Categories: Premiere

Chico Chico e João Mantuano passeiam por diferentes frequências em álbum em parceria

No ano passado Chico Chico lançou o álbum Onde? em parceria com Fran e apesar do filho de Cássia Eller ter lançado em 2015 seu primeiro disco de estúdio, 2×0 Vargem Alta, foi a primeira oportunidade de ouvir o trabalho do músico. Nesta sexta-feira (26/02) carioca Francisco Ribeiro Eller (Chico Chico) junto ao conterrâneo e amigo de longa data João Mantuano lança um novo disco via Toca Discos.

Com produção de Felipe Rodarte e mixagem Raphael Dieguez, o álbum foi gravado no Estúdio Toca do Bandido (Rio de Janeiro) e conta com 12 faixa, algumas já disponibilizadas previamente.

“Esse é o resultado de três anos de trabalho numa banda que acumula quase 20 anos de amizade e um pouco mais do que isso de vivência em nossas individualidades urbanas. Por vezes doce, quase sempre ácida. Esse disco é sobre isso”, conta Chico Chico



Chico Chico e João Mantuano

O disco é um grande deleite para quem gosta de uma produção encorpada e que permite com que a cada audição nos atenhamos a um detalhe ou camada do instrumental.

Basta ver como consegue ir do blues, passando pela percussão do axé, ao funk com facilidade, sem deixar de lado a MPB, arranjos delicados, teatralidade e a poesia de lado. Por muitas horas ele empolga justamente por isso, por conta das possibilidades e campos que abre. Tem swing, tem introspecção, paisagem, cores e fúria.

A gama é tão vasta que exige do ouvinte uma atenção redobrada ao mesmo tempo que traz narrativas isoladas a cada faixa. Não é nada careta. Tem espaço para as teclas, notas altas, groove de baixo pegado, percussão versátil.

Os sentimentos também acabam à flor da pele, indo do lado mais intimista, passando pela tensão a euforia. Já a mixagem usa e abusa das camadas e desta forma consegue seu principal objetivo: trazer sensações para a experiência. Sua narrativa traz várias referências de paisagens e da música – e poesia – carioca contemporânea.

É aquele disco que sabe ser técnico e agradar a crítica ao mesmo tempo que é pop – e permite uma série de possibilidades de novos arranjos no momento que for executado ao vivo. Ou seja uma caixinha de chocolates pronta para apreciar.

A ressalva que fica é que o álbum poderia ser mais curto. O registro começa explosivo mas na parte final parece perder um pouco o gás.

Recomendado ouvir com bons fones de ouvido para não perder nenhum detalhe.


Rafael Chioccarello

Editor do Hits Perdidos, organizador dos Tributos aos Titãs, Pato Fu e Autoramas. Parceiro da Mutante Radio, Spotify e Curador do UDIGRUDI, programa de videoclipes da Play TV. Nas horas vagas pesquisa sobre música e tenta assistir a maior quantidade possível de shows. Siga o Hits no Instagram: @hitsperdidos

Recent Posts

Terno Rei vai do Inferno ao Paraíso no clipe para “Medo”

Que o Terno Rei tem planos de lançar os primeiros singles do sucessor de Violeta,…

27 de julho de 2021

No clima das Olimpíadas 2021: Conheça artistas do cenário musical de Tóquio

Com a chegada das Olimpíadas 2021 o mundo volta os olhos para Tóquio onde durante…

26 de julho de 2021

Músico faz medley bem humorado para clássicos do emo dos anos 2000

O músico e Youtuber fez uma paródia para clássicos do emo dos anos 2000 Acidentalmente cai…

23 de julho de 2021

Audições da Lôca #7 tem Mayí, Malcolm VL, Billy Brandão, WRY, Sidarta Riani, EDFO, Camila Menezes e Chico Algo

Audições da Lôca #7: Mayí, Malcolm VL, Billy Brandão, WRY, Sidarta Riani, EDFO, Camila Menezes…

23 de julho de 2021

Clássicos Perdidos: “Fluent In Stroll”, o álbum que reinventou o som do Big D & the Kids Table

Parece que foi ontem mas lá se vão 12 anos desde que o Big D…

22 de julho de 2021

Jornalismo Cultural, algoritmo, TikTok e o Pós-Pandemia

O Futuro do Jornalismo Cultural no Pós-Pandemia Há tempos existe uma discussão (silenciosa) pairando no…

21 de julho de 2021

Este site utiliza cookies para melhor personalização para você.