Daniel Furlan imprime sua assinatura em novo projeto musical, o Tropical Nada

 Daniel Furlan imprime sua assinatura em novo projeto musical, o Tropical Nada

Daniel Furlan – Foto Por: Raphael Teixeira

Ele é artista e tem que elogiar tudo que ele faz, mas porque tudo que ele faz é realmente bom. O ator, roteirista e cartunista Daniel Furlan está de volta ao meio musical com Tropical Nada, projeto que surgiu despretensiosamente na pandemia e se transformou em um álbum que será lançado nesta quinta-feira (19/1). Mais conhecido por ser uma das cabeças pensantes da TV Quase, que produz programas de sucesso como Choque de Cultura, Falha de Cobertura, Irmão do Jorel e O Último Programa do Mundo, Furlan já fez parte de uma banda, a Ócio, que acabou em 2018, e agora ressurge na música sob uma nova perspectiva, mas ainda imprimindo sua marca excêntrica e insubstituível.

Na pandemia, Daniel naturalmente começou a compor músicas em português – algo que ele nunca tinha feito até então – e em um dado momento, percebeu que tinha repertório para um disco. Na mesma época, Bento Abreu (baterista e produtor do álbum, junto com Furlan e Marcel Dadalto) contatou o artista falando que havia montado um estúdio. Assim, junto com Zé Ruivo nos teclados, o Tropical Nada começava a tomar forma.

O primeiro single, “Não vale nada” (ouça aqui), saiu no último dia 13 e é um hit involuntário. Soa como um daqueles desabafos seguidos de uma envergonhada autocrítica – algo que todos nós já vivenciamos. O clipe, que brinca com karaokê e estética retrô, nos remete, de certa forma, ao humor nonsense de Daniel Furlan característico de seus programas.


Daniel Furlan - Por Raphael Teixeira
Daniel FurlanFoto Por: Raphael Teixeira

O álbum de estreia do Nada Tropical

O álbum completo tem essa mesma pegada sarcástica que já conhecemos do Furlan, mas sem a pretensão de ser engraçado. Porém, nos diverte, já que por vezes aborda com uma metáfora própria sentimentos corriqueiros (como em “Beijo de Saliva”: E é tão doce que eu me sinto até mal / Tão fria igual quem já morreu) e é literal em situações pouco faladas (como em “Sexo Ruim”: Uau / Que sexo ruim / Uau / Pouca coisa é boa” ou em “Quem é meu pai”: Quem é seu pai? / tô pouco me fodendo / Quem é meu pai? / tô pouco me fodendo). 

Tropical Nada foi mixado por Eber Pinheiro e masterizado por Brian Lucey no Magic Garden Mastering, em Los Angeles, com lançamento pela Deck. O show de lançamento será no Studio SP na sexta-feira (20/1) às 23h, com os músicos convidados Alexandre Barcelos (guitarra base), Marcel Dadalto (moog), Bruno Serroni (violoncelo), Dani Moraes e Manu Abreu nos backing vocals, e participação especial de Rodrigo Lima (Dead Fish). A noite também vai contar com o DJ Julinho da Van (Leandro Ramos).

Em entrevista por e-mail, troquei uma ideia com Furlan sobre o nascimento do projeto, sobre o lugar do humor no seu ofício de músico, sobre o que gosta de ouvir, e o artista ainda chuta o que Renan de Almeida (seu personagem no Choque de Cultura) diria sobre o Tropical Nada! Confira:

Entrevista: Daniel Furlan sobre Tropical Nada

Como surgiu a ideia de montar a Tropical Nada?

Daniel Furlan: “Não foi bem uma ideia. Durante a pandemia eu comecei a escrever umas músicas em português que logo ficaram numa quantidade que renderia um álbum. E coincidentemente o Bento Abreu um dia me ligou dizendo que tava com um estúdio em casa e se eu não teria algumas músicas pra ele testar o estúdio. A gente então gravou juntos uma pré lá, que mostramos pro Rafael Ramos da Deck e ele animou de lançar.”

Foi a primeira vez que você compôs em português, né? Como foi? Mais fácil ou mais difícil que fazer música em inglês?

Daniel Furlan: “Bem mais difícil. Você tá o tempo todo caminhando ao lado de um precipício de soar muito mal.”

Sei que esse trabalho não é de humor, mas ouvindo o disco eu senti muitas vezes uma ironia, e outras vezes uma sinceridade tão crua de maneira que a gente não espera – coisa que, aliás, deixa a obra mais interessante -, e aí eu acabei achando graça em alguns momentos. Então, te pergunto: o quanto você acha que o seu lado humorista acaba afetando seu trabalho musical?

Daniel Furlan: “Eu não me preocupo com isso, ninguém é uma coisa só. Isso simplesmente não existe, a não ser que seja um personagem da Escolinha do Professor Raimundo.”


Daniel Furlan - TROPICAL NADA
Tropical Nada

O que Tropical Nada tem de diferente ou de semelhante da Ócio, sua antiga banda?

Daniel Furlan: “De diferente as letras em português, e acho que é menos rock, menos guitarrudo. De semelhante tem eu. :))”

E a Tropical Nada, tem algo da Overdose (Banda protagonista da série da MTV de mesmo nome em que Furlan interpretava um dos músicos)?

Daniel Furlan: “Haha infelizmente não existem registros do som da Overdose e eu gosto assim, do Arnaldo Branco (criador da série) ter deixado totalmente em aberto como seria o som dessa banda. Provavelmente seria bem ruim.”

Falando sério agora: Vi no Provoca que você gosta de Viagra Boys e Amyl and the Sniffers. O que mais você gosta de ouvir?

Daniel Furlan: “Uau, essa pergunta é muito longa, mas posso tentar olhar a playlist aqui e catar o que têm brilhado os olhinhos mais… Courtney Barnett, Pulled Apart by Horses, Dakh Daughters, Rino Gaetano, Elza Soares, Shocking Blue, The Kills, Sergio Sampaio, Les Rita Mitsouko…”

Pra finalizar: Qual você acha que seria a opinião do Renan do Choque de Cultura sobre Tropical Nada?

Daniel Furlan: “Confuso.”



SERVIÇO

Show: Daniel Furlan – LANÇAMENTO “TROPICAL NADA” | Local: STUDIO SP
Data: 20/01/2023.
Abertura da casa: 22h
Horário do show: 23h

Preço:
Lote 1: R$40
Lote 2: R$50

Ingressos: https://www.eventim.com.br/artist/daniel-furlan/

Endereço: Rua Augusta, 591, Consolação, São Paulo (SP) – studiospaugusta.com
Classificação: 18 anos – Menores de 18 anos podem entrar apenas acompanhados dos pais ou responsável legal.

Ananda Zambi

Mestranda em Comunicação, apresentadora do Ananda Entrevista, assessora de imprensa e cantautora. Também colabora com o site Scream & Yell.

Related post

error: O conteúdo está protegido!!