Eden

Depressão, caos e fúria, Ator Morto renasce das cinzas em debut

O rock’n’roll tem fama de ser inconsequente, raivoso, ríspido e intenso. Mas nem por isso se afasta de temas confessionais e difíceis de lidar, como o medo e a depressão. É claro que o amor em dose certa também acaba entrando na ordem do dia, e tudo junto e misturado, resulta em algo entre o caos e a poesia. É por aí que caminha o álbum de estreia do Ator Morto, banda que conta com veteranos do cenário independente.

Na linha de frente eles contam com Alexandre Capilé (voz, guitarra e violão), Caique Fermentão (bateria e voz), Jairo Fajer (baixo) e Pedro Lapitin (guitarra e backing vocal).

Figuras conhecidas por seus trabalhos ao lado de grupos como Sugar Kane, Autoramas, Water Rats, Corona Kings, Sheila Cretina, Doris Encrenqueira entre outos, o projeto explora diversas faces e estilos do rock.

Passando por gêneros como punk rock, garage rock, stoner e até mesmo o pop acabam entrando no caldeirão.


Ator MortoFoto Por: Lucca Miranda

A Redenção do Ator Morto

A versão banda é recente. Para terem uma ideia, o primeiro EP Caos (2018), foi lançado ainda como a dupla – idealizado e gravado, até então, por Alexandre Capilé e Caique Fermentão – e a partir desse ano para tocar acabou se tornando um quarteto. Uma das intenções é circular não apenas pelo Brasil mas também pela América Latina.

Entre as influências eles citam Beatles, Ty Segall, Oasis, Pearl Jam, ACDC mas em nossa percepção notamos que a bagagem dos grupos anteriores também traz acidez, punk rock y otras cositas mas.

Na produção o debut contou com muitas mãos. Entre elas a produção e gravação sendo realizada por Alexandre Capilé e Caique Fermentão no Estúdio Costella, em São Paulo.

O registro foi gravado entre outubro de 2018 a março de 2019. Já as músicas “Migous”, “Autonomia” e “Dopamina” são co-produzidas por Gabriel Zander e João Lemos (Molho Negro). A mixagem e masterização são assinadas por Zander.

Amor Torto

A depressão, questões existenciais, desilusões, a roda gigante do amor e seus percalços acabaram por sua vez contribuindo para a materialização do álbum. Alexandre Capilé deixa isso bem claro no desabafo logo abaixo.

“O álbum conta um pouco da nossa história. A banda surgiu de um escape para uma depressão que tive, as letras abordam questões existenciais, a dor e alegria de viver, o amor e seus desfechos. Narram nosso estilo de vida.

‘Amor Torto’ é uma ferida aberta que mostra intimamente quem somos e o que pensamos”, explica Capilé

O músico também carregou a função extra de produtor do trabalho, o que é sempre um desafio. Ainda mais quando é um projeto que há tanta entrega pessoal.

“Produzir e gravar um projeto pessoal sempre é prazeroso e complicado. O envolvimento emocional é gigante e tentamos fazer algo grandioso pra nós mesmos. Desde que as músicas começaram a surgir, a vontade de gravá-las e mostrar para todo mundo era grande.”, frisa o músico

O Resultado Final

“A sintonia com Caique foi importantíssima no processo, esse é um disco de duas pessoas, colocamos tudo de nós e considero um dos melhores discos que já trabalhei e toquei.

O resultado final está perfeitamente como esperado e estamos felizes em entregar um disco bem feito e sincero. No Ator Morto, nasceu nossa parceira musical e esse é nosso primeiro filho.”, finaliza Capilé

Participações

O registro ainda conta com uma série de participações especiais. Entre elas Ju Strassacapa (Francisco, El Hombre), Pedro Pelotas (Cachorro Grande), João Lemos (Molho Negro) e Vini Zampieri (Sugar Kane).

O Play!

Perder o controle do que sente, faz e é acaba por sua vez transparecendo na faixa que abre o álbum, “Tudo Natural”. Desabafo esse que mostra como a partir de uma faísca, tudo se transforma. A canção ainda conta com a participação de Vini Zampieri (Sugar Kane) que gravou a guitarra solo.

Mais melódica – e toda açucarada – “Me Tira Daqui” tem um tom jovem guarda / powerpop que bandas como Autoramas e Mundo Alto costumam resgatar; e conta com backin vocals de Ju Strassacapa (Francisco, El Hombre).



Piadas internas e celebração das amizades também tem espaço na tracklist. Em “Migous” que Capilé revela o trocadilho ser Amigos + Eagles, pela vibe rock de tiozão, ele narra em seus versos um relato de verão.

Curiosidade: A letra foi composta por Capilé, Vini Zampieri e Chuck Hipolitho (Forgotten Boys / Vespas Mandarinas).

A beatlemania transparece com força em faixa com participação de Strassacapa e Pedro Pelotas (Cachorro Grande). “Quem Sou”, traz detalhes nas teclas, backin vocals delicados e letra existencialista. Passando a vida a limpo, tanto os erros como as certezas. O solo açucarado de guitarra dá toda tônica sessentista – e empoeirada – do som.

Alienação

Mas as engrenagens e o espírito punk aniquilador reverberam na quinta do set, a energética “Dopamina”. Sendo as redes sociais como seu tema central, seu pedal sujo e tom de revolta deixam bem claro o recado indireto até mesmo para o país da fake news (e correntes de zap zap).

“Apodrecer” cai um pouco no clichê das bandas de rock dos anos 90, na sequência vem o single “Viciado” que zomba de um estilo de vida junkie decadente. Pop e feita para rádio – se ainda as FMs ainda tocassem rock – esse é o espírito de “Autonomia”.

Cowpunk?

O espírito caipira punk aparece em “Amor Torto”. A faixa título tem uma vibe western até mesmo em sua narrativa um tanto quanto filho de faroeste. Brincando com clichês e hollywood. A balada do cowboy da Marlboro.

O álbum se encerra com “It Feels”, uma faixa antiga mas segundo Capilé lembrada e celebrada pelos fãs. Uma balada triste, confessional e de coração partido. Daquelas que se tocada no violão pode preparar os isqueiros e luzes do celular.

This post was published on 13 de setembro de 2019 11:05 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival MADA 2022 leva a Natal Mayra Andrade, Emicida, BayanaSystem, Linn da Quebrada, Boogarins e mais; garanta seu ingresso

O Festival MADA 2022 acontece nesta sexta-feira (23/09) e sábado (24/09) ocupando a Arena das…

21 de setembro de 2022

Com críticas a distopia brasileira, Planet Hemp lança single e clipe com Criolo

Explosão, confusão, crítica social afiada e linha de frente. A volta do Planet Hemp não…

20 de setembro de 2022

Vazamento revela possibilidade de não haver músicas brasileiras no FIFA 23

No dia 30 de agosto, alguns jogadores que adquiriram FIFA 23 puderam acessar a versão…

20 de setembro de 2022

Valentin lança “A Cidade” e conta com exclusividade os bastidores de suas turnês pelo país

O músico gaúcho Érico Junqueira, mais conhecido como Valentin, lançou recentemente seu quarto álbum de…

16 de setembro de 2022

Duda Beat, Tagua Tagua e Joana Marte + Anna Suav entram no line-up do 17º Festival Se Rasgum

17º Festival Se Rasgum confirma três novas atrações Marcado para os dias 11 e 12…

16 de setembro de 2022

Revirando o lixo do “Ink Trash”: artista cria capas de jogos e músicas com estética trash

Visitar o perfil do Ultimate Ink Trash no Instagram dá uma certa sensação de nostalgia.…

14 de setembro de 2022

This website uses cookies.