O “Grammy da cena Indie Canadense”

CMWBanner-745x342

”Premiação é considerada Grammy da cena independente


Todo ano durante uma semana no Canadá acontece a premiação anual de música, o Canadian Music and Broadcast Industry Awards.

Durante 5 dias além da premiação em várias categorias, acontece também shows em diversos lugares. Uma forma de incentivar a cultura e celebrar a identidade nacional.

Neste ano a semana escolhida para esse mega evento foi esta que terminou neste sábado agora (6-10 de Maio). A cidade sede escolhida foi Toronto.

Para nós que acompanhamos tudo de muito longe é uma ótima oportunidade de conferir novos artistas, estes que mal saíram da garagem e já estão despontando na web.


unnamed


Com o Apoio da Sirious XM, os vencedores ganham maior visibilidade e entram na programação.

Este prêmio é carinhosamente chamado de Grammy da cena independente.

A cúpula indica os candidatos mas a votação final ocorre online, ou seja, os fãs ficam responsáveis pela escolha dos vencedores.

Conheça os vencedores das categorias de artistas/bandas independentes desse ano:

“Compositor do Ano”

Vencedor: Mother Mother

A banda de rock alternativo está na ativa desde 2005 e tem quatro discos lançados:  Touch Up (2007), O My Heart (2008), EUREKA (2011) and The Sticks (2012).  

Seu primeiro trabalho Touch Up foi produzido por Howard Rudekopp. Este último que já produziu discos para artistas conhecidos na cena alternativa como: The New Pornographers e Tegan and Sara.

“Artista Emergente do Ano”

Vencedor: Mounties

Se a banda anterior esbanjava de experiência em conjunto, o Mounties é realmente um projeto ainda recente. Tendo lançado seus primeiros singles ano passado, o disco de estréia Thrash Rock Legacy saiu agora em março (2014). Porém engana-se quem pensa que eles são marinheiros de primeira viagem.

A banda conta com Steve Bays (Hot Hot Heat), Hawksley Workman (que já produziu bandas como Tegan & Sara e Great Big Sea) e Ryan Dahle (Ex-Age of Electric e Limblifter).

“Single do Ano 

Vencedor: City And Colour – The Lonely Life

O City And Colour dispensa apresentações perante o público brasileiro. O ex integrante da banda Alexisonfire, Dallas Green, largou tudo para seguir carreira solo e até agora tem se dado bastante bem.

“Artista Pop do Ano”

Vencedor: Fast Romantics

Pop em uma premiação alternativa? Sim, ainda mais quando é um pop que tem valor artístico sem abusar do decote. É aquela coisa é pop mas é alternativo ao mesmo tempo.

Com apenas um disco e um EP, a banda parece estar chamando a atenção em terras canadenses. Eles tem o mesmo produtor do Mother Mother, panelinha ou máquina de fazer hits?

Essa eu deixo pra vocês responderem.

“Artista Alternativo do Ano”

Vencedor: July Talk

July Talk ao menos para mim foi uma grata surpresa.

Me ganhou com esse swing Blues + voz rouca alá Lemmy Kilmister  ou até quem sabe Tom Waits + vocal feminino agudo fazendo o contraste.

Com apenas um álbum lançado em outubro do ano passado, a banda conquistou este que é um dos prêmios de maior importância da noite.

“Conjunto de Música Eletrônica/Artista do Ano”

Vencedor: A Tribe Called Red

A Tribe Called Red é um duo de música eletrônica que faz um som cheio de misturas. Os caras misturam: hip hop, reggae, dubstep, elementos de dance music e música folclórica de raíz.

Uma mistura no mínimo interessante e que não dá pra deixar passar batido.

Muito provavelmente o nome da banda é um trocadilho infâme com o lendário grupo de hip hop estadunidense  dos anos 90, A Tribe Called Quest.

“Melhor Banda Punk”

Vencedor: PUP

A banda PUP lançou seu primeiro disco em abril de 2014 e rola ouvir em stream. Mas não foi apenas no Canadá que eles despontaram rapidamente.

A gravadora Side One Dummy, uma ”grande” do meio alternativo, prontamente assinou a banda após escutarem suas demos.

Vale lembrar que a banda METZ , outra banda canadense do gênero, que fez esse discaço em 2012 também foi prontamente descoberta por outra gigante do underground (Sub Pop). A banda inclusive se apresenta em São Paulo nesta quinta-feira (15.04) no Sub Pop Fest.

“Artista de Rock do Ano”

Vencedor: Wildlife

Ao ouvir a banda eu fiquei com uma série de dúvidas.

Parece existir um lado mais tímido da banda que puxa mais pro lado rockeiro (ousando nos solos) mas por outro lado tem o lado pop que puxa com mais força.

Logo fica difícil estabelecer uma opinião muito consistente sobre o grupo em apenas algumas ouvidas.

Eles descrevem seu som como único (meio audácioso, né?), dizem ter influências de punk e pop. Eu estou procurando a influência punk até agora.

Provocações á parte a banda está na ativa desde 2006 e parece ter uma fan base bastante sólida.

“Artista de Hip Hop do Ano”

Vencedor: Shadk

Claramente a galera do hip hop não ia ficar de fora da premiação.

Ao menos eu achei ouvindo um pouco copy+paste do já consolidado nas paradas americanas. Mas como não sou um grande entendedor de hip hop, eu vou parar por aqui.

“Grupo de Folk do Ano”

Vencedor: Strumbellas 

A banda mistura pop, folk e bluegrass. Além de afirmarem serem bastantes influenciados por Ryan Adams. Isso explica bastante o som dos caras.

Vai agradar fãs de Lumineers e Mumford & Sons.

“Banda do Ano”

Vencedor: Half Moon Run

A banda lançou o disco Dark Eyes no último mês de março. E pelo que me informei parece que o forte do grupo são as apresentações ao vivo.

Melhor Apresentação Ao Vivo

Vencedor: Hollerado

A banda faz um som tão good vibes que não me convence muito.  É aquele pop rock com perfume de rock alternativo que você está cansado de dançar nas festas da rua Augusta.  Doa a quem doer.

A banda inclusive já veio para o Brasil.

Mas o prêmio em questão é ”melhor show” e não precisamos olhar muito para trás para ver que o Imagine Dragons ganhou o Grammy este ano na mesma categoria.

“Parceria do Ano”

Vencedor: CLASSIFIED e David Myles

Um pop tão bem feito naquela melhor combinação rap + pop que a MTV tratou de enlatar ao longo dos anos. É aquela coisa: é tão grudento que é impossível não ficar na sua cabeça.

Se entrasse na trilha de algum filme na linha de ”Kung Fu Panda” estaria bastante adequado.

”Artista Promessa”  

Vencedor: Born Ruffians 

Sabe quando tem um artista que não faz o tipo de som que você está acostumado a ouvir mas que chama rapidamente a atenção?

Então, esse é o caso do Born Ruffians. É aquela mesma aúrea que bandas como Arctic Monkeys tem, porém eles são mais puxados pro pop rock.

Como o nome do prêmio diz: vale a pena ficar de olho.

Confira aqui a lista completa de premiados da noite.

Advertisements

One thought on “O “Grammy da cena Indie Canadense”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s