Conexão Latina II: Compilado de músicas que enaltecem a cultura latino-americana 

 Conexão Latina II: Compilado de músicas que enaltecem a cultura latino-americana 

O jornalista Leonardo Vinhas lança a coletânea “Conexão Latina II” via selo Scream & Yell

Há 10 anos, completados neste mês de Novembro, nascia no site Scream & Yell a coluna “Conexão Latina” (Leia), impulsionada por um enorme desejo – como o mesmo nome anuncia – de conectar esses pequenos universos espalhados geograficamente, e que de alguma forma se relacionam entre si por suas características culturais e históricas. Desejo esse que nasce muito antes do surgimento da coluna, sustentado pelo nato interesse do jornalista Leonardo Vinhas à cultura latino-americana, e a partir daí, possibilitar uma série de materiais, entrevistas, resenhas, discos, frutos dessa paixão inexplicável por essa mescla tão abundante de culturas. 

Conexão Latina II (Scream & Yell, 2021)

Como comemoração desses 10 anos de história, Leonardo lança através do selo Scream&Yell o “Conexão Latina II” (a primeira edição você pode conferir aqui), incrível coletânea que mais se assemelha à uma obra homogênea, que se dá pela impressionante inter-relação e harmonia sonora que acontece entre cada música e cada artista escolhido.

O resultado é uma viagem prazerosa de aproximadamente 50 minutos entre diversos lugares, momentos, histórias e estilos, com a participação de nomes conceituados como os argentinos do Bestia Bebé, bandas promissoras da nova safra como os uruguaios Los Nuevos Creyentes, e ainda bandas que brindam sua primeira gravação especialmente para a coletânea, como é o caso dos também uruguaios do Balneario

Conceitualmente, o disco aparece como uma peça de jornalismo musical, e traz a tona esse sentido de união latino americana – a qual nós brasileiros muitas vezes nos esquecemos – marcada por uma história de exploração e reconstrução de identidade, e ao mesmo tempo reafirmada por um constante resgate de nossas antigas raízes. 


Conexão Latina II coletânea Capa


Entrevista: Leonardo Vinhas

Tivemos o prazer de conversar um pouco com o Leonardo Vinhas e escutar o que ele tem pra nos contar, afinal esta coluna de certa forma, busca inspiração em vanguardistas pesquisadores como ele, que valorizam a nossa história e buscam contá-la de diversas formas.  

O que queria te perguntar de primeira é de onde surgiu essa conexão sua com a música da América Latina que te inspirou a criar a coluna, e como você vê a relação do Brasil com os outros países latino-americanos hoje em dia…

Leonardo Vinhas: “Eu sempre tive um interesse inexplicável pela música cantada em espanhol. Quando eu era adolescente, no começo dos anos 90, ficava felizaço cada vez que conseguia ouvir uma banda latina fosse pela MTV ou pelos cassetes de alguns amigos. Em 2005, fui morar em Foz do Iguaçu, e nessa era de internet ainda incipiente, a mudança geográfica facilitou demais meu acesso à revistas de músicas argentinas, como a Rolling Stone local, a La Mano ou a Soy Rock. Isso, mais a facilidade de comprar discos e de escutar coisas na rádio, foi ampliando meus horizontes, e o mais legal é que essa música me chegava totalmente sem preconceitos. Eu não sabia quem era “cool”, quem era “queima-filme”, não tinha nenhum desses vícios. Era um universo musical inteiro, que podia deixar a música falar por si só!

Dez anos depois, inspirado por algumas mudanças pessoais e pelos projetos fonográficos do jornalista e produtor Jorge Wagner – que organizou os tributos ao Belchior e ao Raça Negra – decidi eu também produzir um disco que pudesse apresentar um pouco da música da região aos brasileiros. E foi assim que surgiu o disco “Somos Todos Latinos“, em que artistas brasileiros regravavam canções de Luis Alberto Spinetta, Aterciopelados, El Mató a Un Policia Motorizado e outros nomes do cancioneiro latino-americano.

Antes disso, já tinha começado a fazer matérias sobre a cena de países como Argentina, México, Uruguai e Colômbia – todas para o Scream&Yell – e em 2011 transformei isso numa coluna, a Conexão Latina, que segue ativa até hoje.

Sobre a relação do Brasil com outros países latino-americanos, acho que melhorou bastante. Ainda falta um longo caminho até termos uma integração plena, ou ao menos mais disseminada, como já tivemos nos anos 40 e 50. Mas a internet e os festivais de médio porte ajudaram a criar pequenas, mas importantes pontes, nessa relação. Hoje, artistas como Bomba Estéreo, El Mató a Un Policia Motorizado e Buenos Muchachos podem vir para o Brasil e tocar para públicos de mil pessoas ou mais. Do nosso lado, temos artistas como Francisco, El Hombre e mesmo o Paullinho Moska fazendo parcerias com artistas latino-americanos e tendo boa resposta do público, isso para não falar de nomes como Academia da Berlinda, The Raulis e outros, que têm vários elementos latinos no som. É pouco diante do nosso potencial, mas já andamos bastante nos últimos anos.”

Falando sobre o Conexão Latina II, como foi o processo de seleção das bandas? Vi que tem algumas bandas bem conhecidas e outras bem emergentes, e que juntas formam uma harmonia bastante interessante.

Leonardo Vinhas: “O Conexão Latina I, lançado em 2018, foi meio que um apanhado de algumas bandas que foram destaque na coluna e procurava criar pontes, unindo artistas brasileiros aos de outros países. Esse já teve uma ideia diferente: a proposta era funcionar como uma peça de jornalismo musical.

Acho que todas as pessoas que trabalham com texto há alguns anos (no meu caso, mais de 20 anos) se perguntam sobre qual é a validade de se dedicar à palavra escrita em um mundo onde ninguém lê. Eu penso nisso com frequência. Então achei que o disco podia ser uma maneira de apresentar novas sonoridades a pessoas que talvez não se interessem por ler mais sobre, mas que sejam fisgadas pela música. E aí entrou um trabalho de jornalismo musical mesmo, de mexer no baú de músicos mais estabelecidos e convidar os mais novos a também contribuírem com algo.

Os uruguaios do Balneario fizeram sua primeira gravação para essa coletânea, e eu só conheci a banda porque fui para o Uruguai algumas vezes e conversei com muitas pessoas de lá, que me apresentaram muitos sons novos. A Cavito Mendoza, da Colômbia, só me chegou pela minha rede de contatos feitas ao longo dos anos, em festivais e feiras. Já outros como Edu Schmidt e Santiago Moraes são, para ser honesto, heróis musicais, e eu ainda fico besta de pensar que tem faixas inéditas deles num projeto que eu produzi. Quero pensar que juntar todo mundo no mesmo disco elimina hierarquias e possíveis preconceitos para um novo ouvinte, que vai ouvir a música pelo que ela é – como foi minha experiência pessoal com muito da música latino-americana.”


Conexão Latina II coletânea Scream & Yell


Queria perguntar, para você, o que nos une enquanto latinos? Qual a conexão que temos?

Leonardo Vinhas: “Essa é uma ótima pergunta. Em termos de linguagem, o francês e o italiano também têm raízes latinas, mas acredito que existe uma latinidade muito específica nas Américas, e ela tem a ver com o fato de sermos todos países que foram violentados pelos colonizadores europeus, e que precisaram reconstruir sua identidade ao longo dos séculos, assimilando as inevitáveis mudanças que vieram com os invasores e com o tempo, mas também resgatando muito de sua identidade ancestral.

Dentro desse contexto, o “latino” tem esse espírito de mestiçagem, de sobrevivência tanto pela adaptação como pela resistência. E tem também um conflito constante entre prazer e culpa, entre a expansão e a introversão. Penso que é especialmente a esse contexto que me refiro quando falo em “latino” enquanto identidade. Claro, sabemos que tem muita gente por aqui – e não só no Brasil – que gosta de se “europeizar”. Mas isso é outro papo…

A Coletânea Conexão Latina II

VOCÊ PODE FAZER O DOWNLOAD GRATUITO DO CONEXÃO LATINA II AQUI OU ENTÃO ESCUTÁ-LO NA SUA PLATAFORMA FAVORITA (YOUTUBE MUSIC , SPOTIFY, DEEZER). 

Tracklist Conexão Latina II

01. Acorazado Potemkin – “Desayuno”
02. Bestia Bebé – “El Fin del Mundo (Otra Vez)”
03. normA – “Mirando por la Ventana mientras Caen los Copos, Pienso”
04. Cavito Mendoza – “Todo Va a Estar Bien”
05. Balneario – “Costa Occidental”
06. Santiago Moraes – “Un Canto para Mamá”
07. Los Nin – “Montserrat”
08. Edu Schmidt – “Soy el Pájaro Sin Alas”
09. Películas Geniales feat. AJ Dávila – “Alegría”
10. The Amixers – “Femme Fatale”
11. Lucía Severino – “Pecho (Remix)”
12. Iván y Los Terribles feat. Tussi Dematteis – “Baltasar”
13. Los Nuevos Creyentes – “Mateo 4:20”
14. La Pequeña Revancha – “Razones para Cantar”

Ficha Técnica

CONEXÃO LATINA II
Produção executiva e curadoria: Leonardo Vinhas
Masterização: Gustavo Halfeld, no estúdio casacájá (Brasília – DF)
Capa: Pedro Bopp
Distribuição digital: Tratore
Lançamento: selo Scream&Yell
Agradecimentos: Gustavo Halfeld, Pedro Bopp, Pablo Hierro, Nicolás Molina, Cecy Díaz, Kristel Latecki, Renzo Lobato, Mauro Correa, Andrés Correa, Hernán Halak, e todos os músicos envolvidos nesse disco.
Deixamos também a quem possa interessar dois outros trabalhos produzidos por Leonardo Vinhas e que merecem a menção. “Somos Todos Latinos”, compilado de músicas de países hispanohablantes cantadas por músicos brasileiros. “Brasil También Es Latino” compilado de canções brasileiras interpretadas por músicos de países hispanohablantes.


CONEXÃO LATINA II ABERTA

Marina Cananda

Atriz e produtora cultural. Criadora da Radio Color, que nasceu para descobrir e fomentar o que há na música independente da América Latina.

Related post

error: O conteúdo está protegido!!