Confira os melhores clipes independentes lançados em junho | 2020 em seleção especial feita pelo Hits Perdidos!

Melhores Clipes Independentes 2020

As listas de melhores clipes independentes 2020 estão a todo vapor no Hits Perdidos. Você já conhece e acompanha por aqui elas todo mês e damos o pontapé inicial pelo quarto ano consecutivo.

Para quem é novo por aqui seja bem-vindo e acompanhe o Hits pelas redes sociais (temos InstagramFacebookSpotify…).

2017 foi marcado pelo grande sucesso dos listões de melhores clipes independentes que até deram origem a um estudo super detalhado sobre a produção audiovisual do independente brasileiro.

Em 2018 veio a parceria com o UDIGRUDI da Play TV onde escolhemos os mais legais para passar na programação aos domingos.

Listas de Melhores Clipes Independentes

⦿ Janeiro
⦿ Fevereiro
⦿ Março
⦿ Abril
⦿ Maio

Udigrudi na TV WA

Em 2020 continuamos a parceria com o programa Udigrudi, atualmente na TV WA, onde o Hits Perdidos seleciona alguns clipes para aparecer por lá.

Inclusive fizemos um guia completo de “Como fazer para seu clipe aparecer na TV?“.

Vários clipes dos listões já tem aparecido na programação. Lembrando que o programa costuma ir ao ar aos domingos às 20:30h.

Os Melhores Clipes Independentes lançados em Junho | 2020

Neste mês de Julho trarei os melhores que saíram no último mês e que merecem destaque. Claro que o listão continua democrático e no fim você encontrará uma playlist no youtube –  e Spotify – com os 127 coletados ao longo do mês.

A produção independente cresce a cada dia que passa e o investimento na divulgação também. Em uma geração em que poucos escutam um disco do começo ao fim, o artifício dos web clipes tem sido uma boa maneira de expor seus trabalhos.

E estes são feitos de todas formas, com alto ou baixo custo de produção. Com ideias mais certinhas a criativas. No fim das contas o que interessa é eternizar aquele momento e expor seu trabalho com a estética que mais convém atrelar a imagem da banda.

Os “Scouts” dos clipes independentes lançados em Junho

Em Junho inúmeras bandas começaram a divulgar seus curtas promovendo singles antigos ou que estarão presentes em seus futuros álbuns ou EP’s.

Reunimos 127 clipes lançados neste mês que mostram alguns dos novos talentos da música independente brasileira.

O que impressiona é termos uma média de 4,23 clipes sendo lançados no independente por dia. Na lista temos 124 artistas de 14 estados.

OS SELECIONADOS TAMBÉM FAZEM PARTE DA PLAYLIST CRIADA ESPECIALMENTE PELO HITS PERDIDOS PARA ETERNIZAR OS VÍDEOS LANÇADOS NESTE MÊS DE JUNHO. ALIÁS NÃO DEIXE DE SEGUIR O PERFIL DO HITS NO SPOTIFY!

1 Jup do Bairro “Transgressão”



Um dos videoclipes mais fantásticos tanto na mensagem, como na interpretação, como também pela narrativa do mês é o de “Transgressão” da Jup do Bairro. É até difícil não se emocionar assistindo. O vídeo traz uma estética futurista e usa da metáfora da borboleta presente na canção para alçar voo.

Em entrevista para a revista Rolling Stone Jup do Bairro comenta sobre a estética futurista e o desenvolvimento da produção audiovisual em meio a Quarentena.

“A princípio, [essa] não seria minha primeira execução. Eu queria que esses clipes fossem captados pessoalmente. A gente já tinha levantado um roteiro e tudo mais, mas, por conta do isolamento, tivemos que nos readaptar, então foi quando eu logo pensei no 3D. E aí, [eu] já conhecia o trabalho do Rodrigo de Carvalho [diretor e roteirista], que é um artista incrível que já trabalhou com nomes como a Pabllo Vittar, Mc Tha e Jaloo.”

A Direção Coletiva e roteiro são assinados por Jup do Bairro, Felipa Damasco e Rodrigo de Carvalho.

2 Lia Paris “Andaluz”



Outro videoclipe que chamou bastante a atenção por aqui foi lançado já no final de junho. A produção audiovisual para “Andaluz” da Lia Paris, faixa presente no álbum MultiVerso (2019) foi inclusive lançado em uma sessão de drive-in que o Cine Belas Artes realizou no Memorial da América Latina.

O vídeo teve produção italiana e foi filmado em um deserto da Califórnia ainda antes da pandemia. A concepção do vídeo é assinada por Lia em conjunto com P.A Alain e com Lorenzo Giglio. Os takes, a edição, a fotografia e a delicadeza e plasticidade da narrativa cheia de metáforas e mistério, impressionam.

3 Mahmundi “Nova TV”



A quarentena tem inspirado ótimas ideias e a de “Nova TV” da Mahmundi representa muito bem o espírito da nossa lista de Melhores Clipes. Inclusive a música já tinha entrado na nossa lista de Melhores Singles do Primeiro Semestre de 2020.

Na narrativa do vídeo ela faz um pouco de tudo, desde tarefas diárias como aparece escovando os dentes, desenhando, cantando; tocando bateria, teclado e guitarra simulando uma one girl band.

Também tem espaço para a contemplação da vida da vizinhança, algo um tanto quanto quarentena, não é mesmo? A canção traz uma paz neste momento de tantas incertezas.

O vídeo tem direção assinada por Mahmundi, Bruno Mazzilli e Caio Carvalho, e André Albuquerque na direção de fotografia.

4 Ana Larousse “Muro”



O clipe de “Muro” da Ana Larousse foi produzido e desenvolvido pelo duo Coagula, formado pelos fotógrafos Paloma Bertissolli e Dennis Siqueira ainda em 2019.

“Gravamos esse vídeo há quase um ano, mas por inúmeros pequenos motivos, decidi esticar um pouco mais o período de espera para jogá-lo ao mundo. Tanto a música quanto o vídeo são acolhidos pelo contexto atual de maneira quase impressionante”, explica Larousse.

“Como no vídeo, estou sozinha enquanto a cidade quase vazia. Há mais de dois meses sozinha. Daqui, desse lugar sozinho, vejo e ouço muitos amores meus ou amores de amores meus sofrendo consequências incrivelmente tristes devido à pandemia e ao que é o mais bárbaro governo possível.

Hoje fica muito escancarada a verdade de que, como se fala na música, ‘subiram o poder da gente de decidir quem vai viver’. O Brasil está escolhendo quem vive e não são os pobres. Isso está sendo mostrado, articulado, exposto às entranhas sem muro nenhum que esconda. Sem vergonha. Estamos todos vendo isso”, desabafa Ana Larousse

O Fascismo à Brasileira

“A ideia e a concepção desse clipe vieram no começo do ano de 2019, num momento onde aconteciam diversos movimentos turbulentos em um país que acabara de eleger o fascismo em sua presidência. Na época, sabíamos o que enfrentaríamos, mas nunca imaginamos tamanha proporção desse presente distópico em que nos encontramos”, explicam os diretores.

“O lançamento do material acabou sendo adiado por diversos motivos no curso do ano, quase como que por vontade própria estivesse aguardando o momento ideal pra sair. Profético ou apenas esperado, o universo que construímos aconteceu e estamos muito orgulhosos do resultado desse trabalho.”, completam

As Nuances da Produção Audiovisual

“A minha escolha de me colocar de costas no vídeo andando, sem mostrar meu rosto e sem outros elementos para além da cidade, veio da minha reflexão sobre meu lugar de fala nessa canção.

Eu sou mulher, me relaciono com outras mulheres, sofri violência sexual pesada e alguns episódios mais duros de homofobia.

Ainda assim, todo o resto da minha realidade é inteiro feito de muito privilégio. Existem pessoas (mais do que se consegue contar) que sofrem uma existência inteira por conta desses muros. Acaba que meu lugar fica muito mais de observadora”, define Ana Larousse

A Emoção na Tela

A delicadeza da produção aparece nos mais mínimos detalhes, que vão da cidade vazia, passando pela escolha da filmagem em P/B, a sensação de isolamento e o incômodo da calmaria de uma cidade antes viva. O fato de Ana estar de costas semioticamente já nos passa uma sensação de desconforto.

Os violinos dão todo o drama da trama e os muros vão subindo a cada verso recitado, que por sua vez, acaba traduzindo todo o momento delicado política e socialmente no país.

Cada frase vai ganhando ainda mais significados sob o cenário do acinzentado – e hostil – do centro de São Paulo. Os conflitos acabam sendo explicitados em uma canção na qual a voz emociona através da sinceridade em que traduz seus versos.

O cinza dos contornos da cidade se emaranha nas vigas dos muros e no instrumental que ganha a tela e coincide com o fim do vídeo e da canção. A vontade de fugir se choca com a que luta para sobreviver. O sentimento após assistir é de que a luta apenas começou.

Confira Entrevista Exclusiva para