A Quarentena tem sido um período que para alguns tem sido fértil musicalmente e para outros nem tanto. Colaborações e tentativas de se conectar com quem está em casa tem acontecido e a dinâmica de gravar ou interagir a distância tem sido a tônica dos últimos 4 meses.

O baiano Murilo Sá tem aproveitado este meio tempo para fazer os dois: gravar e colaborar com outros artistas. Recentemente ele até mesmo gravou uma versão à distância de um novo single dos cariocas do The Outs, “Ficar Bem”.

Agora ele divulga seu primeiro som de uma série produzido inteiramente durante seu período de isolamento. O registro também é o primeiro a ser lançado após seu último álbum de estúdio lançado em 2018.

Murilo Sá Fossanova (2018)

Em 2018 Murilo Sá lançou seu álbum mais recente e por aqui definimos assim:

“Em seu terceiro álbum de estúdio, Fossanova, Murilo Sá mostra as aventuras e desencontros de um lobo solitário que tenta atravessar as dores do fim de um intenso relacionamento.

Entre tragos, andanças, noites em claro, distorções, referências distintas que mostram uma outra perspectiva sobre os relacionamentos de nossos dias. Tudo isso recheado com mais experimentações. Onde o pop psicodélico flerta com a MPB, Bossa Nova e até mesmo o Jazz. Em um disco que passa rápido feito uma caminhada pelo centro de São Paulo.”


Murilo Sá na Quarentena. - Foto Por Amandinha

Murilo Sá na Quarentena. – Foto Por: Amandinha


Murilo Sá “Previsão do Tempo”

Nesta sexta-feira (24) Murilo Sá apresenta o single “Previsão do Tempo” que conta com a arte da capa produzida por Amanda Longo. Gravado em seu homestúdio, o single carrega diversos sentimentos gerados por esse cenário um tanto quanto atordoante.

A nostalgia, a ironia, o otimismo e suas visões tão particulares sobre o momento acabam adentrando a concepção da composição.

Ironia expressa em trechos como “nada vai bem mas prevejo a mudança do tempo e do vento depois que a tormenta passar…” que simbolizam bastante esses tempos de “E Daí?” e “Não Sou Coveiro”.

A faixa que deve ganhar um videoclipe em breve apresenta uma roupagem entre o pop psicodélico e o powerpop com direito a colagens e referências modernas, assim como o single do The Outs que já brinca com texturas e uma mixagem bastante viajante.

A Semiótica

Os ciclos da vida, os altos e baixos, as reflexões e o campo imaginético acabam reverberando. Aliás outro dia li sobre a música não ser pensada mais apenas como um som e também criando imagens.

O que faz todo sentido para essa e para outras músicas que tem sido lançadas. Basta fechar os olhos para se imaginar abraçando o horizonte, quem sabe em uma praia à bordo de uma embarcação em dia de maré baixa e ondas calmas. Desejo de muitos, Murilo, mas no momento estamos no meio de uma tormenta sem fim. E a saudade da retomada das relações humanas parece ainda apenas um sonho.



Por Trás da Letra

“A música fala sobre altos e baixos, sobre finais de ciclo, recomeço, esperança de que as coisas vão melhorar, porque também não da pra ficar pior…”, conta Murilo Sá

O músico conta que tentou suavizar os momentos através de metáforas e cenários agradáveis para o ouvinte como a do alto mar em dia de calmaria.

“Tentei trazer essa analogia com a vida em alto mar. Curso do vento, mudança de cenário que acho que foi a maneira que eu encontrei de suavizar a coisa toda (risos).

De velas abertas ao vento na direção dos faróis que lançam sinais, que seriam as pequenas coisinhas que ainda trazem alguma esperança. Talvez o amor e sentimentos assim mais nobres.”, finaliza o músico

Letra por Murilo Sá

Tão natural
O começo, o caminho e o final
volta e refaz
se preciso pra fazer melhor
na direção dos faróis que te lançam sinais
em alto mar
de velas abertas ao vento que tenta mostrar

que tudo vai ficar bem melhor
nem poderia estar pior

eu hoje ando só
das palavras me restam porquês
quem, onde estou?
prisioneiro da noite sem fim
penso em você
e você talvez nem pense mais
nada vai bem
mas prevejo a mudança do tempo e do vento
depois que a tormenta passar

e tudo vai ficar bem melhor
nem poderia estar pior

eu hoje ando só…
na direção…
pleno afinal…