Marcelo Gross apresenta nova fase com o single “A Dança das Almas”

Após lidar diversas mudanças, Marcelo Gross, autor de hits como “Sinceramente”, “Um Bom Brasileiro” e “Dia Perfeito”, eternizados na memória dos fãs da Cachorro Grande; está prestes de lançar seu novo álbum. Este que levará o nome de Tempo Louco, com previsão de lançamento para o mês de junho.

O registro também marca uma nova fase, o disco foi gravado na companhia de Eduardo Barretto (baixo) e Alexandre Papel (bateria) que já acompanhavam o músico durante a turnê do álbum antecessor, Chumbo & Pluma (2017).

“Perdi pessoas próximas, sai da banda…reflete também o renascimento desse tempo difícil, o esforço para passar por essas mudanças e o encontro de novos significados para continuar.”, conta Marcelo Gross em entrevista exclusiva para o Hits Perdidos


Gross Trio está junto desde 2017. – Foto: Divulgação

A Dança das Almas

É através de um pop psicodélico que o músico gaúcho abre os trabalhos para o lançamento do novo disco. O single “A Dança das Almas” mistura elementos da música indiana e o power pop sessentista mas sem deixar de lado a psicodelia.

A temática até mesmo remete aos nossos dias atuais: o romance quase impossível. Inclusive a saga pela musa conduz a eletricidade dos acordes da canção que também conta com uma cítara indiana. Fábio Kidesh fez uma participação especial na faixa tocando o instrumento.

A obsessão pelos Beatles continua à todo vapor inclusive nos mínimos detalhes. Assim como os besouros, a gravação foi realizada ao vivo com todos os integrantes na mesma sala.Com os mesmos instrumentos/ equipamentos que os Beatles usavam: Bateria Ludwig, baixo Hofner e guitarras Rickenbacker e Epiphone Casino plugadas em amplificadores VOX.



Lisérgica, a faixa caminha pelo oriente com arranjos delicados feito o caminhar de uma longa jornada. Mergulhando no power pop, ela é entorpecida pelo feitiço de uma paixão noite adentro. Como em outras composições do músico, elementos da cultura pop acabam transparecendo; no caso da faixa ele cita os filmes de Woody Allen para descrever sua odisseia com a musa. Conforme a música entra de cabeça na paixão, a faixa ganha a pista de dança. Onde olhos se cruzam e a magia acontece.

Será o primeiro álbum depois de Chumbo & Pluma (2017), e do fim da Cachorro Grande, o que te inspirou e o que podemos esperar deste novo momento da sua carreira?

Marcelo Gross: “O Álbum vai se chamar Tempo Louco e esse nome reflete um pouco do período que eu passei no momento em que escrevi as canções desse álbum: perdi pessoas próximas, sai da banda reflete também o renascimento desse tempo difícil, o esforço para passar por essas mudanças e o encontro de novos significados para continuar.

É também o primeiro álbum que gravei com o Gross trio, que me acompanha já há 2 anos e que conta com Eduardo Barretto no baixo e backings e Alexandre Papel na bateria.

Musicalmente ele traz um crossover da sonoridade dos anos 1960 com a modernidade dos dias atuais. Nas faixas trago elementos do que cada canção pede: Naipe de sopros a là Motown, Quarteto de cordas nas baladas, cítaras e instrumentos indianos, cravos, guitarras em reverse. Está bem variada a sonoridade do álbum novo, porém concisa. Serão 10 canções.”



O primeiro single é bastante espiritualizado. Acredita que este momento é hora de repensar as atitudes e nossa maneira de enxergar a vida?

Na parte instrumental, ele ainda conta com o recurso da cítara indiana, referências aos Beatles e um misto entre o passado e o presente. Como foi o processo de pesquisa por referências e o que optou por testar neste álbum disco?

Marcelo Gross: “A música nova, além do GROSS TRIO, conta com a cítara indiana tocada pelo grande Fábio Kidesh; e com teclados do meu velho parceiro de guerra Pedro Pelotas.

A base do GROSS TRIO foi gravada “ao vivo” no estúdio, ou seja, com a gente na mesma sala mandando ver som com os mesmos instrumentos/ equipamentos que os Beatles usavam: Bateria Ludwig, baixo Hofner e guitarras Rickenbacker e Epiphone Casino plugadas em amplificadores VOX.

O psicológico e as referências

A letra fala sobre a elevação espiritual que sentimos ao encontrar um novo amor. Como precisei de muita estrutura psicologia e espiritual para passar pelos meus momentos difíceis; acho sim que temos que encarar as coisas de uma nova forma porque tudo está acontecendo muito rápido e não está fácil acompanhar tudo sem perder o ímpeto e o fôlego.

Quanto as referências, elas vem do que tenho ouvido ultimamente e sempre: Motown, Power pop dos anos 60, bandas contemporâneas como Kula Shaker, True loves, Michael Kiwanuka, Liam Gallagher juntamente com os clássicos antigos de sempre: Kinks, Yardbyrds, Zombies, Beatles fase Revolver…”

Como tem observado esse momento de isolamento? Tem ajudado a compor ou a rascunhar projetos?

Como vê que a pausa forçada atrapalhou o mercado da música e como observa que será a retomada após este momento?

Marcelo Gross: “Eu já tinha planejado fazer meus lançamentos nesse período. Então resolvi manter os planos e ficar abastecendo meu público com material inédito: Novos singles, clipes e lyric videos; além do disco que está previsto para junho.

Tenho feito lives (a LOVE LIVE) todas as noites para estreitar o laço com quem curte meu trabalho. A hora é de readaptação e conexão com o público de outras formas; e espero que, com a cooperação de todos a gente consiga sair logo dessa situação para com isso retornar os trabalhos gradualmente.

Marcelo Gross no Spotify


This post was published on 3 de abril de 2020 12:18 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival MADA 2022 leva a Natal Mayra Andrade, Emicida, BayanaSystem, Linn da Quebrada, Boogarins e mais; garanta seu ingresso

O Festival MADA 2022 acontece nesta sexta-feira (23/09) e sábado (24/09) ocupando a Arena das…

21 de setembro de 2022

Com críticas a distopia brasileira, Planet Hemp lança single e clipe com Criolo

Explosão, confusão, crítica social afiada e linha de frente. A volta do Planet Hemp não…

20 de setembro de 2022

Vazamento revela possibilidade de não haver músicas brasileiras no FIFA 23

No dia 30 de agosto, alguns jogadores que adquiriram FIFA 23 puderam acessar a versão…

20 de setembro de 2022

Valentin lança “A Cidade” e conta com exclusividade os bastidores de suas turnês pelo país

O músico gaúcho Érico Junqueira, mais conhecido como Valentin, lançou recentemente seu quarto álbum de…

16 de setembro de 2022

Duda Beat, Tagua Tagua e Joana Marte + Anna Suav entram no line-up do 17º Festival Se Rasgum

17º Festival Se Rasgum confirma três novas atrações Marcado para os dias 11 e 12…

16 de setembro de 2022

Revirando o lixo do “Ink Trash”: artista cria capas de jogos e músicas com estética trash

Visitar o perfil do Ultimate Ink Trash no Instagram dá uma certa sensação de nostalgia.…

14 de setembro de 2022

This website uses cookies.