um espaço na cena também é algo a se destacar. A gravação do EP que está sendo lançado hoje com o experiente produtor Guilherme Kastrup – que entre outros feitos assina a produção de A Mulher do Fim do Mundo, da Elza Soares – veio por conta do Projeto Demorô, realizado pelo Sesc Sorocaba, que selecionou duas bandas para o processo de produção.


Medrar de Sorocaba. – Foto Por: Fran Rockita

As influências citadas pela banda são bem amplas e contam com nomes consagrados da música brasileira e outros consolidados no cenário alternativo. Dentre eles os citados são nomes como Gal Costa, John Frusciante, passando por Patti Smith, Jair Naves, La Carne e Juçara Marçal.

Este leque tão amplo que faz com que o som consiga transitar por vários públicos. Outro traço marcante da banda são as performances viscerais e a estrutura não linear de suas músicas. Assim fazendo o casamento entre o experimental e o popular, sendo o grande destaque das composições do grupo.

Hoje conheceremos o EP Luzia que está sendo lançado digitalmente neste 12/10. Este que também será lançado em forma física junto ao poster da artista Ella Vieira que assina a capa do disco.


Arte Por: Ella Vieira

MedrarLuzia (12/10/2017)

O registro foi gravado no Teatro Sesc Sorocaba e produzido por Guilherme Kastrup, como já citado, e conta com duas faixas: “Alarde” e “Luzia”. Cada uma com sua própria característica e sonoridade.



Quem tem a responsabilidade de ser o lado A do EP é justamente a canção “Alarde”. Esta que tem uma energia plural e avassaladora como os clássicos trabalhos do La Carne e flertam com o som shoegazer reverberante de grupos como o WRY.

O interessante da canção é justamente o já citado tom não linear e as subidas e descidas em momentos estrategicamente pensados. Ela é de certa forma uma faixa que tem a preocupação teatral de criar uma experiência ao ouvinte. Acredito que isso também já foi feito pensando no momento que subirem ao palco para apresentar a faixa.

Para um bom amante do som mais experimental e post-rock: o último minuto é recheado de guitarras, quebras de bateria e baixo no talo… sendo assim a cereja do bolo.

Se você já ouviu o ótimo disco feito em conjunto pela Juçara Marçal e Cadú Tenório, Anganga (2015), talvez capte rapidamente de onde vem a inspiração para a faixa que carrega o título do EP, “Luzia”.

O interessante é justamente isso, saber a hora de deixar Mya cantar, aumentar o tom e abaixar e a vitalidade das esquizofrênicas linhas de baixo alá Fugazi e Shellac. Tudo isso deixando a guitarra em um plano mais secundário em que ela pode flertar com os pedais.


Medrar se apresentando no Sesc Sorocaba. – Foto Por: Fabricio Vianna

O EP da Medrar deixa aquele gosto de quero mais. De querer saber até que ponto eles podem ir através dessa mistura tão rica e abstrata. Quem sabe em breve não temos um álbum cheio para rechear nossas playlists!

Sorocaba mais uma vez nos surpreendendo com seu poder de revelar bandas que estejam conectadas com o momento plural que o cenário alternativo tem vivido.

This post was published on 12 de outubro de 2017 10:07 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

View Comments

Posts Recentes

Pluma e Boogarins misturam frequências em “Querer Nunca Fez Planos”

"Querer Nunca Fez Planos" evidencia a convergência sonora entre Boogarins e Pluma A tônica de…

27 de maio de 2022

Joe Silhueta grita pela liberdade em “Sobressaltos”

"Sobressaltos" é o segundo single do novo álbum da banda brasiliense Depois de disponibilizar "Tropicalipse"…

26 de maio de 2022

Giuliano Lagonegro vai as profundezas com seu samba-pop em “Naufrágio das Ilusões”

Giuliano Lagonegro lança Naufrágio das Ilusões, seu disco de estreia Natural de São Paulo, Giuliano…

26 de maio de 2022

Queremos! Festival 2022 reúne rap, pop, MPB e muito mais dia 28/05, no Rio de Janeiro

Queremos! Festival 2022 acontece neste fim de semana na Marina da Glória Para os fãs…

25 de maio de 2022

Tom Misch vem a capital gaúcha pela 1ª vez e encanta o público porto-alegrense

Uma das noites mais frias da semana mas nada que afastasse o porto-alegrense de prestigiar…

25 de maio de 2022

“Moonage Daydream”, assista ao trailer do novo filme sobre David Bowie

Moonage Daydream é o primeiro filme a ser apoiado pelo espólio de David Bowie David…

24 de maio de 2022

This website uses cookies.