Cães de Prata contempla a solitude em bela estreia

A poesia e a introspecção são universos correlatos tendo a reflexão como um dos seus satélites. Na música sua densidade não pode ser medida, entretanto pode ser sentida através dos acordes suaves, arranjos delicados e harmonias que nos passam a sensação de transcendência. Parte dessa luta pela sobrevivência no dia-a-dia está bem contemplada no EP fitas p/ o terceiro filme, debut do projeto alagoano Cães de Prata.

O registro é mais um lançamento do selo Máquina Voadora que teve por aqui elencado na nossa lista de Melhores do Ano de 2019 o álbum do Milkshakes. E no qual já falamos por aqui da azul azul.

As referências a primeira vista são audaciosas mas dão o norte e preparam o ouvinte para o material que estão prestes a conhecer, são nomes como Ava Rocha, Wilco Sharon van Etten. Os arranjos das cordas, a amplitude dos vocais e a atmosfera acabam sendo marcas do lançamento que traz até mesmo referências, ambiências e curvas do post-rock.

Mateus Borges lidera o projeto mas tem a companhia de João Gomes e Igor Cavalcante (ambos da azul azul), Ivana Fontes e Thomas Schaeffer Bernardes (Os Fugitivos). No texto de apresentação o músico ainda comenta sobre a contribuição de Thiago Mata.

“As seis canções desse primeiro lançamento da “cães de prata” alinham acontecimentos das forças esquisitas para quando não se resta mundo ao mundo: as leituras de tarô feitas no metrô, as mães dos continentes ainda não descobertos, e os amigos em plena autodestruição.

Dos gatilhos para elas, a insuficiência de uma banda que nunca existiu de verdade, e a leitura do texto “à ditadura do movimento”, de Igor Cavalcante, publicado na zine populacho #1.”, relembra Mateus Borges

O Background

O músico anteriormente integrou a banda Pacamã que apesar de não ter conquistado grande reconhecimento, deu fruto a uma série de novos projetos artísticos. Como Os Fugitivos, azul azul e agora Cães de Prata.


Cães de Prata é um projeto de Mateus Borges. – Foto Por: Lucas Marques

Cães de Prata – fitas p/ o terceiro filme (18/02/2020)

Além das referências já citadas é possível lembrar de artistas como Bill Callahan e Ben Gibbard, este último conhecido por seu trabalho ao lado do Death Cab for Cutie, em uma rápida audição do EP que conta com 6 faixas. Outras referências que o músico aponta além de Wilco e Ava Rocha são as influências de Alice Coutinho e de Romulo Fróes (Metá Metá).

A atmosfera e a habilidade com o instrumento são os grandes pilares e destaques do lançamento que nos transporta para um universo etéreo.

A faixa título não deixa por menos e conduz feito uma valsa de um homem só contemplando o horizonte, suas memórias e a infinitude do universo. Já “Manifesto” procura através de narrativas do cotidiano enxergar a beleza e as fragilidades do que chamamos de vida. Os metais dão uma sensação de profundidade e sua atmosfera lembra até mesmo a energia e falsa calmaria de Bon Iver. O tempo parece cercar feito um lobo preste a dar o bote…e desta forma a canção se esvai no além.

“Lama e Cal” irá agradar a fãs de Sigur Rós e Kings Of Convenience e talvez seja uma das mais poéticas e cheias de simbologia dentro do EP. A passagem da vida como manifesto de alguém preocupado com o futuro. Com as sua carga de incertezas, e inseguranças, de atos que censuram a liberdade de se expressar e de coexistir.

A infinitude e a misticidade

“Taipei 1996” viaja pelo mundo através suas lindas e místicas paisagens. Quebrando todo clima de tensão, mostrando que a vida também pode ser bela e feita de momentos de solitude. “Páramo” é credita a Karen Pimentel, autora do texto de “páramo”, já Ivana Fontes faz dueto na canção. Elementos de trip-hop aparecem dentro da construção e ambiência da faixa.

Quem encerra o EP é justamente “Cópia Perfeita (A Ditadura do Movimento)” que beira a nostalgia e a efemeridade das situações, momentos e coisas da vida. Destila sonhos, medos, expectativas e desilusões. Trazendo também para a superfície um lado místico enquanto mostra o caminhar.

Explicitando a beleza do caminho e não apenas comemorando a chegada. Os passos incertos, os aclives, as subidas e a queda livre. Tudo em perfeito compasso e sincronia. Uma sensação similar da que eu tive ao ouvir “First day of my life” do Bright Eyes.



O EP de estreia do Cães de Prata, de Maceió (AL), é uma pequena colcha de retalhos e carrega diversas reflexões filosoficas. Seja ela sobre a efemeridade da vida, seus conflitos, compassos e pequenas vitórias. Como também se atenta ao medo pelas incertezas do futuro e as graves consequências dos nossos atos.

É belo e cheio de ambiências chegando a lembrar obras de artistas como Ben Gibbard, Wilco, Bon Iver, Bright Eyes, Sharon van Etten e Bill Callahan. Um lançamento Máquina Voadora Label mesmo selo do Milkshakes e azul azul.

Ouça Cães de Prata



Ficha Técnica

O EP do Cães de Prata teve mixagem e Masterização por Thomas Schaeffer. Produção e arranjos por Thomas Schaeffer; engenharia de áudio por Thiago Mata; produzido, gravado, mixado e masterizado nos estúdios da Maná Records, em Maceió/AL. Lançado pela Máquina Voadora Label.

This post was published on 18 de fevereiro de 2020 12:27 pm

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Posts Recentes

Virada Cultural 2022 apresenta programação descentralizada nos dias 28 e 29/05; confira a programação completa

A abertura da Virada Cultural 2022 acontece às 17h do sábado (28), com apresentação do…

20 de maio de 2022

Jair Naves apresenta lado mais experimental em “Ofuscante a beleza que eu vejo”

O quarto disco da carreira solo do músico, cantor e compositor Jair Naves, Ofuscante a…

20 de maio de 2022

brvnks revela o lado doce e o amargo do amadurecer em “meet the terrible”

Após lançar Morri de Raiva (2019) pela Sony Music, a goiana brvnks após divulgar no…

20 de maio de 2022

Lançamentos Nacionais: Maglore, Glue Trip, Luna França, OZU, Julia Baumfeld, Giovanna Moraes e Bola

Aqui no Hits Perdidos voltamos com a coluna de lançamentos nacionais, afinal de contas, maio…

20 de maio de 2022

Lista das Listas 2021: conheça quais são os 45 discos mais citados pela crítica brasileira no último ano

Lista das Listas 2021, revela quais são os 45 discos mais citados pela crítica musical…

19 de maio de 2022

Tom Misch em Porto Alegre; show acontece na sexta-feira (20/05) no MITA Day

Tom Misch em Porto Alegre, inglês se apresenta no dia 20/07; garanta o seu ingresso…

19 de maio de 2022

This website uses cookies.