Passeando por ritmos como a MPB e o Neo Soul, Paulo Chaves transforma crônicas do dia-a-dia em música

O Brasil é repleto de ritmos, discursos, sentimentos, confusões, descompassos e pulsações. Talvez seja até mais complexo do que historiadores – e sociólogos – tentem explicar mas muitas vezes pequenas crônicas tem o poder de mostrar, através de perspectivas bem particulares, histórias comuns de nosso cotidiano.

Um disco muitas vezes passa por esse papel e Paulo Chaves em seu álbum de estreia consegue passar suas impressões e vivências de maneira leve e solta. O brasiliense em novembro lançou sua “colcha de retalhos”, ou melhor dizendo o disco Desafogo.

Paulo é violonista formado pela Escola de Música de Brasília. Entre suas influências cita João Bosco, Caetano Veloso, Jorge Drexler, Ed Motta, Gilberto Gil, Roberto Carlos e Guinga mas não se prende apenas a este repertório já que em seu disco passeia por gêneros musicais como o brega, neo soul, samba, R&B, Rock Alternativo, ijexá, bolero e MPB.

Junto de sua banda para o álbum foram incorporadas ainda inspirações em grupos como Thundercat, Frank Ocean e o Terno. Completam a banda Pedro Lacerda no baixo, Isabella Pina na percussão e Pedro Barbosa na bateria.

“Por mais que a carreira seja solo – algo que esteve muito claro desde o início – a construção do disco foi totalmente coletiva. Eu jamais teria condições de fazer um disco como esse sem o talento deles e da galera que entrou depois. Eles são tão responsáveis pela identidade do trabalho quanto eu”, conta o músico


O músico brasiliense Paulo Chaves. – Foto Por: Amália Gonçalves

A depressão, o gato da vizinha, a ansiedade, as relações humanas, os desequilíbrios, dúvidas, inconstâncias, signos, tédio e o amor tem espaço em Desafogo. Disco que muitas vezes parece um pouco um livro de crônicas do dia-a-dia.

Paulo Chaves – Desafogo (09/11/2018)

Desafogo foi produzido por André Zinelli (Campbell Trio) e mixado por Diego Poloni
(Ventre, Dom Pedro). Já a foto da capa é de Carine Wallauer e o design é assinado por Bepo. O álbum lançado de maneira independente conta com 11 faixas e 37 minutos de duração.



Em tom leve, e de brincadeira, o álbum se inicia com a nada pretensiosa “Analfabetismo Astral”. Com referências R&B, de funk e synthpop, o registro se inicia divagando sobre o amor e os astros.

Até a sinastria amorosa é colocadas em pauta. Ele ironiza o crescente apelo do misticismo dentro das composições contemporâneas e ressalta seu “desapego” com tal tipo conhecimento.

Já “Ócio” é praticamente um hit perdido do registro. Ele vai atrás de referências do brega, sintetizadores, guitarras secas e através de melodias pops, guitarrada e bolero, nos convoca para dançar a dois. Narrando em si a rotina de um casal que já não está mais em completa sintonia.

“Lá Vamos Nós” ainda tem o ar de ressentimento no ar. Parece falar sobre tentar lidar com o desgaste. Quando o indivíduo sabe que precisa tomar novos rumos mas ainda vive em um (eterno) impasse. As harmonias e backin vocals deixam o clima ainda mais viajante e desta forma percebemos a influência de Thundercat.

“Filó” bebe da MPB de Gilberto Gil e Caetano e faz uma pequena crônica sobre o cotidiano. Passando tanto pelos afazeres banais de todo dia como pelo fator “errante” inerente ao ser humano. Mostrando através de delírios sentimentos que passam pela tristeza, ira, monotonia, e decepção. Por fim a canção acaba nos surpreendendo com seu trágico desfecho.

Na sequência temos a curta “Mentiras”, um desabafo repleto de arrependimento. A canção acaba servindo como introdução para “Sinceras”. Faixa que tem destaque para os vocais de Paulo e fala sobre amadurecimento, ressentimento e promessas. A partir daqui o álbum começa a ficar mais rockeiro, com direito a solos de guitarra setentistas.

Trazendo percussão, latinidades, e guitarras pesadas temos “Corpos”. Autobiográfica e que abre o coração para falar sobre suas fragilidades. As crises, destemperos, depressão, paranóias e ansiedade são colocadas em pauta de maneira bastante literal.

Quem chega com um dedilhado é “Sussuro” que caminha pelo campo das brasilidades. É sobre lidar com as tempestades e recomeços. Sobre as idas e vindas, os desgastes e o que na teoria realmente importa. Louco, apaixonado e delirante.

O gato da vizinha ganha um capítulo a parte em “Bichano”. Que fala sobre a trajetória do bichinho que depois de ter uma vida de rei teve sua vida abreviada após um atropelamento. Paulo narra a rotina da criatura, sua liberdade e existência.

Já “Obsoleto” traz na percussão referências africanas, bossa nova e parece ainda ter dificuldade de superar o fim. É também a mais experimental do registro e viaja para outras galáxias abraçando o samba, a ginga e até mesmo o ritmo avassalador do carnaval.

Mas quem tem a missão de encerrar o álbum é justamente “Ciúmes da Bahia”. Uma balada crua, no melhor estilo voz e violão, que parece o destruir aos poucos. Irá agradar quem curtiu o disco Recomeçar (2017) de Tim Bernardes.



O brasiliense Paulo Chaves em seu primeiro álbum, Desafogo, divaga sobre amores, depressão, ansiedade e até mesmo sobre o trágico fim do gatinho da vizinha. O registro em si faz uma fusão de estilos como a MPB, samba, Neo Soul, brega, bolero, Rock Alternativo e jazz. Seu jeito despretensioso para falar sobres suas inseguranças e dores do dia-a-dia recaem como pequenas crônicas musicadas. Destaque para os singles “Ócio” e “Filó”.

This post was published on 9 de janeiro de 2019 10:30 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Virada Cultural 2022 apresenta programação descentralizada nos dias 28 e 29/05; confira a programação completa

A abertura da Virada Cultural 2022 acontece às 17h do sábado (28), com apresentação do…

20 de maio de 2022

Jair Naves apresenta lado mais experimental em “Ofuscante a beleza que eu vejo”

O quarto disco da carreira solo do músico, cantor e compositor Jair Naves, Ofuscante a…

20 de maio de 2022

brvnks revela o lado doce e o amargo do amadurecer em “meet the terrible”

Após lançar Morri de Raiva (2019) pela Sony Music, a goiana brvnks após divulgar no…

20 de maio de 2022

Lançamentos Nacionais: Maglore, Glue Trip, Luna França, OZU, Julia Baumfeld, Giovanna Moraes e Bola

Aqui no Hits Perdidos voltamos com a coluna de lançamentos nacionais, afinal de contas, maio…

20 de maio de 2022

Lista das Listas 2021: conheça quais são os 45 discos mais citados pela crítica brasileira no último ano

Lista das Listas 2021, revela quais são os 45 discos mais citados pela crítica musical…

19 de maio de 2022

Tom Misch em Porto Alegre; show acontece na sexta-feira (20/05) no MITA Day

Tom Misch em Porto Alegre, inglês se apresenta no dia 20/07; garanta o seu ingresso…

19 de maio de 2022

This website uses cookies.