As Melhores Live Sessions | Julho (2021)

 As Melhores Live Sessions | Julho (2021)

As Melhores Live Sessions | Julho (2021)

O Que São Live Sessions?

Live Sessions tem sido um recurso bastante utilizado pelas bandas e em   Julho não foi diferente. Muito por conta da necessidade de mostrar seu trabalho ao vivo para contratantes. Mas também é uma oportunidade de engajar seu público a comparecer em eventos futuros. Por isso desde 2018 reunimos as mais legais que tem surgido no país.

Confira a lista com as Melhores lançadas em Julho (2021); e não esqueça de enviar sua live session lançada nos próximos meses, vai que ela aparece também por aqui!

Melhores Live Sessions | Julho 2021


Inhotim_Em_Cena_Otto_Foto_RavalFilmes Melhores Live Sessions Julho 2021


1) Otto @ Inhotim Em Cena

O o cantor e compositor pernambucano Otto se apresentou na live session Inhotim em Cena 2021. A superprodução foi gravada diretamente da Estufa Equatorial do Inhotim.

O ambiente é dedicado ao cultivo de plantas da coleção que precisam de condições controladas de umidade e temperatura. Trata-se de um espaço restrito, aberto ao público apenas em situações especiais.

“Considero um renascimento meu estar aqui com todo esse verde e, neste momento tão difícil para o Brasil, ficar em meio à ciência e à arte”, disse o músico

No repertório do vídeo você encontrará canções dos álbuns lançados ao longo da carreira além de duas até então inéditas do disco Canícule Selvagem, “Canícule”e “Anna”.



2) My Magical Glowing Lens “Da Ordem ao Fluxo”

A capixaba Gabriela Terra, ao lado de seu projeto My Magical Glowing Lens, uniu Música, dança e tecnologia em uma live session conceitual em 3D. A experiência audiovisual “Da Ordem ao Fluxo – Uma Live Híbrida e Experimental” abre os caminhos para o novo disco, Gamana.

O trabalho é o resultado da união de Terra com a equipe liderada por Glauber Vianna (audiovisual) e Gabriela Moriondo (coreografia), para uma espécie de residência artística. Coreografia, corpo, arte e cinegrafia se misturam na produção.

“Essa live é um experimento de um coletivo formado durante a pandemia, cujo nome é Metassoma (do grego antigo, algo como: “Corpo que vai além, corpo estendido ou além-corpo”.

É um trabalho coletivo, feito por pessoas que se reuniram durante meses on-line para fazer funcionar uma tecnologia que ainda estávamos aprendendo. Afinal, mover um boneco 3D e uma realidade virtual sem gastar muita grana parece fácil, mas não é. É um salto tecnológico dentro da MMGL, algo que sempre quis fazer acontecer: tornar um show da MMGL um espetáculo visual. Vai ser a primeira tentativa disso!”, explica Gabriela Terra, produtora musical e criadora da My Magical Glowing Lens.

O Desenrolar do Projeto

“Meu interesse dentro de todo o projeto foi investigar caminhos que me fizessem repensar a percepção dinâmica do espaço, buscando novas tecnologias e as incorporando às novas narrativas. Me inspirei em instalações de arte imersiva / tecnológica que exploram a arquitetura e a imersão do espectador.

Trabalhei fazendo os visuais das bandas Los Hermanos e Tribalistas em suas últimas turnês. Foram aulas sobre a construção de cenas, climas, transições e a fluidez da iluminação com os irmãos Arthur e Gabriel Farinon da Cia. Da Luz.

Em uma parte da apresentação a Gabriela se apresenta por meio de um avatar em um cenário virtual e imersivo. Foi um desafio enorme capturar seus movimentos e introduzi-los na personagem 3D. Transportamos a Gabi para outra dimensão em um processo de ‘virtualização’”, analisa Glauber Vianna, artista visual e diretor artístico que já trabalhou no Lollapalooza, Paralimpíadas, entre outros.

“Nossa conexão foi muito forte desde já. Conexão na forma como criamos, buscamos e entendemos os processos de criação. Houve uma admiração mútua. Sempre começo o processo coreográfico observando o(a) bailarino(a) e conversando com ele(a) sobre a dança. Como se a coreografia já existisse nela, começou a convocar e a conduzir as características mais fortes em exercícios de improvisação.

Apresento teorias do movimento e juntas experimentamos mover o corpo de diferentes formas. Em seguida entra a camada da intenção e o diálogo da dança com o som, que é tão potente e intrínseco à Gabi.

O diálogo com o Glauber sobre os espaços virtuais onde Gabi dançaria também alimentou muito a forma dela de dançar, de olhar, de ocupar o espaço. Por fim, a tecnologia de captação de movimento fez suas próprias intervenções e exigências da dança e o resultado enfim apareceu. O processo foi extremamente gratificante.”, elogia Gabriela Moriondo, coreógrafa do projeto Da Ordem ao Fluxo.



3) Giovanna Moraes “Baita Momento Peculiar”

Após lançar o disco III, a cantora e compositora Giovanna Moraes ficou com a saudade dos shows. Afinal de contas, lançar um disco sem show sempre traz uma espécie de vazio existencial, não é mesmo?

Desse desejo de produzir e apresentar nascia a live session Baita Momento Peculiar, produzida pela cantora e sua equipe, realizada seguindo todos os protocolos de medidas de segurança.

Com formato de pocket show o material foi gravado no espaço BarraCo // WeSampa e nela as canções ganharam uma roupagem mais rock’n’roll se comparado a sutileza das gravações em estúdio.

O vídeo, produzido e editado pela própria cantora, só vem reafirmar sua intensidade e entrega em tudo que faz, explorando novas linguagens audiovisuais. Do disco supracitado aparecem Baile de Máscaras” e “Rosalía”, como novidade vem as inéditas “Poucas”, “Espaço” e “It’s Not Fair/Injusta”.



4) Glue Trip @ In The Spotlight

Em parceria com um aplicativo a Glue Trip (PB) lançou uma live sessions com 20 minutos de duração. O projeto reúne artistas de países como Brasil, Colômbia, Argentina e Peru e tem como intenção com que o público conheça as bandas do continente.

O material foi gravado no estúdio Toca do Cigano em maio de 2021 e por lá apresentaram as faixas “Waves”, “Time Lapses”, “Água de Jamaica” e “Elbow Pain”.



5) Jan @ Sessões Fauhaus

O músico carioca Jan (Santoro), conhecido pelo trabalho ao lado da banda Facção Caipira, participou do terceiro episódio das Sessões Fauhaus. Por lá apresentou o lado b do seu mais novo trabalho, o EP Quem Vai Dizer Que Quis Assim.



6) Dramón @ Sessões Fauhaus

O produtor carioca Renan Vasconcelos, que já apareceu por aqui algumas vezes, apresentou uma live session nas Sessões Fauhaus com o projeto experimental Dramón. Seu álbum de estreia Áspero foi lançado no fim de março via Sinewave Label.

Com direção de Anne Santoro, o material teve nas câmeras Sue-elie Andrade Dé Camila, Sánchez e Anne. Santoro também assina a edição e finalização. Já Eduardo Magliano assina a captação, mixagem e masterização.

Renan apresentou na session as faixas “Pelas Paredes da Memória”, “Inflexível”, “Insônia”, “Àspero” e “Descompasso”.


Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *