Inspirada em Mac Demarco e Fidlar: Nova geração continua a mergulhar pelas ondas do Surf Rock

Após apresentar a vocês 4 bandas inspiradas em Mac Demarco e Wavves – post bastante acessado aqui no Hits Perdidos – venho lhes apresentar outras duas bandas promissoras que se aventuram pelas mesmas influências. Cheias de beats de surf rock, gravações em qualidade lo-fi, letras adolescentes e melodias que ficam na cabeça.

Hinds

A primeira de hoje é a Hinds. As garotas de Madrid misturam surf rock, psicodelia e vocais com a pegada powerpop. Sing alongs e melodias – aparentemente – desleixadas alá Mac Demarco são super comuns ao longo das faixas.

Formado em 2011, o grupo conta com Carlotta Cosials (vocais, guitarra), Ana Perrote (vocais, guitarra), Ade Martin (baixo) e Amber Grimbergen (bateria).

O som em algumas faixas surpreende pela desenvoltura, algumas canções soam mais psicodélicas na linha ”moderninha” que o Tame Impala já vem desenvolvendo ao longo dos últimos anos. Em outras o som progride de forma que soa quase punk. Pois é, aquela onda que parecia uma marola vinda da Califórnia, cruzou o oceano.

Mas quem pensa que é algo local e mais uma banda que provavelmente vai ficar presa a um nicho específico de público, se engana. A banda a pouco tempo, ficou responsável pela abertura de alguns shows da volta dos queridinhos ingleses do Libertines. Além de bandas como Black Lips.

libs

A banda apareceu para o mundo em 2014, e em 2015 já estava de malas prontas para sua primeira aventura no festival SXSW.  As meninas aproveitaram além da oportunidade de fazer vários shows para uma porção de novas pessoas, beber, festejar e curtir shows que elas esatavam ansiosas para ver de bandas que vão de Iceage, Carl Barat & The Jackals, Merchandising a Wolf Alice.

Mas nada como conhecer mais sobre uma banda como descobrindo quais os discos que mais marcaram a vida de cada integrante até o momento. E a lista das meninas é bastante interessante:

1- The Strokes “Is The It?” (2001)
2- Arctic Monkeys “Whatever People Say, That’s What I’m Not” (2006)
3- The Darjeeling Limited Soundtrack (2007) – Ouça uma música do disco aqui
4- Water Tv
5- The Modern Lovers – “The Modern Lovers” (1976)

Neste mesmo vídeo para a Northern Transmissions, elas ainda responderam a algumas perguntas para o apresentador Mark Henning:

Que artista vocês escolheriam para fazer uma música juntos?

R: Mac Demarco

Que artista gostariam de excursionar juntos?

R: King Tuff

A banda que tem planos de lançar seu segundo disco ainda neste ano, lançou em 2014 seu primeiro trabalho – após uma série de EP’s, Leave Me Alone.

Os clipes tem em sua marca estética: serem criativos, leves e despojados. No clipe de “Garden” podemos sentir a influência de Mac Demarco mesclada a Best Coast nitidamente.

A voz da vocalista Carlotta é suave e a música é um duelo de vozes com a backing vocal. Lembram do The Breeders, grupo de Kim Deal e sua irmã? Provavelmente fãs da eterna baixista do Pixies vão curtir.

Ouça o disco de 2014, Leave Me Alone, na íntegra no Spotify.

No começo de janeiro as meninas lançaram um vídeo bem humorado brincando com a situação do álbum novo estar demorando para sair, cheio de takes cômicos delas se preparando.

A outro conjunto que vamos falar hoje é o The Frights. O trio vindo diretamente de San Diego, Califórnia é composto por Mikey Carnevale (Guitarra), Richard Dotson (Baixo) e Marc Finn (Bateria).

Formado no fim de 2012, o grupo já conta em seu currículo com: 3 Eps, 1 split e um disco homônimo (2013).

frights

As letras tem a temática adolescente e brincam com o cotidiano,”C&C” por exemplo é claramente uma sátira com as letras românticas do rock dos anos 50, com uma pegada surf rock lo-fi em seu DNA.

Esse disco parece brincar inclusive com clássicos como “Ballroom Blitz” e canções de Jerry Lee Lewis e Elvis Presley. A guitarrinha cheia de dedilhados não deixa mentir, mas a sujeira e uma certa dose de ironia estão ali presentes. A vibe sombria, te remete as vezes a versão do Misfits para Great Balls Of Fire (Jerry Lee Lewis).

Molecada certamente que cresceu ouvindo Weirdos e Germs. Aliás o lado mais hardcore dos anos 80 somados ao surf rock são bem nítidos em faixas como “Let’s The Kids Dance”, soando como um hibilly surfista, se é que isso é possível.

“Hard Ticket” soa como música de gente grande, a qualidade do potente vocal é fácilmente percebida e quando você percebe, o estrago já está feito. Incrivelmente dançante e potente, ela tem um estilo de vocais incomum para o dias de hoje, áspero e um som garageiro/lo-fi por trás. Sabe aquele estilo de sobrepor a voz que Tom Waits usa como mestre? Algo nessa linha.

Outras faixas desse álbum te remetem ao próprio Fidlar, Wavves e outras bandas, porém diferente delas está parece estar mais compremetida com influências diretas dos anos 60, um punch de nostalgia vindo da garagem. Os Sonics provavelmente gostariam de ouvir o som dos garotos.

No ano passado os caras lançaram um EP com uma banda chamada Death Lens e o som dos caras é bastante catchy e envolvente, diria que perfeito para trilhas de filmes, o que acham?

Pois é, acharam que iam conhecer apenas duas bandas e ganharam uma de bônus, por aqui é assim mesmo.

Por falar em novidades, a banda esteve nos últimos meses em estúdio. E escolheram como produtor do álbum, Zac Carper (Fidlar). Impossível achar um nome mais apropriado para está função, pois as bandas tem uma estética parecida.

frights q

E o disco já tem data marcada para o lançamento, 12 de fevereiro. O título pretendo fazer a transição da adolescencia para a vida adulta, logo terá um nome totalmente juvenil, You Are Going To Hate This e sairá pelo selo Dangerbird Records.

O primeiro single foi lançado novembro passado através de um vídeo postado pelo youtube da gravadora. A levada mais punk nesse som é automaticamente percebida, a energia da banda nos palcos somada a vibe circense do som nos faz esperar um bom disco.

Aliás “Kids” – segundo single a sair –  fala exatamente sobre o tema central do disco – o amadurecimento pessoal – de uma maneira completamente debochada. Perceba que o som do grupo do álbum anterior para este muda um pouco, tendo agora levadas mais pops.

Por enquanto é  isso, nos resta torcer para que ambos os álbuns das novíssimas bandas representem tanto a nova safra como seus primeiros discos de estúdio.

Advertisements

One thought on “Inspirada em Mac Demarco e Fidlar: Nova geração continua a mergulhar pelas ondas do Surf Rock

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s