Categories: Premiere

Chico Chico e João Mantuano passeiam por diferentes frequências em álbum em parceria

No ano passado Chico Chico lançou o álbum Onde? em parceria com Fran e apesar do filho de Cássia Eller ter lançado em 2015 seu primeiro disco de estúdio, 2×0 Vargem Alta, foi a primeira oportunidade de ouvir o trabalho do músico. Nesta sexta-feira (26/02) carioca Francisco Ribeiro Eller (Chico Chico) junto ao conterrâneo e amigo de longa data João Mantuano lança um novo disco via Toca Discos.

Com produção de Felipe Rodarte e mixagem Raphael Dieguez, o álbum foi gravado no Estúdio Toca do Bandido (Rio de Janeiro) e conta com 12 faixa, algumas já disponibilizadas previamente.

“Esse é o resultado de três anos de trabalho numa banda que acumula quase 20 anos de amizade e um pouco mais do que isso de vivência em nossas individualidades urbanas. Por vezes doce, quase sempre ácida. Esse disco é sobre isso”, conta Chico Chico



Chico Chico e João Mantuano

O disco é um grande deleite para quem gosta de uma produção encorpada e que permite com que a cada audição nos atenhamos a um detalhe ou camada do instrumental.

Basta ver como consegue ir do blues, passando pela percussão do axé, ao funk com facilidade, sem deixar de lado a MPB, arranjos delicados, teatralidade e a poesia de lado. Por muitas horas ele empolga justamente por isso, por conta das possibilidades e campos que abre. Tem swing, tem introspecção, paisagem, cores e fúria.

A gama é tão vasta que exige do ouvinte uma atenção redobrada ao mesmo tempo que traz narrativas isoladas a cada faixa. Não é nada careta. Tem espaço para as teclas, notas altas, groove de baixo pegado, percussão versátil.

Os sentimentos também acabam à flor da pele, indo do lado mais intimista, passando pela tensão a euforia. Já a mixagem usa e abusa das camadas e desta forma consegue seu principal objetivo: trazer sensações para a experiência. Sua narrativa traz várias referências de paisagens e da música – e poesia – carioca contemporânea.

É aquele disco que sabe ser técnico e agradar a crítica ao mesmo tempo que é pop – e permite uma série de possibilidades de novos arranjos no momento que for executado ao vivo. Ou seja uma caixinha de chocolates pronta para apreciar.

A ressalva que fica é que o álbum poderia ser mais curto. O registro começa explosivo mas na parte final parece perder um pouco o gás.

Recomendado ouvir com bons fones de ouvido para não perder nenhum detalhe.


This post was published on 26 de fevereiro de 2021 12:32 am

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Festival MADA 2022 leva a Natal Mayra Andrade, Emicida, BayanaSystem, Linn da Quebrada, Boogarins e mais; garanta seu ingresso

O Festival MADA 2022 acontece nesta sexta-feira (23/09) e sábado (24/09) ocupando a Arena das…

21 de setembro de 2022

Com críticas a distopia brasileira, Planet Hemp lança single e clipe com Criolo

Explosão, confusão, crítica social afiada e linha de frente. A volta do Planet Hemp não…

20 de setembro de 2022

Vazamento revela possibilidade de não haver músicas brasileiras no FIFA 23

No dia 30 de agosto, alguns jogadores que adquiriram FIFA 23 puderam acessar a versão…

20 de setembro de 2022

Valentin lança “A Cidade” e conta com exclusividade os bastidores de suas turnês pelo país

O músico gaúcho Érico Junqueira, mais conhecido como Valentin, lançou recentemente seu quarto álbum de…

16 de setembro de 2022

Duda Beat, Tagua Tagua e Joana Marte + Anna Suav entram no line-up do 17º Festival Se Rasgum

17º Festival Se Rasgum confirma três novas atrações Marcado para os dias 11 e 12…

16 de setembro de 2022

Revirando o lixo do “Ink Trash”: artista cria capas de jogos e músicas com estética trash

Visitar o perfil do Ultimate Ink Trash no Instagram dá uma certa sensação de nostalgia.…

14 de setembro de 2022

This website uses cookies.