[Premiere] Para coroar e encerrar um ciclo, Miêta lança clipe para “Math”

Em Outubro de 2016 era lançado o single “Room“. Era isso que eu tinha de referência do som da Miêta… até que em janeiro do ano passado pude comparecer ao show da banda mineira no Breve.

Sai de lá estarrecido. Completamente perdido e alucinado – sem ao menos ter ingerido sequer uma gota de álcool. O quarteto se sentia a vontade, chegava de mansinho mas logo jogava uma sequência de guitarradas na “sua cara”. Com a maior delicadeza se apresentaram: “Nós somos a Miêta de BH”.

Após o show fui falar com o Luiz (baterista) – que já conhecia de ter visto show da Zonbizarro – sobre o estado que me encontrava, e ele me adiantou que já estavam produzindo o disco de estreia. Pouco tempo depois o single surfadélico/shoegazerPet” vinha ao mundo.

Não fui o único que ficou sem palavras com as apresentações da banda. E isso fez com que fossem feitos convites para que integrassem os selos PWR Records (PE) e Howlin’ Records (SP), pelos quais o grupo lançou seu álbum.



A expectativa pela chegada do Dive era tanta que no dia de seu lançamento eu precisei ouvir umas 10 vezes para ter algum tipo de parecer. O que me deixou bastante emocionado e por diversas vezes com vontade de chorar. Para mim essa foi a beleza do disco, reunir tantas dores e anseios por mudanças de uma maneira tão delicada mas ao menos tempo firme e consistente.

De lá para cá a banda deu uma verdadeira guinada e teve a oportunidade de realizar a abertura para as bandas Diiv e Tigers Jaw, além de marcar presença na Semana Internacional da Música de São Paulo. Eu nem consigo imaginar a emoção que tiveram ao tocar com uma das suas bandas favoritas, queria inclusive ter estado lá, mas acredito que deva ter sido intenso dividir a noite com o Diiv.


Foto por Claudão Pilha.
Miêta em ação. – Foto Por: Claudão Pilha

Quem pensa que a grupo teve sossego se engana. Em junho de 2017, emplacaram o single “I Like You So Much Better When I’m Down” na coletânea Come on Feel The NoiZe – BraZil Class’17, do selo  The Blog That Celebrates Itself (TBTCI). O disco, que conta com outras 23 bandas brasileiras, foi lançado mundialmente pela rádio canadense DKFM.

Todo mundo sabe que banda para conquistar terreno tem que rodar o máximo de lugares possíveis e a Miêta fez 4 mini-turnês por estados como Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais. Incluindo shows de abertura para bandas clássicas como Wry e Pin Ups.

No fim do mês passado foi lançada a coletânea Insubmissas que homenageou os 25 anos do primeiro álbum do Bikini Kill e o grupo participou com uma versão pilhada nas guitarras para “Tell Me So”.

Premiere

Então para mim ter a oportunidade de lançar em primeira mão um videoclipe da Miêta é um momento ímpar. Ainda mais da minha faixa favorita do disco. Na época tentei expressar em palavras tudo que senti no momento das primeiras audições:

“Aquele grito que Kurt Cobain berrava em In Utero e nas composições que fez para o Hole – em seu início de carreira – são firmes e ecoam em “Math”. A sensação de sufoco, de se sentir ameaçado e perseguido é o norte da canção que fala sobre o pesadelo vivido por milhares de pessoas.

Estas que acabam entrando em relacionamentos abusivos sejam eles afetivos, de amizades ou profissionais. Mais do que isso, a canção fala sobre as consequências psicológicas destes. Uma frase que me marcou forte é “If I look around I see your face in crowds / And you make me feel like walking into a fucking nightmare”. Só consegui pensar em transtornos como a síndrome do pânico, borderline, ansiedade e depressão.”

O vídeo é o terceiro da carreira do grupo, após “Pet” que teve direção de Jonathan Tadeu e do lyric video da emotiva “A Gente Não Consegue Terminar” que marcou o lançamento do álbum.

De certa forma o registro de “Math” imortaliza o ótimo 2017 da Miêta. Com imagens capturadas por João Rafael Lopes e Matheus Prado que puderam acompanhar algumas apresentações ao vivo da banda.

No videoclipe podemos ver trechos de shows relevantes para o currículo do conjunto como a abertura para a histórica banda Pin Ups, em Belo Horizonte (MG), e a turnê para o Festival Bananada, em Goiânia (GO).

João também ficou responsável pela edição que buscou mostrar a intensidade – e estética – das performances ao vivo dos integrantes.



Playlist no Spotify

Não conhecia e gostou do som da Miêta?

Confira uma playlist preparada pelo Hits Perdidos que inclui a banda + 90 outras que passeiam pelo universo do Shoegaze / Dream Pop / Chillwave e adjacentes. Ah e não esqueça de seguir o Hits Perdidos no Spotify.


Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

w

Connecting to %s