LOW

LOW  – Foto Por: Paul Husband


Nascida em 1993 na cidade de Duluth, Minnesota, a banda LOW foi fundada por Allan Sparwawk (guitarra e voz) e sua esposa Mimi Parker (bateria e voz).

Passaram pela banda inúmeros baixistas, como o co-fundador John Nichols (1993–1994), Zak Sally (1994–2005) e Matt Livingston (2005–2008). E, de 2008 até agora, eles contam com Steve Garrington no baixo. LOW tem 12 álbuns de estúdio, separados em três diferentes eras: Vernon Yard era (de 1993 a 1996), Kranky era (de 1997 a 2003) e Sub Pop era (de 2005 a 2019), e sobre os quais iremos falar no decorrer desse texto.

Para falar a verdade, eles tem mais álbuns, mas vamos nos ater apenas a esses doze para que o texto não fique muito extenso e também porque eles já condensam com bastante precisão o trabalho primoroso da banda.

Ouça a Playlist enquanto lê a matéria

Para Playlists Exclusivas siga
o Hits Perdidos no Spotify.



Os Primeiros Dias

A cidade natal deles, Duluth é também a Terra Natal de Bob Dylan, que ao escrever sobre seu local de nascimento em Crônicas, evocou “os céus cinzentos e os misteriosos nevoeiros” de Duluth; “os impiedosos ventos uivantes do grande e misterioso lago preto … As pessoas diziam que ter que sair para as águas profundas era como uma sentença de morte.”

Duluth é uma cidade portuária no Lago Superior. Ela fica no estado americano de Minnesota, é uma importante cidade portuária e a sede do condado de Saint Louis. A cidade tem uma população de aproximadamente 85.884 e é a quarta maior do estado de Minnesota.


Low a banda que mais ouvi

LOW em Duluth, Minnesota. – Foto Por: Zoran Orlic


Introduzindo LOW

A música do LOW é muito conhecida por seus ritmos lentos e arranjos minimalistas. As primeiras descrições às vezes se referiam a eles como um subgênero do rock chamado “slowcore”, geralmente comparados à banda Bedhead, que tocou esse estilo durante a década de 1980 e o início da década de 90.

No entanto, os membros do LOW desaprovaram esse termo. Entretanto, a maior característica da música do LOW são os vocais divididos de Parker e Sparkwawk, suas harmonias e timbre tristes atingem direto no coração.

Vernon Yard era (de 1993 a 1996)

De 1993 a 1996 o LOW lançou seus três primeiros álbuns pela gravadora independente Vernon Yard, que atualmente pertence a Virgin Records (famoso selo londrino).



O primeiro e clássico álbum leva o nome de I Could Live In Hope. O disco foi gravado no outono de 1993 e lançado em 18 de fevereiro de 1994. É até hoje um dos melhores álbuns da banda e muito raro no formato vinil.

Em contraponto ao grunge, que reinava na época, o LOW lançou um álbum lento e introspectivo, inspirado em Brian Eno e Joy Division, inaugurando o termo Slowcore, algum tempo depois negado e abandonado pela banda.

LOW: I Could Live In Hope (1994)

O álbum foi produzido por Mark Kramer, clássico produtor underground novaiorquino, que favoreceu as composições em ritmo lento, com um mínimo de instrumentação e uma economia de linguagem. É um dos meus álbuns preferidos do LOW!

Talvez uma das coisas que eu mais ame nesse álbum seja o nome das canções, todos minimalistas. Destaque para “Words“, “Fear“, “Cut“, “Slide” (uma das minhas preferidas com a Mimi cantando) e “Lullaby” (com seus 9′:51” de pura beleza e a voz marcante e doce de Mimi Parker), “Down” e “Drag” (são minhas preferidas na voz do Allan). Melhor parar por aqui para não citar o álbum inteiro. Escutem o disco todo, vale muito a pena!

Raríssimo video da música “Words”



LOW: Long Division (2005)



O segundo álbum do LOW se chama Long Division, foi gravado em 1994 e lançado em 1995, também com produção de Kramer. Esse lançamento marca a entrada do baixista Zak Sally, que ficaria com a banda até 2005.

Esse também é um disco muito raro em formato vinil, chegando a custar cerca de R$ 300,00 na Discogs. Foi re-lançado pela Plain Recordings. O álbum traz canções clássicas como “Violence“, “Below and Above“, “Shame“, “Alone” e a sublime “Stay“.



LOW: The Curtain Hits The Cast (1996)



O terceiro álbum se chama The Curtain Hits The Cast, foi gravado entre janeiro e fevereiro de 1996 e lançado no mesmo ano. Ele marca o final do período da banda na major Vernon Yard, depois dele, a banda migra para a gravadora independente Kranky e inicia sua segunda época dourada.

A capa do disco mostra uma parte do kit de bateria minimalista de Mimi Parker, uma das características da banda. Destaque para as canções: “Over The Ocean”, “Coacttails“, e a extensa “Do You Know How to Waltz-“, com seus 14′:39” e os vocais divididos de Allan e Mimi (capturamos no link uma versão ao vivo sensacional, gravada no show deles no Rock The Garden Festival, em 2013).



Kranky era (de 1997 a 2003)

De 1997 a 2003 o LOW lançou três álbuns incríveis pela gravadora independente Kranky, famoso e seminal indie label de Chicago, responsável por muitas pérolas do indie rock norte-americano.

LOW: Secret Name (1999)


Low Secret Name


Secret Name é o quarto álbum de estúdio da banda de rock indie americana LOW. Foi gravado em 1998 e lançado em 30 de Março de 1999, sendo o primeiro disco da banda na gravadora Kranky. Foi gravado e produzido por Steve Albini no Electrical Audio em Chicago. O baixista Zak Sally também toca um Optigan em algumas faixas.

O título do álbum vem da letra “Weight of Water”, “Make a river through the sand, ’Til you’re called by a secret name”. Algumas de minhas canções preferidas do LOW estão nesse registro: “Starfire“, “Missouri” e “Lion/Lamb” (uma das mais bonitas e sensíveis músicas do LOW).

Vale ouvir a versão Demo dessa música, que é diferente da que saiu no Secret Name, e foi lançada no álbum A Lifetime of Temporary Relief: 10 Years of B-Sides and Rarities (de 2004).



LOW: Things We Lost In Fire (2001)


LOW ALBUM


Meu álbum preferido. Foi o primeiro do LOW que comprei na vida (ainda em CD). Ele foi lançado um dia após o data do meu aniversário, em 22 de Janeiro de 2001.

Things We Lost In Fire também foi produzido por Steve Albini. Esse disco traz algumas das canções que mais amo na discografia da banda, poderia citar todas elas, mas vou destacar apenas algumas como: “Sunflower“, “Dinosaur Act”, “Medicine Magazines“, “Embrace“, “Kind Of Girl” (amo essa música e os vocais divididos por Mimi e Alan), “Like A Forest“, “Closer” (a faixa que dá nome ao álbum) e a maravilhosa música “In Metal”.

Algumas edições internacionais do álbum contêm as faixas adicionais “Overhead” e “Don’t Carry It All”, que eram os lados B do single “Dinosaur Act”, e também foram publicadas mais tarde no conjunto de raridades de 2004, A Lifetime of Temporary Relief: 10 Years of B-Sides and Rarities.

Essas duas faixas também foram incluídas no lançamento do disco em vinil. Este é um disco de três lados, com o quarto lado contendo as letras das músicas gravadas no vinil. Nem preciso dizer que tenho esse vinil (ou preciso?).

“Dinosaur Act” ao vivo em De Duif (Amsterdan, NE)



LOW: Trust (2002)



Trust é o sexto álbum de estúdio da banda de rock indie americana LOW. Foi lançado em 21 de outubro de 2002 pela gravadora Kranky. O registro foi masterizado por John Golden, mixado por Tchad Blake e gravado por Tom Herbers.

Esse disco traz grandes canções como “(That’s How You Sing) Amazing Grace”, “Canada”, “The Lamb”, “In the Drugs” e “Point of Disgust”. O lançamento marca o fim da época deles na Kranky.

Sub Pop era (de 2005 a 2019)

De 2005 a 2019 o LOW lançou seus seis últimos álbuns pela gravadora Sub Pop, de Seattle (terra do Grunge), ironicamente eles nasceram para contrapor o gênero musical mais conhecido da cidade e estão ate hoje fazendo esse Rock Triste que encanta gerações e mais gerações.

LOW: The Great Destroyer (2005)


LOW


The Great Destroyer é o sétimo álbum de estúdio do LOW. Foi gravado em 2004 e lançado em 25 de janeiro de 2005 e é o primeiro pela Sub Pop Records. Foi produzido por David Fridmann, que também já produziu e gravou álbuns para Mercury Rev, Flaming Lips e Mogwai.

California”, é uma música sobre a mãe de Sparhawk, foi lançada como o primeiro single do registro, junto com uma demo de “Cue the Strings”. Um EP remix de “Monkey”, intitulado “Tonight the Monkeys Die”, veio na sequência. Vídeos musicais foram criados para ambas as músicas.

O título do disco (assim como a música “Silver Rider”) é retirado da história na arte do registro. Minha faixa preferida “When I Go Deaf” não tem vídeo oficial, mas tem essa belíssima versão ao vivo.

Poxa vida, Mimi, como você pode ser tão afinada assim???

Como vocês conseguem fazer isso com meu coração, Allan? Mimi?



LOW: Drums and Guns (2007)


LOW DRUMS

Com capa minimalista, como a banda, Drums and Guns é o oitavo álbum do LOW.


“Drums and Guns” é o oitavo álbum do LOW e o segundo que eles gravaram com o produtor Dave Fridmann. Esse disco foi parcialmente inspirado pela guerra no Iraque. Foi gravado em 2006 e lançado em 20 de março de 2007, pela Sub Pop.

Trata-se de um registro um pouco mais experimental e um começo do flerte da banda com elementos eletrônicos, levando em conta a trajetória anterior, mas nem por isso deixa de ter a marca do LOW e ser um dos grandes álbuns da banda.

Destaque para “Breaker” (que tem esse clipe doido com o Allan comendo uma torta alucinadamente), “Sandinista”, “Always Fade”, “Hatchet”, “In Silence” (confira abaixo) e “Murderer”.



LOW: C’mon (2011)


LOW CMON


C’mon é o nono álbum do LOW. Foi gravado em 2010 e lançado em 12 de abril de 2011 (11 de abril na Europa) pela Sub Pop. O disco foi gravado no Sacred Heart Studio, uma antiga igreja católica em Duluth, Minnesota, onde a banda gravou anteriormente o Trust, de 2002.

O disco inclui contribuições de Nels Cline (lap steel, guitarra), Caitlin Moe da Trans-Siberian Orchestra (violino) e Dave Carroll da banda Trampled by Turtles (banjo).

Destaque para a música “Especially Me”, que apareceu na 5ª temporada, episódio 8 (“Tied to the Tracks”) de Orange Is The New Black, da Netflix. Além dela, podemos destacar ainda “Try To Sleep“, “Witches” (aqui numa versão na KEXP), “$20” e “Nothing But Heart” (essa me faz chorar sempre).



Sobre esse video, só digo: “Ahhhh, Mimi Parker, se você soubesse o quanto eu Te Amo!”

LOW: The Invisible Way


LOW


The Invisible Way é o décimo álbum do LOW, lançado em 2013 pela Sub Pop. Foi produzido por Jeff Tweedy e gravado no estúdio do Wilco em Chicago.

O disco abre com a maravilhosa “Plastic Cup“, mas ainda tem outras belas canções como “Amethyst” (com vocais dividos por Allan e Mimi), “So Blue” (com abre com piano bem bonito e a voz de Mimi Parker), “Clarence White” (que música linda, sente-se a marca do Tweddy nessa música); “On My Own”, “Just Make It Stop“, entre outras.

Alguns críticos exaltam esse álbum. Outros dizem que a produção do Jeff Tweddy salvou a banda e a reinventou. Prefiro acreditar no meu sentimento de que esse registro apresenta o melhor do LOW.

Eles mesmo se reinventam, dentro de um estilo de composição profundo, próprio e com os arranjos tristes e belíssimos de sempre.

LOW: Ones and Sixes (2015)


LOW


Ones and Sixes é o décimo primeiro álbum de estúdio de LOW, lançado em 11 de setembro de 2015. Foi co-produzido pela banda e engenheiro BJ Burton, nos estúdios da Justin Vernon (mais conhecido como Bon Iver) em abril, em Eau Claire, Wisconsin.

Sub Pop lançou um vídeo promocional para ‘No Comprende’ antes do lançamento do disco, em 23 de junho de 2015. O disco também traz contribuições do baterista do Wilco, Glenn Kotche.

A arte do registro foi criada pelo artista Peter Liversidge. As letras do álbum foram indicadas ao prêmio AML. Outras músicas de destaque: “Into You“, “Spanish Translation” e “Lies“.

“No Comprende”, video promocional
do álbum Ones and Sixes



LOW: Double Negative (2018)


LOW álbum Sub POP


Double Negative é o décimo segundo álbum de estúdio do LOW, lançado em 14 de setembro de 2018. No site Metacritic, que atribui uma classificação baseada numa média de 100 críticas de publicações tradicionais de todo o mundo, o Double Negative tem uma pontuação média de 86 com base em 21 críticas, indicando “aclamação universal” para o disco.

Escrevendo sobre a lista dos melhores álbuns de 2018 da Pitchfork, Marc Hogan disse que “a estática prevalece e os tons tremeluzentes são quase inexistentes nos instrumentos que as criaram”, e “esse som capturou o medo generalizado [de 2018] como nada mais”.

Double Negative é um trabalho ultra-sensorial e apresenta videos belíssimos como o tríptico criado para apresentar as faixas de abertura do álbum: “Quorum”, “Dancing and Blood” e “Fly” (confira abaixo).

Ainda desse disco, outras faixas ganharam lindos vídeos, vale destacar “Poor Sucker“, “Always Trying To Work It Out“, “Rome (Always In The Dark)” e “Disarray” (que ganhou um belíssimo clipe feito pelos fãs).

“Quorum”, “Dancing and Blood” e “Fly”, o video Tríptico criado pelo LOW para divulgar o novo álbum.



Gran Finale!

Espero que esse texto tenha despertado, de alguma forma, um pouco de curiosidade nas gerações mais jovens que ainda não conhecem as músicas, a história, os discos e toda a beleza do trabalho excepcional dessa banda chamada LOW.

Uma das bandas mais cultuadas de todos os tempos e por pessoas de todas as gerações e de todo o mundo. Ouvir LOW é sublime, é se elevar ao céu, é flutuar pelo tempo-espaço. Ouvir LOW é entrar dentro de si e penetrar no mais profundo, no frio e no calor da alma.


LOW Band

LOW, sem sombra de dúvidas a banda mais introspectiva dos Estados Unidos.


Para finalizar e mostrar pela última vez o que é a música do LOW e o quanto ela liberta, lava a alma e transforma, deixo vocês com essa belíssima interpretação da música “Stay”, da Rihanna.

Eles tocaram “Stay”, pela primeira vez, no Pitchfork Music Festival, depois disso o LOW se inspirou a gravar uma versão de estúdio adequada para ajudar a arrecadar fundos para o Rock for Kids, parceiro de caridade do Pitchfork Festival. O Rock For Kids fornece educação musical para crianças carentes em Chicago.


Mais que um cover, “Stay” virou um hino na interpretação profunda do LOW



Fontes Pesquisadas:

Uncut: Entrevista do LOW, realizada em 06 de Maio de 2011
LOW instagram oficial
All Music: LOW profile and Discography
Youtube: Diversos videos foram vistos para escrever essa matéria, a maioria se encontra no perfil da Sub Pop.
Wikipedia: LOW / Discografia / Produtores / Labels
The Guardian: Banda revisita melhores músicas da sua carreira, matéria realizada em 21 de setembro de 2018.

Bônus: Um Show, com a LOW performando ao vivo em sua recente turnê Double Negative.



Setlist:

Quorum
No Comprende
Plastic Cup
The Innocents
Tempest
Always Up
Dancing and Blood
Pissing
Always Trying to Work It Out
Poor Sucker
Fly
Spanish Translation
Nothing but Heart
Holy Ghost, Lies
Dancing and Fire
Disarray