Conheça artistas do cenário musical da Palestina

Assim como todo o Oriente Médio, a música da região da Palestina é rica e cheia de particularidades, muito embora, não se ouça muito falar no Brasil. Por isso decidimos listar 10 artistas de diferentes estilos para conhecermos mais sobre a música produzida no território por lá. Sendo assim, continuamos nossa volta ao mundo logo após um post sobre bandas australianas.


Rasha NavasFoto Por: V. DESJARDINS

1) Rasha Nahas



Rasha Nahas nasceu e cresceu em Haifa e atualmente vive em Berlim. Seu folk rock acaba abraçando elementos de free jazz, rockabilly, violinos e muita personalidade. Seu primeiro álbum foi lançado em 2019 em pleno verão europeu. Ela já se apresentou em festivais como o Glastonbury e na SIM São Paulo.

2) TootArd



De Druze, o TootArd foi fundado por dois irmãos, Hasan e Rami Nakhleh e até então conta com dois álbuns, Nuri Andaburi (2011) e Laissez Passer (2017). Entre os estilos que o som do trio, que conta até mesmo com saxofone, eles citam rock psicodélico, tuareg, reggae além de ritmos regionais.

3) 47SOUL



O 47Soul é um quarteto de música eletrônica que entre outros estilos traz para o caldeirão o Mijwiz e o Shamstep. O quarteto palestino da Jordânia está na ativa desde 2013 e em 2019 chegou a se apresentar no Tiny Desk e ganhar uma nota alta no jornal britânico The Guardian.

4) Bashar Murad



Nascido no leste de Jerusalem, Bashar Murad, além de músico é ativista LGBT+ no oriente médio. Ele ganhou maior reconhecimento depois de colaborar com a banda de techno-punk Hatari da Islândia. Bashar é filho de Said Murad que nos anos 80 fundou a primeira banda alternativa da região, a Sabreen. Seu som é pop e no ano passado ele participou da Canadian Music Week.

5) Jowan Safadi



Representando o cenário de avant-garde rock Jowan Safadi é polêmico. Recentemente até mesmo foi preso por conta das autoridades considerarem sua música “Police Song” como subversiva. Foi necessário uma campanha nas redes sociais para liberarem o músico. Ele relata que sofreu muito durante a prisão mas agora está de volta a Haifa.

6) Le Trio Joubran



Representando a música mais tradicional palestina temos o Le Trio Joubran. O trio é formado por irmãos da cidade de Nazaré, e hoje em dia eles se dividem entre Nazaré, Ramallah e Paris.

Filhos de pais músicos, seu pai Hatem é considerado um dos melhores instrumentistas da arábia. Suas influências além da música tradicional também flertam com o jazz. Eles já foram premiados por diversas vezes nacional e internacionalmente.

7) Haykal



Misturando hip hop com elementos de trap e grime Haykal é conhecido por ser um dos mais rápidos rimadores da região. Ao lado de Al Nather, Dakn, Marimakkuk e Shab Jdeed eles tem aproveitado o legado de grupos como DAM que abriram as portas para o estilo.

8) Muqata’a



O novo cenário underground de Ramallah parece ferver e trazer ótimas pérolas para fãs de hip hop e música eletrônica. O ativismo, claro, também é o fio condutor desta movimentação. Muqata’a também fez parte do coletivo Ramallah Underground, no qual obtive reconhecimento.

Sua família, inclusive é de refugiados que tiveram que se mudar para lugares como Nicosia, Chipre, Amman, Jordânia antes de voltar para Ramallah. O nascimento do grupo vem das festas subterranêas voltadas para a dance music.

Ele inclusive costuma samplear em sua música canções clássicas árabes, escutas de rádio de Israel registradas de maneira ilegal entre outros coisas. Tudo com apenas a ajuda de um iphone. Mais informações vocês podem encontrar no documentário Palestine Underground.

9) Sama’



Quem também já apareceu no Boiler Room foi a DJ Sama’. Antes atendendo pelo nome de Skywalker, ela foi a primeira DJ e produtora musical palestina. Tudo começou quando em 2007 ela começou a organizar suas primeiras festas techno que acabaram se tornando uma verdadeira febre em Ramallah.

Antes de entrar de cabeça na música eletrônica ela chegou a fazer rap e a participar de batalhas de dança, ela conta que durante os anos 00 a moda era ouvir hip hop e que em Ramallah as pessoas amam música psicodélica.

10) Extra: Documentário



Como comentamos sobre o documentário nada como deixar o link disponível para quem se interessar aqui na matéria. A produção audiovisual aborda o cenário de Hip Hop, Trap e Techno, além de aspectos como identidade, restrições políticas e seus muros.

Durante minha pesquisa encontrei também um link no qual falava como bandas israelenses e palestinas conviviam bem no cenário de metal local, fica aqui o link para quem se interessar.

This post was published on 21 de janeiro de 2020 11:07 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

View Comments

Posts Recentes

Festival MADA 2022 leva a Natal Mayra Andrade, Emicida, BayanaSystem, Linn da Quebrada, Boogarins e mais; garanta seu ingresso

O Festival MADA 2022 acontece nesta sexta-feira (23/09) e sábado (24/09) ocupando a Arena das…

21 de setembro de 2022

Com críticas a distopia brasileira, Planet Hemp lança single e clipe com Criolo

Explosão, confusão, crítica social afiada e linha de frente. A volta do Planet Hemp não…

20 de setembro de 2022

Vazamento revela possibilidade de não haver músicas brasileiras no FIFA 23

No dia 30 de agosto, alguns jogadores que adquiriram FIFA 23 puderam acessar a versão…

20 de setembro de 2022

Valentin lança “A Cidade” e conta com exclusividade os bastidores de suas turnês pelo país

O músico gaúcho Érico Junqueira, mais conhecido como Valentin, lançou recentemente seu quarto álbum de…

16 de setembro de 2022

Duda Beat, Tagua Tagua e Joana Marte + Anna Suav entram no line-up do 17º Festival Se Rasgum

17º Festival Se Rasgum confirma três novas atrações Marcado para os dias 11 e 12…

16 de setembro de 2022

Revirando o lixo do “Ink Trash”: artista cria capas de jogos e músicas com estética trash

Visitar o perfil do Ultimate Ink Trash no Instagram dá uma certa sensação de nostalgia.…

14 de setembro de 2022

This website uses cookies.