Na última sexta-feira estivemos na terceira edição do Festival 5 Bandas realizado pelo Minuto Indie com um line up de tirar o fôlego!

Entre as atrações tivemos ótimas apresentações de artistas emergentes da música nacional do calibre de Glue Trip (PB), Papisa (SP), Gab Ferreira (SC), Pessoas Estranhas (SP) e  The Raulis (PE), que teve a missão de encerrar a noite e deixar o palco em chamas!

É bom lembrar que a banda que lançou seu debut em 2017 já não é a mesma.

Antes quinteto, agora trio. A formação atual conta com Arthur Dossa, devidamente trajado com sua máscara de luchador mexicano nas guitarras, Gabriel Izidoro na “fuleiragenzinha”, soltando os samples inusitados que cativam o público e Arquétipo Rafa nos sinths.

Na época definimos o disco “flamenjante” da seguinte maneira:

“O disco de estreia dos recifenses do The Raulis tem todo o cuidado de não ser apenas mais um trabalho bem executado seguindo todas “as normas de como fazer um bom disco” do estilo. Ele quer mais, ele te provoca, essa mistura caliente dá corpo a obra, essa latinidade presente em nosso DNA que o brasileiro comum insiste em negar ganha novos tons com a mistura de estilos como a cumbia, o tango, o ska e a chicha.

O surf rock de Dick Dale, The Trashmen e The Ventures ainda está presente, o lado bluseiro e rock’n’roll sessentista também mas é essa alegria latina que traz todo o “charme” ao disco.

As participações de membros de bandas como Mombojó, Bixiga 70, Os Aquamans, Cosmo Grão, The Dead Rocks, Elba Ramalho, Di Melo, Mato Seco e Chambaril trazem novos ares para que o conceito forte do disco não se perca. Um álbum para se ouvir com seus headphones no fim de tarde ou até mesmo em volta de uma fogueira com outras “cositas más”.”


The Raulis 2019

The Raulis em sua nova formação, mais dançante, e cheio de “fuleiragem”, colocou todo mundo para dançar no palco do festival 5 Bandas que aconteceu sexta-feira (17/07) em São Paulo. – Foto: Divulgação


5 Bandas

Ter a missão de fechar a noite de um festival como o 5 Bandas é um desafio e tanto. Ainda mais porque o público devido ao horário do transporte público já começava a deixar o salão do Estúdio Bexiga no show anterior ao dos recifenses.

Mas isso não foi problema! Bastou ligar os synths, a programação e plugar a guitarra para olharmos pro lado e vermos o público fazendo os mais variados tipos de dancinhas.  Do forró até a cúmbia, do xaxado a abaixadinha até o chão….acredite, teve um pouco de tudo.

Se era para ser um show de 30 minutos, os moleques arretados estenderam para uma uma hora de apresentação e o público presente não reclamou. Continuo dançando o som instrumental, entre sons de “Tinky Winky”, “Tigres”, fuleiragens e guitarra caliente que nos traz um pouco do caldo – e caldeirão – da guitarrada paraense, surf music e lambada. O que eles gentilmente apelidaram de Surfcúmbia ou “Cúmbia Digital”, amamos rótulos.

“A gente veio de Recife, que é uma escola musical de onde saem grandes experiências rítmicas e a gente gosta de testar sempre novas misturas, como rock com brega, psicodélica com o tropical, o nada convencional”, conta Dossa, o guitarrista mascarado.

Premiere

Nesta terça-feira (23/07) eles lançam em Premiere no Hits Perdidos o videoclipe para uma faixa inédita. A canção em questão é  “Sem Querer Sonhar” que conta com a participação de Samuel Samuca, conhecido por seu trabalho com a banda Samuca e a Selva.

O feat casou bem pois deixou aquele clima selvagem ainda mais aflorado. Quente, dançante e com vocais do músico, o registro é definido pelo trio como “A Cúmbia d’El Rato”. Seja lá o porquê, o nome soou pelo menos aqui simpático.

A canção retrata sobre um amor platônico e o resto você vai ter que ouvir para entender mais. Trazendo elementos do brega, a faixa mostra um pouco mais sobre a nova fase criativa do grupo que traz ainda mais ritmos latinos para seu caldeirão.

A gravação ainda contou com a participação de Romulo Nardes, nas percussões, e Tagore Suassuna (Tagore) atuando como Pombo no videoclipe.



A produção audiovisual teve direção de cena realizada por Fred Figueiredo, Helder Tavares e The Raulis, direção de fotografia por Hugo sá e direção de arte assinada por Rafa Carneiro e Fred Figueiredo. Já o figurino teve apoio da marca Leveza Moda Alternativa, e Rebeca Gouveia assumiu o papel da produção.