100 Hits Perdidos de 2020 – Playlist Oficial

 100 Hits Perdidos de 2020 – Playlist Oficial

Retrospectiva 2020: 100 Hits Perdidos de 2020

Há algumas semanas listamos por aqui os 50 Melhores Álbuns Nacionais de 2020 (Leia Mais). Uma lista de recomendações para correr atrás do que melhor aconteceu na música brasileira nos últimos 12 meses. Na semana passada listamos também 25 Melhores EPs Nacionais de 2020 (Leia Mais). Também listamos as 50 Melhores Capas de Discos de 2020 (Leia Mais) e outros 70 álbuns que você deveria ter ouvido (Leia Mais).

Agora chegamos com a já clássica Playlist de 100 Hits Perdidos. É a quarta vez que fazemos a lista de sons por aqui e a cada ano que passa conseguimos mostrar ainda mais hits que para muitos podem ter ficado “perdidos”.

Sem compromisso de ter sido lançado como álbum, EP, split ou apenas como single, a lista que faz uma Retrospectiva 2020 tem o papel de trazer novidades e fazer você conhecer o maior número possível de novos artistas. A safra é boa e a música agradece.

Confira também as Retrospectivas Anteriores:

Confira: 100 Hits Perdidos de 2019
Lista: 100 Hits Perdidos de 2018
Ouça Agora: 100 Hits Perdidos de 2017
Playlist: 100 Hits Perdidos de 2016


100 Hits Perdidos de 2020


Retrospectiva: 100 Hits Perdidos de 2020

1-10

Foi no finzinho de 2020, é verdade, mas YMA apresentou o primeiro single do seu segundo disco, “White Peacock”, já mostrando que os anos 70 de artistas como Kate Bush estará presente. Ana Frango Elétrico não lançou disco em 2020 mas diversas collabs, e alguns singles “Mulher Homem Bicho” também saiu aos 45 do segundo tempo e mostrando como ela continua afiada. O Ga Setubal lançou neste ano seu novo disco VIA e trouxe uma pérola na tracklist: “Volúpia Pura”, parceria com os belos vocais de Luiza Lian.

A Betina deve lançar um álbum cheio em 2021 e apresentou o single “Onda Errada“, parceria com Dinho Almeida (Boogarins), baita som. A Mulamba juntou forças com Badsista para um remix com direito a “Batidão” para “Espia, Escuta”. Elga Flanger aparece em nossa lista com o ótimo single, o delirante “W.T.K.U.B.L.”. Papisa já vinha tocando em seus shows a faixa “Homem Mulher”, que tem até mesmo uma cutucada em Kevin Parker (Tame Impala), em 2020 ela ganhou uma versão de estúdio. Estreante por aqui mesmo tivemos a catarinense Julia Melo com o single “Heaven”, dançante com direito a beats eletrônicos e flertes com o dream pop.

ÀIYÉ lançou seu EP Gratitrevas e “Isadora” é daquelas músicas chiclete que você não consegue ouvir apenas uma vez. Flora Matos deixou para lançar disco no 23/12, e por isso deve aparecer pouco em listas de fim de ano, ouvimos a tempo de colocar na playlist “Balanço”.

11-20

Hot e Oreia acertou em cheio com o seu segundo disco de estúdio, Crianças Selvagens, com direito a samples que vão de Nelson Ned a Caetano Veloso, para a playlist escolhemos “Presença”. Ano importante para Rico Dalasam que lançou dois EPs mas “Braile” é definitivamente um dos Hits Perdidos de 2020. Foi o ano da Jup do Bairro que com Corpo Sem Juízo foi longe demais e vai abrir ainda mais portas para a sua carreira; acho que “PELO AMOR DE DEIZE”, feat. com a poderosa Deize Tigrona, com direito a referências de Metal, representa logo em seu título o que foi 2020.

A Bivolt também chegou com tudo, ligada nos 220V, e por isso também aparece por aqui. Surpresa também foi o rapper fluminense Ninguém que acertou em cheio no single “Desde São Domingos”. Ano importante para Linn da Quebrada que foi contemplada no Edital da Natura Musical e no finzinho do ano lançou o single “quem soul eu”.

Com Histórias da Minha Quebrada Djonga deu um novo passo em sua carreira para contar causos que representem as quebradas de todo Brasil, por aqui separamos a linda “Procuro Alguém” que homenageia a sua filha. A versão comemorativa de “Voz Ativa”, dos Racionais MCs ganhou um feat. histórico de Dexter em parceria com Djonga, DJ Will, KL Jay e Coruja BC1, o clipe é impactante.

Um feat interessante rolou entre Meu Nome Não É Portugas, projeto de Rubens Adati, com Apeles, projeto de Eduardo Praça, o resultado de “Eterno Azul” surpreendeu pelas belas camadas. O gaúcho RROCHA começou a apresentar um projeto que alia música, cinema, poesia e fotografia e “RUA” abriu os trabalhos de maneira bastante impactante.

21-30

De Limeira (SP) a Bamba EFX chamou nossa atenção e estamos atentos para os próximos passos, por aqui vocês ouvirão “Bennu”. Um feat que ganhou um belo clipe foi “O Cachorro do Ano”, música eletrônica com beats até mesmo futurísticos, a faixa do MASM conta com a parceria com Tolentino que também lançou material cheio neste ano.

Do estado do Rio de Janeiro Marcão Baixada mandou seu papo reto na ótima “Meu Melhor Rap do Ano”, também da área na sequência nossa lista traz o rapper BK’ que lançou o excelente O Líder em Movimento, um dos Melhores Álbuns do Ano.

Jonathan Tadeu fez um dos grandes hinos para quem está na casa dos 30, “Éramos Jovens Emocionados”, já a Ginge, também de Minas Gerais, e com um line up recheado de all stars da cena local, apresentou seu EP de estreia com direito a ótima “Marília”.

Os paulistas da Cigana saíram da zona de conforto e gravaram um EP a distância com inspirações que vão de Billie Eilish ao hip hop no melhor estilo Mixtape com direito a remixes, o resultado é interessante como “Dá pra Voltar?” faixa cheia de loops e detalhes na mix.

De Sorocaba (SP) a Dormente aparece por aqui com “Não Tá Okay”, a banda também lançou disco em 2020. Uma parceria com a cara do isolamento foi “A Lone Song” faixa que une os cariocas do The Outs, os paraenses do Slowaves e a norte-americana Abby Cole nos vocais. Já a Applegate fez um pouco de tudo, além de lançar “Miragem”, ainda elaborou um esquema de “Premieres” de faixas via vendas, assunto que falamos mais no texto “A Era do Artista Influencer” que bombou por aqui.

31-40

Quem voltou a lançar um single, com direito a remix e videoclipes, foi o pernambucano Tagore com a faixa “Drama”, parceria com o Boogarins. A Atalhos prepara um disco para 2020 e deixou o folk de lado para se aproximar do Dream Pop, separamos por aqui “Mesmo Coração” que recentemente ganhou uma live session em premiere no Hits Perdidos. O WRY, de Sorocaba (SP), lançou o ótimo Noites Infinitas e por aqui aparece com “Morreu a Esperança”.

O Tagua Tagua lançou seu primeiro álbum de estúdio Inteiro Metade com direito a canções que viajam por diferentes frequências, uma das que se destaca é “Mesmo Lugar”, e por isso aparece por aqui. Uma ótima surpresa foi a Pluma que lançou seu primeiro EP focando em uma experiência para o ouvinte, “Esquinas” tem um pouco de Clube da Esquina e um pouco de Khruangbin, interessante não é mesmo?

Depois de um novo disco o Viratempo decidiu por lançar um EP de versões com direito a feats e releituras, por aqui eles aparecem com “LA FLACA”. O trio paranaense Tuyo está prestes de lançar um novo disco e já no fim de 2020 apresentaram o single “Sonho da Lay” com participação de Luccas Carlos. Sandyalê lançou alguns sons e sessions no fim do ano, entre eles “Tateia” chamou bastante a atenção.

A Mahmundi lançou um disco curtinho mas bastante impactante, nele “Nova TV”, faixa em parceria com Castello Branco é daquelas que fica na cabeça. Já a Letrux aparece por aqui com a festiva “Vai Brotar”, o disco entrou na nossa lista de Melhores do Ano.

41-50

A Duda Brack começou a divulgar uma série de singles e videoclipes que se interligam e “Pedalada” aparece por aqui. A paraense Sammliz aparece com “Irmã”, já a Venus Wave com a psicodélica “Forest Song” que ganhou um excelente videoclipe. Os gaúchos da Catavento começam a apresentar a nova fase com o single “Quebra Alma”, na sequências temos uma dobradinha de pernambucanos com a Bule com “Boto o Olho” e Mulungu com “Deus Tempo”.

Ainda na psicodelia temos Tangolo Mangos que gravou um EP a distância trocando arquivos de computador e Boogarins que trouxe B-Sides de várias eras em Manchaca Vol. 1. Dona do disco do ano Luedji Luna aparece com “Tirania”, já Marcos Valle em feat com Emicida, a ótima “Cinzento”.

51-60

O miolo da nossa playlist de 100 Hits Perdidos de 2020 vem forte com Black Alien e seu fantástico hit “Chuck Berry”, Criolo com o feat. brutal com Tropkillaz, “Sistema Obtuso” e Pabllo Vittar com a bombada “Amor de que”. Puxando o tapete e arrastando o sofá da sala Siso lançou seu novo disco e “Pop Antigo” é um hit perdido. Daquelas para cantar para as crushs, Julio Secchin aparece com “Probleminha” que emenda com “Fake” do pernambucano Romero Ferro.

Dono de um dos discos do ano Kiko Dinucci aparece por aqui em uma parceria com Rodrigo Ogi em “Veneno”. Um disco que deu o que falar foi o de Chico Chico com Fran e por isso “Ninguém” aparece numa sequência belíssima que ainda conta com Ítallo França, com seu “Time da Mooca” e a Bratislava se despedindo do seu baterista Lucas em “Desfecho”.

61-70

Giovanna Moraes lançou um disco e um EP e por aqui aparece com um dos grandes destaques, “Devaneios”. Vovô Bebê também não sossegou e lançou dois álbuns de estúdio e por aqui aparece com “Êxodo”. Pedro Pastoriz lançou o excelente Pingue-Pongue com o Abismo via selo RISCO, com direito a vinhetas, narrativas literárias e até mesmo teatrais; por aqui aparece com “Sessão das Sete”. Luiza Brina e Julia Branco somam forças em “Butterfly” (versão em inglês para um dos carros chefes do disco da artista).

Do sul do Brasil a Cuscobayo aparece com seu reggae / pop “Desafogo”, na sequência tem um feat baiano com Hiran e a Astralplane, “Desmancho”. Marcelo D2 foi contra o convencional e lançou um disco via Twitch com direito a ótimas participações especiais, por aqui trazemos “ROUPEU O COURO”, com Juçara Marçal, Djonga, BK’ entre outros.

Joca em parceria com grãomestre lançou a magnética “Novo Milênio”, na sequência temos o grande Rincon Sapiência com “Malícia” e Don L com a excelente “Kelefeeling (verso livre)”.

71-80

O rapper guarulhense EDGAR chegou com tudo com o single “Também Quero Diversão!”, um respiro depois de um ano difícil marcado por tragédias. Quem ganhou ainda mais espaço foi o rapper indígena Kunumi MC e por aqui aparece com a pulsante “Guerreiro da Floresta”. Jonathan Ferr em parceria com niLL, Choice e Lossio aparece por aqui com “Te Assistir Sorrir”. Um feat que aparece por aqui também é o de Doralyce com Bia Ferreira em “Acenda a Luz”. Aliás feat não faltou em 2020 e na sequência vamos com um que uniu Uiu Lopes, Dieguito Reis e Lau e Eu, “Raffa Moreira Me Conhece”.

Victorino aparece com a climática “Tela Azul”, faixa que ganhou um belo videoclipe de lockdown. Já a Labaq com um violão em mãos criou uma nova roupagem sonora em “Abrandô”, Sara Não Tem Nome resumiu bem o momento tenso do Coronavírus com a atemporal “Agora”, Bruno Schiavo disponibilizou seu debut com uma energia mais calma, despojada e roqueira em “Amores Incríveis”. Já a Obinrin Trio lançou o ótimo Origem no qual conta com uma parceria com Ju Strassacapa, a ótima “Feito Fumaça”.

81-90

O carioca Gilber T aparece por aqui com uma versão ótima para “Sinnerman” de Nina Simone. Os curitibanos da Dinamite Combo não abaixaram a cabeça e apresentaram um disco que conta com sua faixa título “Raise Your Head” trazendo ares de outros tempos e pensamento positivo contra o retrocesso político e social. De feats inesperados temos o ótimo encontro entre Tuyo e Dingo Bells em “Dinossauros“, clássico dos gaúchos. Em uma espécie de Powerpop no estilo água e açúcar da sessão da tarde a Hibizco aparece por aqui com “Bicicleta Branca”.

Nuven faz feat com Ale Sater (Terno Rei) na eletropop “Par de Ondas”. Experimental a Vivian Kuczysnki lançou um EP e na playlist entrou com “N ENTENDI ND” via Balaclava Records. Já o mineiro JP lançou alguns single, entre eles “Eu Quero Perder Você”.

Chuck Hipolitho lançou um disco que nem ele mesmo pretendia lançar mas que chamou a atenção e reverenciou suas influências da música e da vida, por aqui ele aparece com “Tem Cheiro de Espírito Adolescente”. Marcelo Perdido, o xará do site, lançou documentário e um disco em 2020, por aqui você ouve “Não Tô Aqui Pra Te Influenciar”. De Piracicaba (SP) os surf punkers da Yamasasi aparecem com a estridente “Miles Away”.

91-100

Um dos discos mais divertidos do ano – e sem pretensões – foi o da Cat Vids, Radicalíssimo, que ganhou até mesmo uma websérie Como Gravar um Disco de Sucesso, aparece por aqui com “Ash Ketchum” parceria com a Brvnks. Os santistas do The Bombers lançaram um EP para comemorar seus 25 anos e nele conta com a faixa “Ardendo em Chamas” que poderia virar trilha até mesmo dos vídeos do Canal OFF!. Já a Crime Caqui aparece com “Your Forehead” e os Autoramas com “Boneco”.

Thunderbird apresentou alguns singles durante o ano e “A Obra” chamou bastante a atenção, confira entrevista com o músico clicando aqui. Com a mesma veia punk do Thunder o Jair Naves apresentou a precisa “Irrompe”. Para fechar nossa playlist com os 100 Hits Perdidos de 2020 trazemos uma sequência experimental e brutal com Salvage, John Filme, Ovo ou Bicho e Pessoas Estranhas.

Ufa! 100 sons resenhados agora é a hora de você apertar o play!



Para Outras Playlists Exclusivas Siga o Hits Perdidos no Spotify

Rafael Chioccarello

Editor-Chefe e Fundador do Hits Perdidos.

Related post

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *