Minor Alps

Melhores Álbuns da Década: Lucas Moura (Glue Trip)

No começo de Outubro a Pitchfork disponibilizou uma lista polêmica (confira aqui) comentando os 200 álbuns favoritos da década (2010-2019). Listas são controversas por si só mas acabam gerando uma discussão saudável, além de trazer dicas para sua playlist. Pensando nisso convocaremos até o fim do ano: um time de personagens do mercado da música para comentarem seus prediletos. O oitavo post que aparecerá por aqui é com o Lucas Moura (Glue Trip) de João Pessoa (PB).


Lucas Moura (Glue Trip) – Foto Por: Fernando Yokota

2010-2019: A Lista do Lucas Moura (Glue Trip)

Blundetto: Bad Bad Things (2010)



“Escutei muito e representa um pouco da pluralidade que sempre quis colocar nas minhas músicas. Reggae, soul e funk vivem juntos como se nunca tivessem sido separados por estilos diferentes. Uma pedrada!”

Toro Y Moi: Underneath the Pine (2011)



“2011 foi um ano muito importante, cheio de discos que escuto até hoje (English Riviera, Innerspeaker), mas na nova música psicodélica o Toro Y Moi teve grande destaque na cena.

O segundo álbum do músico Chazwick Bundick é um deleite para os ouvidos, bem mais calminho e fluido que os trabalhos atuais. Comprei em vinil na época e fui 100% influenciado pela arte da capa.”

SIBA: Avante (2012)



“Foi o ano que redescobri o carnaval pelas ladeiras de Olinda e esse disco marcou muito essa descoberta. 2012 não poderia ter tido uma trilha sonora diferente. GUITARRAS!”

Daft Punk: Random Access Memories (2013)



“Faz tempo que um lançamento fonográfico não causa tanto impacto no mundo como o quarto álbum da dupla francesa em 2013. Todo o conceito do álbum reverberou bastante na criação do Sea at Night. Gosto muito de como ele definiu a cultura pop nos anos seguintes e como até hoje ele continua influenciando bandas, projetos, séries de TV.”

Russo Passapusso: Paraíso da Miragem (2014)



“Aqui foi tudo uma questão de timing. Russo lançou Paraíso da Miragem em 2014. Fez algum barulho na imprensa especializada, mas com o primeiro single “Paraquedas” já deu pra sentir que estávamos diante de um grande compositor.

O disco funciona como um resgate dos nossos melhores tempos, traz Cassiano e Paulo Diniz de volta a pauta. Funciona bem demais em dias de sol perto da praia.”

Ava Rocha: Ava Patrya Yndia Yracema (2015)



“Marcou muito porque conheci ao vivo no Festival PicNik em 2017, numa época em que mergulhei no processo de criação do novo álbum e não escutava muitas coisas diferentes. Fiquei chocado como ela conseguiu sair da caixinha de MPB de um jeito tão fácil e original. Foi uma grande descoberta e até hoje escuto bastante.”

Solange: A Seat at the Table (2016)



“É muito difícil colocar em palavras o que esse disco representa pra mim. É pura emoção. Sempre curti muito R&B, mas a Solange conseguiu sintetizar tudo que eu mais gostava no estilo e colocou nesse disco. A suavidade da voz, os arranjos de corda, pianos com reverb, enfim… é o disco que eu levaria para uma ilha deserta.”

Letrux: Em Noite de Climão (2017)



“Um disco necessário para 2017 e que teve um impacto absurdo pela forma como foi escrito/composto. Na primeira audição estranhei muito, mas depois, confesso, deixei ser levado pelas letras e confissões da Letícia. É tudo muito sincero e aberto, como música boa deve ser.”

Catavento: Ansiedade na Cidade (2018)



“Amigos e queridos, conheci a música antes de conhecer a banda e ambos são maravilhosos. Ansiedade é um discão e fala muito sobre o presente/futuro da música brasileira. Cria novas paisagens sonoras e resgata nossas origens sem olhar pra trás!”

Billie Eilish:
When We Fall Asleep, Where Do We Go? (2019)



“Estamos em pleno 2019 e das coisas que tenho escutado a Billie Eilish foi a que me deixou mais impressionado. Tem coisa nova acontecendo na música pop e não é careta.”

Playlist no Spotify

Claro que você não ia conferir essa lista sem ouvir um pouquinho de cada disco citado! Preparamos uma lista com os sons escolhidos especialmente para esta seleção do Lucas Moura (Glue Trip).

-> Siga o Perfil do Hits Perdidos no Spotify<-



Show no Sesc Pompeia

A Glue Trip ao lado do Bike se apresenta no palco do Sesc Pompeia no dia 23/01. A venda de ingressos online se inicia no dia 14/01 ao meio-dia. Já nas unidades do Sesc no dia seguinte a partir das 17:30h.

This post was published on 8 de janeiro de 2020 12:22 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Bratislava se entrega de corpo e alma em “Parte Do Que Vem”

O íntimo, o interno, o intenso e a natureza humana se afloraram em todos nós…

1 de julho de 2022

Joe Silhueta incorpora o espírito dos tempos em “Sobre saltos y outras quedas”

Quatro anos depois de Trilhas do Sol (2018) a banda candanga Joe Silhueta, encabeçada por…

30 de junho de 2022

saudade celebra o despertar em “bem vindo, amanhecer”

saudade lança bem vindo, amanhecer, segundo disco da carreira solo A pandemia foi um momento…

29 de junho de 2022

Sessa mantém a “Estrela Acesa” em seu segundo álbum

Sessa lança Estrela Acesa via Mexican Summer Fundador do grupo de psych-funk Garotas Suecas, Sergio…

28 de junho de 2022

Edital Aceleração Musical LabSonica 2.0 :: Toca do Bandido; saiba como se inscrever

Na quarta-feira (29/06) serão abertas as inscrições para o edital Aceleração Musical LabSonica 2.0 ::…

27 de junho de 2022

Pato Fu revela nuances do “Música de Brinquedo” às vésperas de completar 30 anos de história

PicniK Festival terá shows especiais do Pato Fu no formato tradicional e apresentando o Música…

24 de junho de 2022

This website uses cookies.