O magnético The Baggios continua a trabalhar o álbum Vulcão (2018) e hoje lança em Premiere no Hits Perdidos o videoclipe para “Espada de São Jorge”. Espiritualizado, o nome da canção naturalmente nos remete ao famoso amuleto usado contra energias negativas. Seja para a proteção de sua casa, ou bem estar dos familiares, como um escudo pessoal.

Fato é que esta canção tem um pouco a ver com isso mas Julio Andrade em entrevista exclusiva para o Hits Perdidos nos contará mais sobre a composição e como ela infelizmente ainda continua atual.

Mas antes um pequeno Spoiler

“Sempre nos preocupamos em registrar a gravação do disco, é algo ímpar. Essa música tem uma força grande, no sentido social político. Fala muito do momento atual, a letra tem uma força grande.”, conta Julio Andrade, guitarrista e vocalista da The Baggios

Vulcão em Erupção


The Baggios Espada de São Jorge

The Baggios no clipe para “Espada de São Jorge” – Foto Por: Edu Freire


“O quarto disco do The Baggios, de São Cristovão (SE), chega não apenas para consolidar a carreira do trio mas para mostrar como a música brasileira vive em constante mutação. Como nossa ancestralidade passeia por uma diversidade de ritmos, frequências e discursos.Por isso carrega elementos do Blues, Stoner, Afrobeat, Soul, Psicodelia, música oriental e folk para dentro do caldeirão. Seu discurso clama por empatia, respeito a diversidade, religiosidade e serve como um alerta para os perigos do futuro.”

O trecho da resenha de Vulcão no Hits Perdidos continua a ser forte a cada peça audiovisual apresentada para promoção do lançamento. Seu discurso por emancipação das mazelas – e correntes – da vida urbana acabou por si só ganhando novos capítulos.

The Baggios “Espada de São Jorge”

“Espada de São Jorge” é o primeiro lyric video da história do The Baggios. Com letra forte, o videoclipe é o resultado de uma session registrada no estúdio Toca do Bandido durante as gravações do disco. Com tanto material gravado deste processo a banda que faz parte do casting da Brain Productions tem planos de fazer um documentário sobre o disco Vulcão.

“Estava editando como se fosse uma session da gravação do disco, mas juntei para dar ênfase na letra.”, relembra Julio 



Entrevista: Julio Andrade (The Baggios)

Como a pandemia do coronavírus tem afetado a rotina e a vida da banda? Quais cuidados acha que devemos ter?

Júlio Andrade: “Sobre o que tem afetado: a priori, temos um show cancelado, que era no Festival 5 Bandas, seria em São Paulo, no final de abril. Estávamos bem empolgado com a oportunidade, já que tocamos pouco em festival no estado. Mas semana passada, com a situação ficando mais séria, a banda começou a levar também a sério e nos isolamos.

Estamos há uns 10 dias sem nos ver. Temos uma turnê na Europa comprometida, que aconteceria meio de maio e início de julho, e nos preocupa pelo crescimento dos números de casos e os contatos que teríamos de encarar com aeroportos e estrada. Tudo é incerto e vamos aguardar as cenas do próximo capítulo.

Se tudo mundo levar a sério o isolamento, e só sair de caso para o extremo necessário, a situação pode melhorar mais rápido. Preocupa, claro, a parte econômica e o tipo de isolamento e o que este isolamento pode ocasionar.

Por exemplo, as pessoas que moram na rua e os idosos. Estou preocupado, com certeza. Tudo isso passa pela cabeça e me remete a algo apocalíptico, como se tivesse um monstro solto nas ruas e não temos uma arma para domá-lo. Não tem jeito, o isolamento então é essencial e é um problema que todo mundo tem que fazer um esforço.”

Importância da Internet e a saúde mental

“Além de seguir as normas, para manter o isolamento, hoje temos a internet para nos manter próximo das pessoas queridas e que nos permite continuar a produzir e fazer a cultura girar. Trocar ideias sobre música, comprar merch, indicação de músicas e filmes, compartilhando meus desenhos, enfim, praticar a minha criatividade de diversas formas. É importante, mesmo a distância, nos apoiar, nos abraçar, transmitir essa energia boa para sairmos dessa com sanidade mental.”

Conte sobre a origem da letra e como vê que ela envelheceu

Júlio Andrade: “A letra, assim como “Saruê”, que tem um tom mais agressivo sobre pessoas de má índole, sem sensibilidade social ou política.

‘Espada de São Jorge’ significa proteção contra estes seres e é uma planta muito utilizada aqui em Sergipe como uma arma de proteção. É usada em frente de lojas, jardim de casas e eu acredito muito nessa força de plantas, é algo que me acompanha desde criança.

O título veio um pouco depois: estes seres pode ser um político, as redes sociais para atacar as pessoas, que dissemina muito ódio e falta de cultura. Isso me chamou muito a atenção em 2017, com vários casos de linchamentos virtuais e os políticos e pastores expondo ideias retrógradas, além de pessoas com aquela certeza das coisas que eles estão falando estarem certas. Isso só gera embate ruim, não um debate tranquilo. O princípio da música é em torno desta visão e não vai envelhecer tão cedo se não nos dermos conta que isso é muito grave.”

Ouça Vulcão no Spotify