[Premiere] Marisa Brito lança clipe com imagens “perdidas no tempo”

A vida muitas vezes prega peças, daquelas que não conseguimos explicar. Alguns preferem chamar de acaso ou obra destino. Mas fato é que em algumas situações estas coincidências podem “calhar” e vir na “hora certa”. Foi assim com a cantora paraense Marisa Brito. Em 2004, Fernanda Brito Gaia, irmã de Marisa, registrou com o auxílio […]

Read more "[Premiere] Marisa Brito lança clipe com imagens “perdidas no tempo”"

Com carreira sólida no exterior, Name the Band lança o single “I Wonder”

Transpiração, vivência, contatos, boas maneiras, know-how e persistência. Fácil de falar e difícil de fazer. Isso serve de certa forma para tudo na vida. E talvez isso que muitas vezes separe o alcance e sucesso de bandas com uma proposta de som similar. Não adianta. Não estamos na era de rockstars mas nem por isso […]

Read more "Com carreira sólida no exterior, Name the Band lança o single “I Wonder”"

Com riffs potentes e reverberando nostalgia, Violet Soda passeia pelos anos 90 em “Here We Go Again”

Década vai, década vem e o rock de garagem nunca sai de moda. O estilo é mesmo atemporal, seja nos EUA, Japão, Brasil ou Inglaterra sempre iremos ver jovens testando acordes e distorções nos porões mundo afora. É esse espírito desordeiro que faz com que subgêneros acabem surgindo. Já tivemos o garage punk, o garage […]

Read more "Com riffs potentes e reverberando nostalgia, Violet Soda passeia pelos anos 90 em “Here We Go Again”"

Não era apenas uma Fita! Oxy rebobina memórias em disco de estreia

“Fita sincera ou fita gravada, fitagem cinematográfica. Fitas que se preparam para simular certo fato, para iludir os ingênuos, mó fita; ação para impressionar; mentira; cena fingida: Aquilo foi fita tua. Te fito, te humanizo. A fita que é laço, tape, ribbon, reverberada. Fitas de passagens, filmes que passam por nós e nos envolvem em […]

Read more "Não era apenas uma Fita! Oxy rebobina memórias em disco de estreia"

Entre a psicodelia e rituais xamânicos, Bike expande horizontes em seu terceiro disco

Não resenhei o último álbum do Bike. Não porque eu não tivesse gostado, nada disso. Mas porque queria ver eles ao vivo, não só uma vez, mas como algumas antes de ter qualquer tipo de parecer. Em um mundo de imediatismo, as vezes não damos tempo para obras crescerem dentro da gente. Escolhi esse caminho, […]

Read more "Entre a psicodelia e rituais xamânicos, Bike expande horizontes em seu terceiro disco"