Nacional

Tuyo desvia da torta de climão na canção natalina “Eu Vim Pela Comida”

Tuyo lança “Eu Vim Pela Comida”

Já tem alguns anos que o Natal de muitas famílias é marcado pela ausência de familiares. Seja pela pandemia, e o distanciamento social, como também pelas rusgas e rupturas políticas. A torta de climão muitas vezes substitui o tradicional de peru de Natal, o que fez com que os natais de muitos tenham ganhado novas tradições. Passar o momento natalino do lado daquela família que você pode escolher. Esta muitas vezes consegue enxergar nas semelhanças e diferenças um lugar para chamar de seu.

É embalado neste espírito natalino que a Tuyo nos entregou em novembro o EP Depois da Festa (leia mais). Entre sobras e taças de vinho vazias, os paranaenses radicados em São Paulo tinham como intenção ser menos “tristinhos” como eles mesmo contaram no pré-lançamento do registro mas da Tuyo sempre podemos esperar um pouquinho de choro e camadas de calor humano.

Tudo é intenso como sempre mas neste novo material que celebra a estreia na BMG, eles permitem compor com mais liberdade. Liberdade no sentido de se permitirem falar até mesmo sobre o amor romântico sem culpa. Liberdade de poder estar em uma major sem abrir mão da sua identidade.

Hoje feito uma bônus track (daquelas que costumávamos encontrar nos discos físicos) a Tuyo chega com a cereja do bolo de natal, ou melhor dizendo, o Panetone recheado de chocolate com conhaque que aquela tia nos trás. A ironia, e as tortas de climão, ganham o enredo da divertida faixa que já em seu nome trás a brincadeira do tio do pavê: “Eu Vim Pela Comida”.


Tuyo no clipe natalino. – Foto Por: Vitor Augusto

Tuyo “Eu Vim Pela Comida”

O natal familiar muitas vezes é uma caixinha de surpresas, e nem sempre surpreende pelo lado positivo. São discussões, pessoas com poucas conexões fora o parentesco, opiniões divergentes, piadas e cobranças desnecessárias e muitas saias justas. Driblar esses conflitos muitas vezes consome mais do que gostaríamos e a resenha com os mais chegados acaba sendo parte do fechamento do ritual. Se toda família não é perfeita, o banqueta posto a mesa na ceia, e brindar com quem você pouco tem o que compartilhar, acabam sendo elementos que fazem parte da experiência entre enfeites e meias na decoradas na parede.

Entre pedidos por um ano melhor e a comemoração pelo encerramento de um ciclo, a torta de climão muitas vezes é a sobremesa indigesta que todos acabam tendo que repartir. A faixa brinca com isso que a partir de 2018 começou a ser mais frequente e distanciou muitas famílias.

“Uma transcrição bastante fiel aos pensamentos que visitam o nosso cérebro quando alguém que a gente ama muito está comprometido em falar groselha atrás de groselha. Também é uma canção sobre concessões, uma ilustração sobre o que se pode relevar e o que é preciso afrontar”.”, conta Lio sobre “Eu Vim Pela Comida”

O lado agregador e protetor com os teus acaba transparecendo como ela mesmo complementa. A canção nos prepara para as comemorações natalinas que nos últimos anos ganharam o adendo de amigos e famílias postiças ao redor da mesa.

“‘Eu Vim pela Comida’ é o amuleto natalino pra quem ouve e pra quem canta. Ela chega após o lançamento do EP como um modo de se preparar para as situações dos encontros festivos, sejam boas ou ruins. Trazê-la mais perto do Natal e do Ano Novo foi o nosso jeitinho de criar maneiras de proteger não só a nós mesmos, mas também o outro”.

A letra é divertida e cutuca as tretas familiares, brinca com clichês como taça de espumantes, espumando, e fala sobre as pequenas concessões que abrimos mas que não gostaríamos de ter que fazer. Da mesma forma, entre uma piada ruim ou uma fala ignorante, o ato de respirar fundo muitas vezes é a melhor forma de tentar manter a neutralidade em meio ao pavê azedo ou o frango que passou do ponto.


This post was published on 8 de dezembro de 2022 7:58 pm

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Atlântico Negro, capítulo 2: Swing e antirracismo no Negritude Jr

Atlântico Negro, capítulo 2: Swing e antirracismo no Negritude JR Atlântico negro é uma série…

7 de fevereiro de 2023

Dormente coloca uma luz na luta de classes contra as amarras capitalismo em “Radicalizar”

Dormente lança nesta segunda-feira o videoclipe para "Radicalizar" A luta de classes nunca deixou de…

6 de fevereiro de 2023

As Melhores Live Sessions | Janeiro (2023)

As Melhores Live Sessions | Janeiro (2023) O Que São Live Sessions? Live Sessions tem sido um…

6 de fevereiro de 2023

Guia Completo de Blocos de Carnaval de Rua em São Paulo (2023)

Guia Completo de Blocos de Carnaval de Rua em São Paulo (2023) Com a chegada…

3 de fevereiro de 2023

Boogarins, Jonathan Ferr, Cólera, Patife Band agitam a programação de fevereiro do Sesc Pompeia

Confira os destaques da programação de fevereiro do Sesc Pompeia Um dos principais palcos da…

2 de fevereiro de 2023

Atlântico Negro, Capítulo 1: a origem afro americana da canção “Tainted Love”

Atlântico Negro é uma série de edições em imagem e vídeo onde eu DJ Will…

1 de fevereiro de 2023

This website uses cookies.