Com a motivação de apresentar em seu novo disco, o músico fluminense Felipe Vaz apresenta sua nova fase no primeiro single a ser revelado do novo trabalho de estúdio.

“A ideia é poder falar sobre meus sentimentos num contexto fora dos eixos tradicionais, utilizando a cultura e geografia de Duque de Caxias e da Baixada Fluminense como objetos literários”, conta Vaz

Felipe Vaz inclusive conta que “Ela” traz consigo um apanhado de referências distintas que vão de Zeca Pagodinho, Moacyr Luz, João Gilberto – e por que não Mac DeMarco e Kanye West?.


O músico fluminense Felipe Vaz de Bicicleta

Felipe VazFoto: Divulgação


A Nova Fase

“Eu lancei um disco em 2018 predominantemente Folk, foi minha estreia. Apesar do álbum levar meu nome, não era um conteúdo pessoal, e sim músicas compostas durante minha adolescência sobre relacionamentos que eu nunca havia tido. Escrevia por escrever, parte da decepção que eu nutri pelo meu próprio disco foi de não me ver inserido nele, e não ter uma história para contar em quase nenhuma música.

A partir daí eu me dediquei a compor sobre mim e o que me rodeava. Percebi que o lugar onde estou inserido é o que eu sou, influenciando diretamente na maneira como eu vivo e vejo o mundo.

Ao mesmo tempo, queria fugir daquele Folk extremamente comum e me permitir experimentar mais. “Ela” mostra ao meu público para onde está indo meu som depois de quase 3 anos parado. Tento reunir no método de compor características suburbanas, e musicalmente imprimir uma nova identidade.”, relata Felipe Vaz sobre as mudanças estéticas

Felipe Vaz “Ela”

Com um pé na bossa nova, samba de raíz, hip hop, com direito a sintetizadores, autotune e até mesmo referências do funk carioca a canção tem como inspiração o carnaval que não pôde ser comemorado da forma mais adequada em 2021

“A música estará presente no próximo álbum, que está sendo elaborado desde 2018, porém, é uma das minhas composições mais recentes. Daí vem o Carnaval, compus essa música em uma noite de Dezembro de 2020, e só o que me vinha em mente era um mundo alternativo onde eu estaria “pulando o carnaval junto do meu amor”.

Chegando próximo da data me veio uma tristeza enorme, não tinha bloco, desfile, minha escola passando, nada disso. Como uma música sobre um carnaval que não existiu, faz sentido ser lançada fora de época também, como uma nostalgia recente.

A música, como indica o nome, é sobre “Ela”. Porém, minha ideia é retratar não só “Ela” mas as pessoas aqui da Baixada: temos os cabelos cacheados, rivalizamos entre Beija-Flor e Grande-Rio, amamos o Carnaval e somos devotos de São Jorge. Além de outras referências da música brasileira presentes na letra e musicalidade.

O single é uma amostra do que virá no álbum, mas não me resumirei a isso, a intenção é experimentar diversos gêneros que traduzam a essência baixadense, do Disco ao Funk carioca.”, diz o compositor

A produção da faixa ficou por conta de Buzu, produtor musical caxiense, dono do estúdio NotFound, já o clipe foi feito pela artista Marianne Donner.