Surfer Blood completa um ciclo e se transforma em “Carefree Theatre”

 Surfer Blood completa um ciclo e se transforma em “Carefree Theatre”

Surfer Blood – Foto: Divulgação

Enquanto comemoram os 10 anos de seu debut album Astro Coast com uma versão física especial, Surfer Blood também lança seu mais novo disco Carefree Theatre.

Agora com 5 discos na bagagem, muitos altos e baixos na banda, John Paul Witts aposta suas fichas na simplicidade. Antes as músicas compridas e complexas hoje se tornaram canções pop diretas, curtas e retas.

Isso reflete o momento em que a banda se encontra, em um fechamento de ciclo, se transformando aos poucos. Produzindo de forma independente suas obras, ganhando maior conforto e plenitude.

A banda já teve sua passagem pelo Brasil duas vezes, em 2013 e 2016 – este último, um show gratuito no centro de São Paulo dividindo palco com Wild Nothing. Agora, John Paul Witts conversa com a gente relembrando esses momentos, nos contando um pouco mais de seu processo de produção no último disco e outras curiosidades.


Surfer Blood Entrevista Hits Perdidos
Surfer Blood lançou seu novo álbum no segundo semestre – Foto: Divulgação

Entrevista: Surfer Blood

Vocês estão lançando um novo álbum agora “Carefree Theatrer”, que tem mais canções diretas, curtas e pop. Como foi o processo de gravação do disco e porque o som mudou?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Estou sempre reagindo ao nosso último lançamento. 1,000 Palms e Snowdonia eram álbuns muito técnicos com canções longas e complicadas. Estou muito orgulhoso de ambos os álbuns, mas estava tentando mudar ligeiramente de direção.

Eu senti como se algo estivesse perdido quando nós tocamos ao vivo, quando você tem que tocar partes extremamente técnicas por uma hora e meia você acaba parecendo menos enérgico. É maravilhoso experimentar no estúdio, mas percebi que, durante nossos shows, passávamos muito tempo olhando para nossos instrumentos e pedais. Quando comecei a escrever para o Carefree Theatre, estava determinado a trazer de volta um pouco dessa energia bruta.”

O novo álbum traz a faixa “Parkland – Into The Silence”, sobre o massacre em uma escola da Flórida que tirou a vida de 17 pessoas em 2018. Como você observa essas tragédias que estão ganhando força ao redor do mundo com a ajuda da internet?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Estou muito orgulhoso dos sobreviventes do massacre de Parkland. Eu não acho que teria a disciplina ou coragem para realizar o que foram capazes de fazer. Eles foram atacados por adultos na mídia de direita aqui nos EUA (que tipo de monstro ataca um estudante do ensino médio?) e ainda assim eles não se incomodam. Eles apenas continuam a se organizar e espalhar sua mensagem.

Esses eventos são relativamente comuns nos EUA. Existem literalmente mais armas do que pessoas neste país. A maioria dos americanos está resignada com o fato de que esses tipos de eventos são “normais”, quase esperado.

Esses alunos não se conformam mais com o “normal”. Eles são jovens e criativos o suficiente para ver o mundo de forma diferente, e eu realmente acredito que eles mudaram a cabeça de tantos americanos. Espero que, sob uma nova liderança, nosso país seja capaz de despertar e tornar esses episódios bárbaros uma coisa do passado.” 

A banda passou por muitos altos e baixos, mas no “Carefree Theatrer” parece que um ponto de estabilidade foi encontrado. Você poderia dizer que hoje o Surfer Blood está mais otimista do que em seu primeiro álbum “Astro Coast”?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Houveram muitos altos e baixos, bem como muitas tragédias ao longo da última década, mas acho que encontramos nosso ponto de equilíbrio. Produzir nossos próprios discos tem sido uma grande parte disso. Trabalhamos em um ambiente confortável. Mikey e Lindsey adicionaram muito ao som, arranjar harmonias para essas novas músicas foi muito divertido. Temos até alguns duetos no Carefree Theatre, acho que músicas como “Uneasy Rider” e “Dewar” mostram muito crescimento para a banda.

Estou otimista quanto ao futuro. Conseguimos lançar um LP e dois EP’s no último ano e meio (Carefree Theatre, Hourly Haunts & Hardboiled) e estamos atualmente trabalhando em mais material. Desenvolvemos um bom equilíbrio entre escrever, gravar e fazer turnês e espero que o ritmo continue.”

Em 2020, “Astro Coast” comemorou seu aniversário de 10 anos e ganhou uma edição especial (lançada em agosto). Haverá shows comemorativos no futuro? Vocês tem mais planos para essa data?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “É difícil acreditar que já se passaram dez anos! O LP duplo é lindo e nostálgico para nós. Há uma colagem de fotos antigas que traz de volta muitas memórias antigas. Todas as demos incluídas no disco foram muito divertidas de mixar, elas estão todas bagunçadas e um pouco estranhas, mas é uma bela noção de onde estávamos em 2009.

Infelizmente, nossos planos para fazer shows para o aniversário de dez anos foram colocados em em espera devido ao vírus. Estávamos planejando fazer uma turnê neste outono tocando Astro Coast na íntegra, mas parece que teremos que esperar até 2021.

Esperançosamente, os EUA conseguirão manter esse surto sob controle para que possamos fazer turnê novamente e comemorar este importante aniversário
da maneira que merece ser comemorado.”

Quais são suas maiores referências na hora de gravar um novo álbum?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Depende do que estou tentando realizar. Para este álbum, minha maior inspiração foi Alien Lanes do Guided By Voices. É um disco eclético, as músicas são todas de um ou dois minutos de duração com instrumentação radicalmente variada, mas todo o álbum é coeso. 

Nós tivemos a sorte de fazer turnê com o GBV e tocar em vários festivais com eles.
Assisti-los tocar essas músicas curtas e poderosas consecutivamente me inspirou a tentar alguma coisa similar.”

Como a pandemia influenciou a rotina e os planos futuros da banda em 2021?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Tem sido um ano difícil, para nós e para tantas pessoas em todo o mundo. Estamos tentando nos ocupar gravando live-streams, mas nada se compara a fazer shows de verdade e turnês. Eu não tinha percebido o quanto eu sinto falta não apenas de fazer turnê, mas de ter a possibilidade de assistir a uma banda na sexta à noite.

Quando você está no palco, interagindo com a multidão é o que te dá energia. É muito diferente quando você está tocando para uma câmera. Sinto falta de interagir com nossos fãs na mesa de merch após o show. Conhecer novas pessoas em todo o mundo é um dos aspectos mais gratificantes de uma turnê. Esperando e orando para que 2021 seja muito diferente do que este ano tem sido.”

O Brasil tem muitos fãs do Surfer Blood. Sua passagem pelo Brasil em 2013 e 2016 nos apresentou shows muito divertidos. Você tem memórias sobre aquelas passagens que você pode compartilhar conosco? Por fim, deixe uma mensagem para seus fãs brasileiros.

John Paul Pitts (Surfer Blood): “Tenho saudades de fazer turnê no Brasil! Na primeira noite que chegamos ao Rio, fomos nadar no oceano à meia-noite após o show. Conhecemos tantas pessoas incríveis e tivemos a sorte ser convidado a tocar em um festival de rua alguns anos depois.

Comemos muito ceviche e fui a uma churrascaria tradicional brasileira no dia seguinte (o melhor bufê de saladas de todos!), então eu realmente espero que haja mais oportunidades para nós no Brasil. É como férias para nós!

Minha mensagem para nossos fãs brasileiros é para permanecermos otimistas. É difícil não ficar chateado com a forma como o mundo mudou neste ano, mas não precisa ser permanente. Eu sei que tomei as coisas boas da vida como certas no passado, então quando as coisas retornarem como elas eram, vamos todos lembrar de apreciar estarmos juntos.”


Surfer Blood Hits Perdidos
Surfer BloodFoto: Divulgação

Interview: Surfer Blood

You are releasing a new album now ” Carefree Theatrer “, which has more direct, short and pop songs. How was the process of recording the disc and why did the sound change?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “I’m always reacting to our last release. 1,000 Palms and Snowdonia were both very technical records with long, complicated songs. I’m really proud of both of these records, but was looking to change directions slightly.

I felt like something was lost when we would play live, when you have to play extremely technical parts for an hour and a half set you end up coming across as less energetic. It’s wonderful to experiment in the studio, but I noticed that during our shows we were spending way too much time looking at our instruments and pedals. When I started writing for Carefree Theatre, I was determined to bring back some of that raw energy.”

The new album features the track “ Parkland – Into The Silence ”, about the massacre at a Florida school that took the lives of 17 people in 2018 . How do you observe these tragedies that are gaining momentum around the world with the help of the internet?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “I’m very proud of the survivors from the Parkland massacre. I don’t think I would’ve had the discipline or courage to accomplish what they’ve been able to. They’ve been attacked by grown adults in the right wing media here in the US (what kind of monster attacks a high school student?) and yet they are unfazed. They just continue to organize and spread their message.

These events are relatively common in the US. There are literally more guns than people in this country. Most Americans are resigned to the fact that these kinds of events are “normal,” almost expected.

These students won’t settle for “normal” anymore. They are young and imaginative enough to see the world differently, and I truly believe they have changed the minds of so many Americans. I hope that, under new leadership, our country is able to wake up and make these barbaric episodes a thing of the past.”

The band went through many ups and downs, but at “Carefree Theatrer” it seems that a point of stability has been found. Could you say that today Surfer Blood is more optimistic than on their first album “Astro Coast”?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “There have been a lot of ups and downs, as well as a lot of tragedy over the course of the last decade, but I think we have found our stride. Producing our own records has been a huge part of that. We work in an environment that is comfortable for us. Mikey and Lindsey have added a lot to the sound, arranging harmonies for these new songs was really fun. We even have a few duets on Carefree Theatre, I think songs like

“Uneasy Rider” and “Dewar” show a lot of growth for the band. I’m feeling optimistic about the future. We’ve managed to put out one LP and two EP’s in the past year and a half (Carefree Theatre, Hourly Haunts & Hardboiled) and are currently working on material for more. We have developed a nice balance between writing, recording and touring and I hope that rhythm continues.”

In 2020 “Astro Coast” celebrated its 10 years anniversary and got a special edition (released in august). Will there be commemorative shows in the future? Do you have any more plans for that date?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “It’s hard to believe it’s been a full ten years now! The double LP is beautiful and nostalgic for us. There is a collage of old pictures that brings back a lot of old memories. All of the demo recordings included with the record were really fun to mix, they’re all over the place and a little strange but it’s a nice picture of where we were at back in 2009.

Unfortunately, our plans for playing shows for the ten year anniversary have been put on hold due to the virus. We were planning on touring this fall playing Astro Coast in its entirety, but it looks like we’ll have to wait until 2021. Hopefully the US will finally get this outbreak under control so we can tour again, and celebrate this important anniversary the way it deserves to be celebrated.”

What are your biggest references when recording a new album?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “It depends on what I’m trying to accomplish. For this record my biggest inspiration was Alien Lanes by Guided By Voices. It’s an eclectic record, the songs are all one or two minutes long with radically varied instrumentation, yet the whole record is cohesive. 

We’ve had the good fortune of touring with GBV and playing several festivals with them. Watching them perform these short, powerful songs consecutively, inspired me to try something similar.”

How did the pandemic influence the band’s routine and future plans in 2021?

John Paul Pitts (Surfer Blood): “It’s been a difficult year, for us and for so many people all over the world. We’ve been trying to stay busy recording live-stream concerts, but nothing compares to playing real concerts and touring.

I didn’t realize how much I have missed not only touring, but having the ability to go watch a band on Friday night. When you’re on stage, interacting with the crowd is what gives you energy. It’s much different when you’re playing to a single camera. I miss interacting with our fans at the merch table after the show. Meeting new people all over the world is one of the most fulfilling aspects of touring. Hoping and
praying that 2021 is a lot different than this year has been.”

Brazil has many fans of Surfer Blood. Your time in Brazil in 2013 and 2016 presented us with very fun shows. You have memories about those passages that you can share with us? Finally, leave a message for your Brazilian fans.

John Paul Pitts (Surfer Blood): “I miss touring in Brazil! The first night we arrived in Rio, we went swimming in the ocean at midnight after the show. We met so many amazing people and were fortunate enough to be invited back to play a street festival a few years later. We ate lots of ceviche and went to a traditional Brazilian steakhouse the next day (best salad bar ever!) so I really hope there are more opportunities for us in Brazil. It’s like a vacation for us!

My message to our Brazilian fans is to remain optimistic. It’s hard not to be upset by how much the world has changed this year, but it doesn’t have to be permanent. I know I have taken the good things in life for granted in the past, so when things return to the way they were, let’s all remember to appreciate being together.”

Surfer Blood Carefree Theatre


Diego Carteiro

Apresentador do programa Ruído na Internova Radio, colaborador do Hits Perdidos. Entusiasta de shows e festivais e músico nas horas vagas. Siga o Hits no Instagram: @hitsperdidos

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *