O Artista norueguês Sturle Dagsland se apresentou no Brasil em 2019, durante a última edição presencial da SIM São Paulo e surpreendeu a todos com sua performance estrondosa, cheia de força e de sonoridade provocadora. O artista realizou dois shows, um no CCSP (um atropelo de apenas 15 minutos, dentro dos showcases da SIM, tem um trecho do show no final da entrevista) e outro no Cine Joia, na festa da Balaclava Records, causando furor, uma certa surpresa e deixando muita gente intrigada com aquela voz e aquela performance avassaladora!! Dono de uma voz única, o próprio Sturle é também um artista único, que nos apresenta as vocalizações mais absurdas, nos deixando boquiabertos com a força de sua interpretação e a delicadeza de suas composições.

O Estilo de Sturle Dagsland

Com influências de música contemporânea a melodias ancestrais do seu país natal, com incursão de elementos eletrônicos, guitarras post rock, indie, percussão e muito psicodelismo, Sturle Dagsland é uma joia rara no cenário musical mundial. Björk, Sunn O))), Swans e Sígur Ros com respectivos experimentos e misturas, ajudam a referenciar o trabalho incomparável e minucioso dos noruegueses.

Diferentes vocalizações e o uso de instrumentos típicos de diversas partes do mundo, especialmente da música tradicional da Noruega, moldam a proposta de Sturle, que toca ao lado do irmão, Sjur. Ele canta em diversos momentos com a garganta, produzindo um som absolutamente único, enigmático, primal, com uma aveludada rusticidade.

Sturle Dagsland Sturle Dagsland (2021)

Ele lançou seu primeiro álbum completo na sexta-feira (05/2), mas desde o final de 2020, o artista vem antecipando alguns singles nas plataformas digitais. Cinco músicas que estão no álbum foram lançadas antes: a inquietante viagem onírica de “Kusanagi” (que ganhou vídeo super psicodélico, desenhando pelo premiado artista plástico Eirik Heggen),  “Harajuku” (que foi inspirada no famoso bairro de Tokyo), “Waif” (que contém vocalizações únicas), “Dreaming” (que vai da leveza à ferocidade) e “Blót”, que foi lançada ontem.

O artista tem uma turnê imensa para promover o álbum marcada para Maio/Junho, dividindo estrada com os artistas Oranssi Pazuzu (da Finlândia) e Deafkids (do Brasil). Ainda não é certo que a turnê realmente aconteça, por conta dos bloqueios territoriais em diversos países europeus devido ao avanço da segunda onda do COVID-19 (o artista fala disso na entrevista).


sturle dagsland (noruega) -oranssi-deafkids-poster-tour


Entrevista: Sturle Dadsland

Para conhecer um pouco mais sobre o artista, entrevistamos o Sturle Dagsland, que conta tudo sobre o seu primeiro álbum, as coisas que conheceu e gostou no Brasil, e também sobre suas heranças nórdicas e seu amor pela Noruega, suas inspirações e influências, como cria suas músicas e todo o seu processo criativo repleto de estranheza, crueza, delicadeza e assombro.

Sturle Dagsland é um artista único, e seu primeiro álbum apresenta o artista de forma brutalmente encantadora, aproveitem essa entrevista maravilhosa que o artista nos concedeu, diretamente de sua casa em Oslo.

Para quem nunca ouviu falar de você, diga-nos quem é Sturle Dagsland e que música você faz. O que as pessoas podem encontrar ao ouvir sua música?

Sturle Dagsland: “Meu nome é Sturle Dagsland e sou um artista da Noruega. Normalmente, trabalho com música o dia todo, todos os dias, intercalado com algumas viagens para realizar escalada, andar de patins, brincar de ioiô e realizar aventuras. Sempre adorei explorar meus sonhos e criatividade de várias maneiras diferentes. Eu adorava escrever histórias, atuar, fazer filmes, cantar, tocar, etc. Depois de um tempo, a música parecia a plataforma mais excitante e vital para eu me expressar e continuar a explorar minha criatividade.

Eu cantava ópera com força total todos os dias quando voltava da escola para casa e quando tinha 10 anos, ganhei um concurso de talentos interpretando “Barbie Girl” (da Aqua) de minissaia e sutiã de minha mãe cheio de doces enquanto eu estava cantando, dançando e simulando sexo com uma boneca feita por mim.

Ao mesmo tempo, meu irmão e futuro companheiro de banda Sjur fez muitos robôs e invenções maravilhosas com o lixo que encontrou em containers nos subúrbios, o que o levou a desafiar a mesma energia criativa para a música e depois de um tempo, começamos a fazer música juntos.”

Quais são suas expectativas para o primeiro álbum? Como você acha que as pessoas receberão seu trabalho?

Sturle Dagsland: “Estou ansioso para lançar o álbum. Nossa música geralmente cria um amplo espectro de sentimentos e emoções entre nossos ouvintes e algumas das experiências mais gratificantes que tive foram quando você ouviu o quanto minha música pode significar para algumas pessoas.

Depois de um show na Alemanha, conhecemos um cara que não usava nada além de turbante e cuecas feitas em casa. Ele nos disse que depois de nosso último show, sua vida mudou completamente para melhor. “OLHE PARA MIM AGORA!” – gritou ele apontando para a cueca feita em casa. “ISSO É POR VOCÊ!” – gritou empolgado antes de se recompor e dizer em voz sombria “Obrigado”. Esperançosamente, receberemos a mesma reação na próxima vez que visitarmos o Brasil, e quando as pessoas ouvirem nosso álbum!”

Ouvimos o álbum, é um trabalho extraordinário, a maneira como foi construído faz com que o ouvinte embarque em uma jornada onírica por diferentes ambientes sonoros. Para quem ainda não conhece seu trabalho, como você descreveria o álbum?

Sturle Dagsland: “Muito obrigado, que bom que gostou. O álbum é expressivo, dinâmico, progressivo e aventureiro. Usamos uma grande variedade de instrumentos de todo o mundo misturados com eletrônica, paisagens sonoras modernas, música pop e muitas técnicas vocais diferentes.

A maior parte do álbum foi gravada em nosso estúdio em Stavanger, Noruega, mas estamos sempre procurando por diferentes lugares auditivos únicos ao redor do mundo para gravar nossa música. Durante nosso tempo em uma vila de cães de trenó na Groenlândia, nós formamos um coro com todos os 150 cães de trenó.

Eu estava uivando, cantando, gritando e cantando guturalmente com cães husky durante a sessão de gravação que alcancei quase um status de alfa na matilha – quando parei de cantar – eles pararam. Eu era o maestro e eles eram a minha orquestra. As gravações foram feitas durante uma perigosa tempestade de neve e todos os sentidos realmente entraram em ação, tanto meus quanto os dos cães.”


Sturle Dagsland na Neve


Vocês lançaram 05 singles para divulgar o álbum, como foi a recepção do público? Você acha que eles ficaram animados com o álbum completo?

Sturle Dagsland: “Temos tido muitas reações boas até agora, e eu realmente espero que as pessoas gostem de ouvir o álbum completo. É estranho não saber quando seremos capazes de fazer uma turnê de lançamento, mas c’est la vie.”

Conte-nos sobre a colaboração do brilhante artista Eirik Heggen no vídeo do primeiro single “Kusanagi”. Como funciona essa relação entre vocês?

Sturle Dagsland: “Conheço Eirik desde os 13 anos e nós saltamos sobre um smoothie de mirtilo, e desde então temos sido grandes amigos e agora ele se tornou um animador premiado.

Os temas e o estilo visual dos filmes de Heggen se inspiram em contos populares, surrealismo e arte antiga de todo o mundo. Ele tem um estilo muito distinto e uma imagem visual muito rica que o tornou um colaborador perfeito em “Kusanagi”. Eu tinha algumas idéias para o que queria, mas ele expandiu e evoluiu para algo totalmente diferente.

Assistir ao filme agora é como espreitar a brecha de um mundo de fantasia maravilhoso cheio de centenas de criaturas únicas e estou muito feliz com os resultados.”



A música Sturle Dagsland lida com tantos elementos, tantas texturas. Como você organiza tantas ideias para criar e produzir músicas? Você tem um processo para fazer isso?

Sturle Dagsland: “Nunca tivemos, e nem estamos buscando, um tipo particular de processo criativo para funcionar como um modelo final ou ponto de partida para a criação de nossa música.

Às vezes podemos ter uma ideia do que queremos alcançar de antemão, por exemplo, uma parte em um instrumento, uma visão de uma paisagem sonora ou memórias borradas de um sonho anterior, outras vezes é apenas até cada momento específico e certo humor do dia para decidir qual criação musical (ou farsa) resultará de um dia de trabalho. Pode acontecer de qualquer maneira.

Freqüentemente, brincar com alguns de nossos instrumentos é um bom ponto de partida, e talvez com uma abordagem pouco ortodoxa. Em nosso estúdio, temos um arsenal de diferentes microfones e equipamentos (vintage e modernos), bem como instrumentos disponíveis que coletamos ao longo dos anos de turnê, então há muitas opções e caminhos diferentes para criar música para nós também quando estamos no estúdio ou em viagens de gravação.”


sturle dagsland making music with partner in Norway


Sua música é muito expressiva e atinge diferentes sentimentos e emoções a cada escuta. Você pensa em cenas ou cenários, quer dizer, lugares reais ou imaginários, para cada criação?

Sturle Dagsland: “Fazer música é uma fórmula multifacetada e flexível e, da maneira como você a cozinha, os ingredientes que você coloca podem variar de uma música para outra. Algumas das músicas são inspiradas na mitologia, como “Kusanagi”, “Noaidi” e “Blot”, enquanto “Harajuku” tem o nome de um distrito em Tóquio e “Hulter Smulter” surgiu após um encontro com um gato amigável, então é diferente de música para música.”

E como sua terra natal, a Noruega, impacta e significou sua música?

Sturle Dagsland: “A inspiração pode vir de qualquer lugar, tanto da música, natureza, sonhos, arte, vida, diferentes culturas, animais e do subconsciente, mas algumas das canções definitivamente têm alguma influência da Noruega. Uma das canções do álbum – “Blot” – leva o nome de um termo para um ritual de sacrifício de sangue no paganismo nórdico envolvendo porcos, cavalos e, ocasionalmente, humanos para honrar os deuses nórdicos, enquanto a última música do álbum “Noaidi” leva o nome do Xamã do povo Sami.

O povo Sami é o povo indígena do norte da Europa e temos raízes Sami maternas. O Noaidi é um comunicador com o mundo espiritual e com seu tambor ele poderia viajar e trazer uma pessoa que estava presa em outro reino de volta ao nosso mundo.

Existe uma rica herança musical na Noruega e alguns dos diferentes tipos de tradições da música popular são realmente maravilhosos. Eu também uso algumas brincadeiras em algumas das canções (as técnicas vocais tradicionais de Sami).”


Sturle Dagsland and Partner


Quais são as suas memórias do Brasil, quando você visitou nosso país anos atrás? Você considera colocar algum elemento da música brasileira em sua música algum dia?

Sturle Dagsland: “A resposta durante e após os shows em Dezembro de 2019 foi incrível. Em nossa experiência, o público foi extremamente entusiasmado, amigável e de mente aberta, que é exatamente o que eu esperava que fosse. Também conheci um macaco durante uma caminhada, bebi leite de coco e fiz novos amigos, então não poderia pedir um primeiro passeio melhor no Brasil.

Principalmente os taxistas de São Paulo eram muito amigáveis. Para fazer amigos, bastava dizer “olá” e falar de alguns antigos futebolistas brasileiros. “Hola. Roberto Carlos, Ronaldo, Rivaldo” e então nos tornamos amigos instantâneos e recebemos recomendações não solicitadas sobre Samba, Saideira e mulheres brasileiras. Meu irmão Sjur também comprou 25 kg de grãos de café brasileiro que trouxe para a Noruega. Tenho cerca de 10-20 flautas latino-americanas diferentes, como Quena, Apito da Morte Asteca, Flautas Pan, Flautas Tarka, flautas Woodland, etc., mas o único instrumento brasileiro que tenho é a cuíca.

Não estou muito familiarizado com a música brasileira, mas gosto muito dos elementos percussivos da música brasileira, então é possível que eu comece a usar isso no futuro. Seria ótimo poder trabalhar com alguns dos povos indígenas do Brasil no futuro.”



Você terá um novo álbum em suas mãos e, claro, pode estar ansioso para mostrá-lo no palco. Então, você fará uma turnê, onde? Mas … você acha que isso seria possível em 2021?

Sturle Dagsland: “Estávamos planejando fazer uma extensa turnê mundial após o lançamento do nosso álbum, mas isso não parece bom agora … Tive cerca de 80 shows cancelados no ano passado e os cancelamentos continuam aumentando. Faremos nossos primeiros shows em muito tempo na Noruega em breve, então estamos realmente ansiosos para nos apresentar novamente.

Eu espero ser capaz de realizar tournês fora da Noruega no final do verão / início do outono, mas quem sabe eu posso estar sendo muito otimista. Também estamos planejando uma turnê na América Latina no momento para o próximo ano, então estamos realmente ansiosos por isso.”

Ouça o Debut Sturle Dagsland

O álbum já está disponível em todas as plataformas digitais, mas nós facilitamos e deixamos aqui os caminhos para ouvir esse álbum.