A Early Morning Sky encerra nesta quinta-feira (26) um ciclo dentro de sua trajetória. Após o lançamento de seu primeiro EP em 2018, eles tem planos para lançar no próximo mês seu segundo tento. O debut inclusive chegou a estrelar dentro dos destaques do ano em lista do Hits Perdidos.

A história do Hits e do Early Morning Sky também se confundem. No ano passado eles gravaram para a coletânea homenageando os 20 anos dos Autoramas uma versão suja para “What You Mean To Me”; o projeto teve lançamento exclusivo realizado pelo jornalista Pedro Antunes para a revista Rolling Stone.

If I See You Again

O EP na época resenhamos desta forma:

O EP de estreia do Early Morning SkyIf I See You Again, que está sendo lançado hoje (13/04) através do selo Midsummer Madness,é rápido, afinal de contas são 15 minutos e 4 sons. Passa feito um tiro. O que não faz com que passe despercebido, com guitarras cheias de delays, distorções e vocais sussurados.

Uma hora o espírito shoegazer reverbera e em outra a banda dialoga com o noise, neopsicodelia e regressive. O hit perdido do disco é definitivamente “Sorry” e vale o destaque.


Early Morning Sky


Luz, Câmera e Ação

O videoclipe para “If I See You Again” tem como cenário a rua Augusta, em São Paulo, e atuação da blogueira – e agitadora cultural – Joyce Guillarducci, conhecida por seu trabalho no Cansei do Mainstream.

Ela que também é uma grande parceira do Early Morning Sky, tendo atuado como modelo para a capa do registo – e produzindo a festa de lançamento que aconteceu na Casa do Mancha ao lado dos sorocabanos da Justine Never Knew The Rules.

A Protagonista

Joyce nos contou um pouco mais sobre as gravações.

“Esse lance de emprestar minha imagem para o trabalho da Early Morning Sky começou no ano passado, quando a banda pediu para usar fotos de um ensaio que eu havia feito com o antigo guitarrista Gilbert para a arte da capa do single “If I See You Again”.

Me agradou a ideia de “personificar” essa música, curto essa mix das guitarras barulhentas e por vezes até desconfortáveis com as referências mais classudas da Nouvelle Vague, porque tudo desagua na mesma onda de contestação e desabafo sabe.

Mas daí não imaginava que poderia sair um clipe, e quando o Gerson da Early Morning me convidou para estrelar esse vídeo fiquei meio receosa, porém mais segura quando soube que era a Elisa Oieno quem estava dirigindo, confio no bom gosto dela e sei que mesmo no estilo DIY ela faz trabalhos absurdos – taí o clipe de ‘Fogo Mais Fogo’ da Antiprisma que não me deixa mentir. A Elisa então montou um pré roteiro com referências estéticas diversas, indo de Godard a Sonic Youth, e tivemos algumas conversas prévias sobre o visual geral do vídeo antes de gravar.”

As Cenas

“Gravamos o clipe inteiro num dia só em duas locações: na Rua Augusta e no banheiro da GAL Guitar Shop, contando sempre com o apoio da Ana Zumpano que fez a direção de atuação e me deu dicas valiosas sobre movimentação, interpretação e ambientação – essa foi minha primeira vez em evidência na frente das câmeras, e no final já nem lembrava que tinha alguém me filmando.

Nas cenas do espelho eu tava tendo um papo mental com meus outros eus, ali eu realmente tinha entrado nessa persona meio atormentada e dada aos vícios sugerida pelo clipe, e tava tentando entender o que faltava para ter meu final feliz (se você reparar o clipe realmente tem um sutil final feliz rs). Além da Elisa, da Ana e dos Early Mornings (Gerson Alves, Xixo Sere e Mauro Terra), participaram dessa produção também o Victor José, Roger Marinho e a Frau Báthory, pessoas queridas e super profissionais que fizeram com que tudo fluisse de forma leve e divertida.

O trabalho mais pesado certamente foi o da Elisa que além de operar a câmera e depois editar tudo, teve que andar de costas em certos momentos para me filmar de frente e até deitar na calçada da Augusta pra conseguir aquele enquadramento da banda entre minhas pernas.”, lembra Joyce

A Farra

“Dureza mas no final estávamos todos comemorando, bebendo vinho (o mesmo que aparece no banheiro) e indo ver um showzinho a céu aberto no que gosto de chamar de a noite mais fria do século rs, delícia!

No mais, sou grata por essa oportunidade pois penso que para bloggers, jornalistas musicais, agitadores culturais ou whatever que nos chamem é essencial participar também do lado de lá da cena, entender melhor o mundo e os métodos dos artistas, porque daí saem compreensão e ótica mais abrangentes sobre as obras, acho que essa experiência vale mais que tudo.”, finaliza a blogueira, DJ, agitadora cultura e atriz na oportunidade

Participações

Além da participação da Joyce, o vídeo conta com a atuação dos integrantes do Early Morning Sky, como Xixo Sere, Mauro Terra (baixo) e Roger Marinho Martin (bateria), além de Gerson.

A direção, roteiro e fotografia são assinados por Elisa Moreira Oieno; já a direção de atuação foi realizada por Ana Zumpano. A edição e montagem, ficaram sob a responsabilidade de Elisa Moreira Oieno e Victor José (duo que compõe o Antiprisma).

Com influências visuais de “Persona”, obra do diretor de cinema Ingmar Bergman, o clipe de “If I See You Again” conta a história de uma mulher que se encontra em meio ao caos e dificuldades de uma grande metrópole.

“Este é um trabalho baseado na grande influência que o cinema 60’s Avant-Garde sobre a arte do Early Morning Sky. O cotidiano, os desafios da vida adulta e as crises existenciais cercam as letras e as melodias de “If I See You Again”, observa Gerson Alvez

As Referências do Vídeo

Elisa Moreira Oieno contou mais sobre o desafio de dirigir o videoclipe. É a segunda produção audiovisual dela que também é fotógrafa e integra o duo Antiprisma.

“A ideia de fazer um video para a Early Morning Sky surgiu de uma conversa informal que acabou desenvolvendo pra uma coisa concreta. O Gerson me passou alguns filmes que ele gostaria que fossem referências para o clipe, eram filmes da nouvelle vague, principalmente o Vivre Sa Vie, do Godard – que é o filme que tem um trecho no começo da “If I See You Again”.

Então foi baseado nessa referência que pensei no roteiro e na direção de arte do clipe. Mas a intenção não era emular os anos 60, nem imitar o filme, mas usar elementos como o enquadramento e alguns cortes de edição no estilo nouvelle vague, e trazer a estética do filme para os dias de hoje. Também usei como referência alguns clipes indie dos anos 90, tipo os do Sonic Youth.”, conta Elisa

A Ideia e a Execução

“A ideia foi trazer um pouco de cara vintage mas não de forma caricata, e deixar o video bem com cara da Augusta, decadente e cool. Acho que combinou com a música. O Victor me ajudou na edição e a Ana Zumpano fez a direção de atuação, foi uma bela parceria que fizemos. E a Joyce se revelou ótima atriz (risos).

A escolha para a protagonista não poderia ter sido melhor, até porque é ela que está na capa do disco. Eu nunca tinha feito um trabalho desses para outra banda, só para o Antiprisma, então encarei como um desafio.

Mas só topei porque eu gostei muito de fazer o clipe do Antiprisma e já tinha pensado que seria legal tentar fazer algo para outra banda que não fosse a minha…mas pensava só hipoteticamente.

Aí encarei esse trabalho para o Early Morning Sky como uma oportunidade para experimentar, mesmo. Acabou que gostei demais da experiência e já quero fazer mais clipes (risos).”, finaliza Elisa Oieno



O Futuro do Early Morning Sky

O grupo paulistano que tem lançado seus materiais através do selo Midsummer Madness e no próximo mês lançará seu segundo EP. Este que já tem nome, Only Tomorrow. Em fevereiro eles finalmente pretendem lançar seu álbum de estréia. Ou seja, muitos planos e coisas por vir, fique ligado!

Guitar Days: A Trilha Sonora

O documentário Guitar Days – An Unlikely Story of Brazilian Music finalmente foi lançado.

Os paulistanos puderam conferir a Premiere brasileira durante o festival In-Edit 2019. Inclusive estivemos lá para conferir e ver a história daquelas bandas que optaram por tocar e compor em inglês sendo contadas. O filme contou com a direção de Caio Augusto Braga, que também escreveu o roteiro e assina a produção.

Resgatando memórias, acontecimentos e lembrando passagens emblemáticas, o registro optou por escolher alguns personagens centrais para retratar o cenário. Claro, fica difícil sintetizar todos os ângulos e nuances, mas o resultado agradou em suma a maior parte dos presentes. Deixando a vontade de assistir a uma possível continuação.



A Coletânea

Sob a tutela da Midsummer Madness, no dia 20/09 foi lançada a coletânea para o documentário. São 27 músicas das bandas que participaram do documentário. Em sua versão física (CD), sairá  com 20 músicas e outras 7 estarão presentes apenas na versão digital que você consegue ouvir logo abaixo.

Entre as participações temos sons das bandas: Pin Ups, Loomer, Twinpine(s), WRY, The Biggs, Second Come, Lava Divers, MQN, Mickey Junkies, Garage Fuzz, Loyal Gun, Adriano Cintra, SHED, Hateen e muito mais!