Entre a psicodelia e rituais xamânicos, Bike expande horizontes em seu terceiro disco

Não resenhei o último álbum do Bike. Não porque eu não tivesse gostado, nada disso. Mas porque queria ver eles ao vivo, não só uma vez, mas como algumas antes de ter qualquer tipo de parecer. Em um mundo de imediatismo, as vezes não damos tempo para obras crescerem dentro da gente. Escolhi esse caminho, […]

Read more "Entre a psicodelia e rituais xamânicos, Bike expande horizontes em seu terceiro disco"