Sobreviver, transformar e renascer das cinzas: eis os pilares da banda ETNO, grupo que já está a 13 anos representando a prolífera cena da capital do país.

Ou seja, a fábula da fênix tem tudo a ver com os ideais e de quebra com a história do conjunto. Formado em 2002, eles passaram por duas reformulações antes de fixar com a atual, há cerca de 8 anos.

Esta que conta com Tiago Freitas (voz), Vitor Fonseca (guitarra e vocal), Iano Fazio (baixo/vocal) e Tiago Palma (bateria). Mudanças e transformações com toda certeza foram importantes no meio do caminho para renascer e reerguer-se das cinzas.

Assim como a narrativa temática das canções do ETNO. Seguindo uma narrativa pós apocalíptica, cada trabalho costuma levar um pouco o caos como crítica social ao mundo em que vivemos.

Revolução Silenciosa (2008)

No disco Revolução Silenciosa (2008), podemos sentir aquele sentimento de revolução que todo adolescente passa internamente. O querer transformar o mundo para algo melhor. As indignações com o preconceito, diferenças sociais e as dívidas históricas da sociedade. Mesclando vários idiomas talvez para mostrar o fruto da miscigenação que crava a identidade do brasileiro.

“Siglos” por exemplo, tem a veia do new metal somado a sons mais pesados como o do Sistem Of A Down/Rage Against The Machine ao mesmo tempo que tem aquele batuque inconfundível de grupos aclamados de Recife, como Nação Zumbi.

O Rap, maracatu, e o som do Korn são o caldo da faixa, “A Mesma Dor”. A luta do dia-a-dia, o sentimento de estar dizendo através da poesia a vontade de uma nação. O que tem tudo a ver com o nome do grupo, já que ETNO é um radical que remete a raça, povo ou nação assim eles quiseram desde sempre através de uma espécie de inconsciente coletivo, passar sua mensagem para o mundo.

“Equilíbrio”, carrega o peso e força do metal, o vocal é rápido e mostra a versatilidade do grupo que se alimenta do linguajar e destreza do rap. A transformação do espiritual e da mentalidade em constante mudança é o tema central da canção.

O reggae e o som dos cariocas do O Rappa, mesclados ao new metal compõe a canção tema do disco, “Revolução Silenciosa”. A revolução assistida de dentro para fora, numa espécie de caos interno a flor da pele.

“O Mito” é a balada da reconstrução, as cicatrizes deixadas por um sistema que excluí a maior parte da sociedade e privilegia poucos. Os muros sociais e o mito do bem estar social. Tudo isso mesclando o som do pop rock brasileiro, somado ao peso de grupos estrangeiros como Limp Bizket e Stone Sour.

ETNO em ação no Porão do Rock (Foto Por: Dani Braga)

“Recall” é a mais visceral e pesada sonoramente, com elementos de metalcore e berros. Ela abusa dos guturais e tem a raiva exalada em seu DNA. Com trechos em inglês e em português, ela tenta abrir os olhos da sociedade perante a necessidade de mudança.

Retomando a brasilidade, “Guerra Sem Fim”, tenta absorver os elementos do maracatu e a mensagem pesada de Roots (1996), do Sepultura. A mescla ao pesado metal e a busca intensiva por mostrar a realidade e o sofrimento de um povo esfacelado em suas crenças.

“Moit Et Le Monde” fecha o disco e dialoga com “A Mesma Dor”, no quesito conceitual de mostrar a luta do discurso sufocado de uma nação em chamas e pedindo socorro. Com trechos em francês e usando o artifício da rima, a melodia mostra a inquietação com o mundo e a necessidade de melhorar o ser humano, para assim conseguirmos as transformações necessárias para a revolução. A luta da alma de dentro para fora.

Setembro (2011)

Setembro (2011), é o segundo disco dos brasilienses foi um marco para o grupo. Visto que para começar, ele recebeu esse nome devido ao mês de ensinamentos que eles tiveram em São Paulo, finalizando os preparos para seu lançamento. Segundo a própria banda, foi um processo de crescimento pessoal e profissional bastante significativo.

E tudo isso reflete no amadurecimento visível que este disco nos mostra. Na parte instrumental sentimos mais peso e elementos de outros estilos como o grunge, stoner e o rock alternativo.

As próprias letras mudam a temática e parecem ter mais horizontes. O que é natural em toda banda, visto que não são mais os garotos que lançaram seu primeiro disco, três anos antes.

“Setembro” carrega elementos de um rock mais abrangente em estilos, abraça a calmaria do Deftones e o peso do metal de grupos como Alien Ant Farm. Na letra, o peso e o discurso desta vez tocam no tema de mudança e amadurecimento. A quebra das correntes com as certezas da vida.

Já “A Estrada” segue o pretexto de nos contar sobre a jornada da vida, os caminhos incertos e os tapas na cara que a vida nos dá. A derrubada de certezas e a busca incansável pela paz com o “Eu”. A luta constante por satisfazer o ego. O peso e o equilíbrio tem um potencial pop com o peso de bandas como Pantera.

“Minhas Horas” revela um lado mais melódico e acústico do grupo. Com adendo de pianos e violões, o som mostra o talento dos vocais dos artistas. Quase confessional, a música explora a dificuldade em aceitar as perdas, as noites mal dormidas buscando redenção. Conforme cresce a canção, ela ganha elementos de guitar heros, como Steve Vai em seu solo.

“Perdido em uma memória” começa a mostrar um lado mais teatral na linguagem e atitude da banda. A desilusão, é dramatizada através de personas/personagens. A luta interna por superação e suas quedas ao longo do processo. A confusão mental em sí. As cavalgadas mescladas a calmaria. Algo como se o Metallica encontrasse bandas de Post-Rock.

Foto de Thaís Mallon publicada na Revista Traços, clique feito durante a apresentação da banda no Porão do Rock.

“Pra sempre – Pt. 1”, remete mais as raízes do rock de Brasília. Este que consegue se renovar desde os anos 80, se renovando feito uma fênix e revelando artistas dos mais distintos gêneros, feito um celeiro do rock independente. A canção em sí fala sobre a vontade de superar os fantasmas do passado e encontrar um novo rumo.

A sexta faixa “Quanto tempo faz”, tem elementos de rock altenativo/post rock, mas evoluí no andamento da música para o metal. O questionamento sob a geração que se perdeu em valores e ideais. A faixa parece dialogar com os garotos do Revolução Silenciosa (2008). A mudança e a transformação dos quereres.

“Sem Direção”, te remete a Plebe Rude, banda também de Brasília que nos anos 80 ajudou a consolidação do rock local. A música é um verdadeiro desespero de emoções, a insegurança com o futuro mostra as indefinições e as surpresas que o futuro nos trama.

“Cinco” é densa, já mostra a superação ganhando forma. Como apenas o tempo permite fechar as cicatrizes, mas nada apaga o que já existiu de certa forma. A contradição entre o querer superar, e o não negar que aquilo já fez parte um dia. A atmosfera é dark e junta o lado mais sinfônico do metal.

“Velha Oração” remete mais uma vez a espiritualidade e a busca por superar os momentos de solidão. A luta contra o vazio da alma, e a busca pelo sentido na vida. Cheia de dedilhados, o som equilibra a catarse das guitarras com trechos mais reflexivos. O poder das transições mostra o peso e a potência de seus músicos.

O dub/reggae conectado com o metal dão uma atmosfera ímpar a “Avisa Lá (Nossa Gente)”. O encanto com a cultura nacional de quem vê de fora e a valorização do maior tesouro nacional: o povo, ou melhor dizendo o ETNO.

Foto Por: Alessandro Dantas

“Meu Mundo”, volta a explorar o lado acústico e mais perfeccionista do grupo. A letra é crítica e reflexiva, pega elementos do maracatu, no som do que parecem ser atabaques e da música clássica, como violinos. Mais uma vez a veia do primeiro disco, segue pulsando. E o passado conversa com o presente.

Já se aproximando do fim do trabalho, “Tarde Demais”, já começa rasgando tudo. Inclusive com o som de elementos de vários estilos, violinos e baixo ditando o ritmo fazem com que a canção ecoe no seus ouvidos. A riqueza de elementos soa como uma canção que passeia pelo rock, de Muse a Radiohead somados ao peso do metal em sua explosão e catarse.

Fechando o segundo trabalho autoral do grupo, “Pra Sempre – Pt. 2” é a balada das escolhas, dos sentimentos e das ações. O lado apocalíptico da música, está desconstruído através de melodias harmônicas e na letra que explora a vontade de construir raízes sem olhar para trás.

 As 7 Fronteiras (Novembro/2015)

Após os dois discos lançados, a banda ETNO chega a uma nova fase dentro da carreira do grupo, cheia de renovações e novidades. Pois é, a fênix teima em renascer a cada nova transformação.

E seu novo disco desta vez será lançado de uma maneira diferente. O terceiro álbum será lançado em “três capítulos”, em forma de EP’s. Sendo o primeiro deles, As 7 Fronteiras (2015), disquinho que reúne quatro faixas.

O primeiro single, “O Último Anjo”, este que começa pesado e carrega elementos do stoner rock de bandas como Eletric Wizard e Black Sabbath. O espírito caótico impresso desde o começo do grupo, em suas narrativas teatrais, também marca presença.

A canção carrega as trevas do renascimento. O ressurgir da fênix atrelado ao dia do juízo final: a morte poética e as asas da transformação. A canção inclusive ganhou um lyric video que parece desbravar o inferno interior.

“Diário de Morte” é a segunda faixa do EP conceitual. Ele carrega em sua atmosfera pós apocalíptica, explorada através a narrativa de diferentes personagens que não necessariamente se conhecem.

Os questionamentos filosofais que este cenário pós fim do mundo nos cria. Como lidar com essas mudanças e transformações tão extremas? Até onde o individualismo irá nos levar? Fazemos mesmo algo para melhorar o mundo e o bem-estar alheio?

Com elementos de stoner/new metal a canção trás o espírito de destruição para o ressurgimento de algo melhor. A crise da identidade pessoal e o fim da linha. O fim de um ciclo, o tema da morte tratado como mais uma fase da vida. Esta que está mais atrelada ao renascer espiritual, para só assim poder transcender e realmente fazer algo significativo para o mundo.

O clipe continua a história de “O Último Anjo”, desta vez com o adendo dos personagens e ação. A direção e as ilustrações inclusive foram feitas pelo baterista, Tiago Palma, aliado a um time de animadores composto por Felipe Silverwood (Cope Animações) e Mattheus Macedo. O guitarrista, Vitor Fonseca ficou responsável pelo Sound Design. Assim conseguimos sentir como o grupo acha de extrema importante o lidar com todos os processos que envolve o conceito do álbum, seja na música, nos quadrinhos ou na parte narrativa teatral.

“A Sétima fronteira”, faixa título, é a terceira faixa do EP. A música bebe da fonte do rock moderno, cheia de guitarras ensurdocedoras, ela tem várias camadas sonoras. Começa com elementos de calmaria do post-rock mas conforme cresce, o lado mais sujo de estilos como grunge/stoner rock se revela.

A canção narra a história de uma pessoa que busca novos rumos através do desapego material. A busca pela transformação espiritual, a procura pela luz. A morte e o renascimento do ser, a derrubada da sétima fronteira. O auto-conhecimento e o autoflagelação da alma. O encontro com sí mesmo e o fim.

O último single do EP, “SobreViver” teve seu clipe dirigido por Gabriel Ribeiro e foi filmado no Teatro Garagem, em Brasília (DF).

O clipe tenta te sufocar com o jogo de luzes e sombras, a claustofobia tenta de certa forma utilizar da metáfora do que seria”SobreViver”. O nome da música já brinca com o jogo de palavras Sobre Viver/Sobreviver. O caos é sonoro, o peso é sentido, sujeira, em certas horas beira a cacofonia, tudo isso para ilustrar o caos impregnado do significado do que seria sobreviver em sociedade. A luta diária sob o instinto de sobrevivência.

A letra questiona temas como individualismo, o suicídio moral, o fim dos anseios, dos desejos e sonhos. O questionamento do que é certo ou não seguir, o que é certo fazer? O que é ser independente? Estamos conectados ou isolados? Estes e outros dilemas do que é viver nos dias de hoje, ganham voz.

Com discurso tão poderoso, crítico e questionador: o primeiro EP dessa série de disquinhos que dará forma ao novo trabalho da banda ETNO deixa uma série de reflexões nos mais diversos setores da vida ao ouvinte. A emancipação espiritual e o caos, são os ingredientes que fazem a fênix e as raízes da banda, renascerem das cinzas.

ETNO nas redes sociais
Site Oficial

Facebook
YouTube

Ouça a banda através das plataformas de streaming: 
Spotify
Deezer
Napster
iTunes
Google Play

This post was published on 26 de janeiro de 2016 10:42 pm

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Coletânea “Futuro do Passado” celebra os 40 anos de carreira de Lulu Santos com releituras indies

O ícone do pop nacional, Lulu Santos, é mais um dos artistas nacionais a ganhar…

14 de janeiro de 2022

Os 250 álbuns mais aguardados de 2022

Se 2021 foi marcado pelo lançamento de diversos singles e muitos discos durante o segundo…

13 de janeiro de 2022

Nietts traz à tona o momento político e sanitário do país em “Doloribus”

Quem no finzinho de 2021 voltou a apresentar um novo material foi o duo Nietts que…

12 de janeiro de 2022

As Melhores Live Sessions | Dezembro (2021)

As Melhores Live Sessions | Dezembro (2021) O Que São Live Sessions? Live Sessions tem…

11 de janeiro de 2022

Radio Color #3 – 20 Discos Independentes da América Latina que Marcaram 2021

20 Discos Independentes da América Latina que Marcaram 2021 Neste ano nasceu por aqui, a…

24 de dezembro de 2021

Os 25 Melhores EPs Nacionais de 2021

Os 25 Melhores EPs Nacionais de 2021 Em tempos onde o formato de compartilhamento da…

23 de dezembro de 2021

This website uses cookies.