[Premiere] Às vésperas do PicniK Festival, Commodities lança clipe minimalista

Commodities é um “projeto de um homem só” criado pelo músico Raphael Rocha em 2014. Porém por ser humanamente impossível reproduzir sozinho ao vivo o projeto, ele sempre contou com a ajuda de outros músicos locais para levar sua música para os palcos.

Sem formação fixa, o músico já contou em sua banda com nomes como Gabriel Pasqua, (baterista da Alarmes), Álvaro Rodrigues “Alvin” (baixista da Toro), Felipe Venâncio, (baixista do Quilombo), Frip Carvalho (guitarrista das covers de Radiohead e David Bowie, Radioteque e Davi de Boa, respectivamente).

Tendo influências do rock alternativo e britpop, o projeto brasiliense já conta com dois registros. After Sleeping (2014) e o mais recente EP, Behind The Curtain There Is Another Curtain (2017).


Commodities lança hoje seu novo clipe em Premiere no Hits Perdidos. - Foto: Divulgação
Commodities lança hoje seu novo clipe em Premiere no Hits Perdidos. – Foto: Divulgação

Participação no PicniK Festival

O novo EP está rendendo frutos. Após o Commodities ter sido selecionado para compor a coletânea Tomarock Transamérica 3, da Rádio Transamérica Brasília, neste sábado (23) a banda se apresentará no palco auxiliar do PicniK Festival. O evento será realizado de maneira gratuita na Torre de TV em Brasília (DF).

Premiere “Cósmic Latte”

Nesta quinta-feira (21) fazemos a Premiere do videoclipe de “Cósmic Latte”. A canção faz parte do mais recente EP, Behind The Curtain There Is Another Curtain, lançado em dezembro. Este que foi gravado e masterizado em Brasília pelo músico e produtor fonográfico Mateus Nunes (A.K.A. Borogun).

O curta foi concebido pela AgênciaAr, de Brasília (DF), esta que pertence ao músico e sua esposa, a jornalista, Ana Paula Siqueira Rocha. O clipe foi produzido, editado e finalizado apenas com a ajuda de um único smartphone.



Seu tom minimalista, cheio de sombras e camadas obscuras, cria uma sensação de desconforto para o expectador. Como o músico mesmo afirma, é algo proposital e que dialoga com a faixa que conta com mais de 7 minutos de duração. Os tons acizentados e a sensação de vazio deixam tudo ainda mais introspectivo e nos remete a fria Madchester.

Toda essa sensação de sufocamento converge como o próprio Raphael deixa claro em entrevista para o Hits Perdidos:

“….a letra da música que sugere uma dificuldade do personagem de encontrar até mesmo dentro de si, e também com o nome do EP: por trás da cortina tem outra cortina, ou seja, nada se revela. Estamos sempre abrindo cortinas. Nos revelando, nos descobrindo e mudando constantemente. Sempre procurando algo ou encontrado algo que nos encante.”, comenta o músico

Entrevista

[Hits Perdidos] Primeiro gostaria que comentasse sobre o projeto “de um homem só” mas com vários músicos não fixos participando da banda eventualmente. Como surgiu essa ideia? Nas gravações você gravou tudo sozinho?

Raphael Rocha: “Então, a ideia do Commodities surgiu em 2014. Eu já estava em estúdio gravando as músicas que deram origem ao álbum de estreia After Sleeping. Eu nunca gostei da ideia de ter uma banda solo.

Então eu decidi chamar de Commodities, primeiro pra tirar um sarro e colocar a música, a arte difundida como um produto. Isso gera um pouco de controvérsia no meio artístico. Mas é um pouco distorcida e as vezes convencionada o que é categorizado como arte. Enfim, eu queria provocar um pouco rotulando meu trabalho musical como um produto básico, matéria prima básica.

Segundo porque as Commodities estão em tudo no nosso dia a dia. Nesse sentido, consumimos Commodities o tempo todo. E por fim, uma commoditity não tem qualquer valor comercial. Apenas quando agregamos minério de ferro, café, geramos valor: então, temos uma banda.

Eu posso gravar tudo praticamente sozinho num estúdio, mas seria impossível reproduzir o meu som ao vivo sozinho. Por mais que eu grave só ao lado do produtor, o Commodities só funciona “no real”, como banda. O primeiro álbum e o EP lançado no fim do ano passado, foram gravados por mim é um produtor apenas.”

[Hits Perdidos] Qual formação subirá no palco do PicniK e quais as expectativas para o festival?

Raphael Rocha: “No PicniK vai subir no palco o guitarrista da banda Davi de Boa, melhor cover de David Bowie do Planalto e, também, do país. Ele já fez parte de bandas autorais importantes na cidade nos anos 2000. Já abriu show do Franz Ferdinand e Green Day.

Tem o Mateus Borogun que gravou o EP comigo e tem um trabalho autoral de house musica que ficou entre os mais baixados na Inglaterra. Ele lançou pela Spin, uma label de lá. O Felipe Venâncio da banda Quilombo. O baixista-designer responsavel pelo desenvolvimento das artes dos álbuns, e a logo do Commodities.

E a novidade nessa edição, que nunca tocou conosco, é o Lincoln, na batera. Ele toca em vários projetos. Desde que o Commodities nasceu em 2014, mais de 30 músicos de Minas Gerais, Goiás e Distrito federal já participaram. E quem estiver lendo isso aqui é quiser participar é só entrar em contato pelo Facebook ou e-mail. A expectativa para o PicniK é grande. Tenho muita vontade de tocar no evento. Estamos nos dedicando pra fazer um bom show por lá.”

[Hits Perdidos] O videoclipe é bastante minimalista e introspectivo. Como que foi o processo, criação do roteiro e o que queriam passar com o vídeo?

Raphael Rocha: “O EP Behind The Curtain There Is Another Curtain é um álbum que tende para o minimalismo. Em comparação com o álbum de estreia em que há músicas que contam com até cinco guitarras sobrepostas, bem ao estilo Britpop anos 90, com os famosos muros de som, como Oasis, no novo trabalho eu queria. Deixar mais silêncios, vazios, preencher menos.

Nesse sentido, o clipe de “Cósmic Latte” tenta passar essa busca. A fotografia meio embaçada, o personagem andando numa especia de vazio cinzento, tudo isso dialoga muito com a letra da música que sugere uma dificuldade do personagem de encontrar até mesmo dentro de si, e também com o nome do EP: por trás da cortina tem outra cortina, ou seja, nada se revela. Estamos sempre abrindo cortinas. Nos revelando, nos descobrindo e mudando constantemente. Sempre procurando algo ou encontrado algo que nos encante.”


TOMA
Para a coletânea foram inscritos mais de 200 projetos e dentre estes 14 foram selecionados pela rádio local.

[Hits Perdidos] Como foi o processo do Tomarock Transamérica 3, da Rádio Transamérica Brasília. Foi  pego de surpresa pela notícia?

Raphael Rocha: “Fui pego de surpresa. Eu já tinha tentado no primeiro álbum, mas não rolou. Dessa vez deu certo. E o Commodities é a única selecionada que canta em inglês.”

[Hits Perdidos] Como enxerga o momento em que está vivendo com a banda e como observa o cenário musical de Brasília?

Raphael Rocha: “Desde que cheguei a Brasília em 2010 considero o cenário da cidade muito intenso. Há muitas bandas boas autorais na cidade. Bandas de vários subgêneros do rock e outros estilos também.

Acho o ambiente fluido também e colaborativo. Prova disso é o Commodities. Funciona bem sem músicos fixos, apesar de alguns contratempos. Isso porque o pessoal daqui costuma colaborar bem um com o outro. Acho que a galera do independente vem amadurecendo bastante e criando cada vez mais trabalhos concisos e profissionais.”

PicniK Festival


PALCO


Serviço
PicniK Festival
Arte – Moda – Música – Dia – Bazar – Festa – Sorrisos – Comidinhas – De graça
Data: 23 e 24 de junho de 2018 (sábado e domingo)
Local: Torre de TV
Horário: das 13h às 22h
Acesso gratuito
Classificação indicativa livre

Obs: a partir das 16h será necessária a doação de 1 kg de alimento ou 1 livro ou 1 agasalho para acessar perímetro do evento (Instituições beneficiadas = Abrace e Ler Liberta).

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s